InícioEditorialPolítica NacionalMoraes defende remoção de conteúdos violento sobre escolas em até 1 hora

Moraes defende remoção de conteúdos violento sobre escolas em até 1 hora

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), voltou a defender a regulação das redes sociais como medida contra os ataques às escolas. Durante participação na reunião do Palácio do Planalto, em conjunto com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), governadores, ministros, prefeitos e chefes dos Três Poderes, Moraes afirmou que a experiência de combate às fake news nas eleições de 2022 pode ser usada como uma ação contra discursos de ódios e a propagação de conteúdos que incentivem racismo, suicídio e também a violência no ambiente escolar. Para o magistrado, o “modus operandi” usado para incentivar os ataques é o mesmo utilizado no período eleitoral. “É idêntico ao modus operandi que foi usado contras as urnas eletrônicas, contra a democracia. O mesmo modus operandi instrumentalizado pelo dia 8 de janeiro. Não há nenhuma diferença, é exatamente idêntico”, ponderou Moraes.

Na visão do ministro, as redes sociais não podem ser uma “terra sem lei” e, por isso, é preciso que seja expandidos os métodos de regulação. “Se a plataforma está ganhando dinheiro com aquilo, ela é responsável”, declarou. “Se não houver uma auto regulação, e uma regulamentação com determinados modelos a serem seguidos, vamos ver a continuidade dessa instrumentalização pelas redes para incentivar ataques nas escolas. (…) O número no mundo todo, aumento de número de suicídio, aumento de casos de depressão por ataques nas redes, é algo incrível”, comentou Alexandre de Moraes. O ministro defende que “o que não pode ser feito no mundo real não pode ser feito no mundo virtual” e cobra a remoção imediata de conteúdos pelas plataformas digitais, seguindo o mesmo modelo adotado durante as eleições, com remoção em menos de 1 hora.

“Nós precisamos agir com celeridade. Assim como, durante o período eleitoral, houve necessidade da atuação com celeridade. (…) Antes, se determinava a retirada [de fake news] em 48h, que é uma vida na rede social. Nem precisa tirar mais, porque a notícia ficou velha. Nós mudamos para 2h. E, na véspera das eleições, 1h. No dia da eleição, estavam tirando em 15 minutos. Ou seja, é possível”, ponderou o ministro. Como a Jovem Pan mostrou, autoridades se reuniram no Palácio do Planalto nesta terça-feira, 18, para debater estratégias e esforços de todos os entes federados para ampliar a segurança no ambiente escolar após os ataques em Blumenau e São Paulo. Ao lado de Alexandre de Moraes, o presidente Lula também defendeu a regulação das redes sociais e a participação das famílias para manter a paz nas escolas.

 

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Holocausto “não pode ser comparado a nada”, diz chanceler alemã

Annalena Baerbock está no Brasil para o encontro de ministros do G20 e foi...

Grupo que matou jovem fez outra vítima com “mesmo modus operandi”

Os envolvidos na morte do vendedor Matheus Silva Cruz (foto em destaque), 23 anos,...

Rio de Janeiro decreta epidemia de dengue

O Estado do Rio de Janeiro decretou nesta quarta-feira, 21, epidemia de dengue em...

Tudo acordado com o Executivo sobre emendas foi sancionado, diz Haddad

“Isso foi reconhecido pelo próprio Arthur Lira”, afirma o ministro da Fazenda em relação...

Mais para você