InícioEditorialPolítica NacionalMoraes está "careca" de saber sobre "censura" do STF, diz Dallagnol

Moraes está “careca” de saber sobre “censura” do STF, diz Dallagnol

Ex-procurador da Lava Jato diz em audiência sobre os 10 anos da operação ser “escancarada a censura” do Judiciário

Dallagnol participou por videoconferência de uma audiência da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara para discutir os 10 anos de deflagração da operação Lava Jato Vinicius Loures/Câmara dos Deputados – 21.mai.2024

Maria Laura Giuliani 21.mai.2024 (terça-feira) – 19h35

O ex-deputado federal e ex-procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol (Novo-PR), criticou nesta 3ª feira (21.mai.2024) o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes. Disse ser “escancarada a censura” do Judiciário brasileiro e que o magistrado está “careca de saber”.

Dallagnol participou por videoconferência de uma audiência da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados para discutir os 10 anos de deflagração da operação Lava Jato, em 17 de março de 2013.

O ex-procurador afirmou que há uma “hipocrisia” de pessoas que criticam supostos excessos na Lava Jato, mas “silenciam” diante de “abusos” do STF. 

“Vemos tudo isso coroado pela hipocrisia daqueles que criticavam supostos abusos da Lava Jato em cima de interpretações e que hoje silenciam dos abusos mais que escancarados praticados pelo Supremo Tribunal Federal. Isso tudo que mencionei é ilegal”, afirmou.

Dallagnol ainda citou uma suposta censura do STF e mencionou a série de reportagens “Twitter Files Brazil”, do jornalista norte-americano Michael Shellenberger.

O conteúdo divulgado em 3 de abril mostra pedidos de diversas instâncias do Judiciário brasileiro solicitando dados pessoais de usuários.

Em 16 de maio de 2023, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) cassou por unanimidade o mandato de deputado de Dallagnol.

Os ministros seguiram o voto do relator do caso, ministro Benedito Gonçalves, que considerou que o deputado antecipou sua demissão do cargo de procurador no Paraná para evitar uma punição administrativa do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), a qual poderia torná-lo inelegível.

Dallagnol diz que perdeu o mandato por criticar o STF.

“Eu fui punido, enquanto membro do Ministério Público Federal, por ter cometido o grave crime no Brasil de criticar o Supremo Tribunal Federal […] Mais ainda, eu respondi um inquérito por ter feito críticas, com a imunidade parlamentar, contra a decisão que me cassou. Fui cassado por um ministro delatado com base em futurologia”, declarou. 

AUDIÊNCIA NA CÂMARA Os deputados Adriana Ventura (Novo-SP) e Kim Kataguiri (União-SP), congressistas da oposição ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e apoiadores da Lava Jato, foram os criadores do requerimento para a audiência. 

O advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, um dos maiores críticos da ação no país, foi presencialmente à Câmara dos Deputados. O ministro aposentado do STF Marco Aurélio Mello foi convidado, mas não compareceu.

Kakay se retirou da comissão antes de Dallagnol falar.

Em sua participação, o advogado disse que a operação é um “projeto de poder político coordenado por um juiz [Sergio Moro (União Brasil, atualmente senador pelo Paraná] que coordenava procuradores da República para instrumentalizar o Ministério Público”.

LAVA JATO A operação Lava Jato completou 10 anos em 17 de março deste ano.

Um dos principais acusados, Lula, foi condenado por várias instâncias da Justiça, passou 580 dias preso na carceragem da PF (Polícia Federal) em Curitiba (PR), conseguiu anular os processos, ficou livre e foi eleito presidente da República.

Apesar de ter sido libertado e eleito presidente da República, Lula não foi absolvido de todos os processos.

O que o STF decidiu foi o retorno das ações para a 1ª Instância da Justiça em jurisdições diferentes da de Curitiba, então comandada pelo então juiz federal e hoje senador Sergio Moro. O congressista pode ser cassado pelo TSE.

Outro ícone da Lava Jato, o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, havia sido condenado a 45 anos de cadeia. Contudo, foi solto em 9 de fevereiro de 2023.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Democracia derrotou comunismo e fascismo, diz Barroso

Segundo o presidente do STF, o regime foi a ideologia vitoriosa do século e...

Neto de Luiz Gonzaga diz que família não autorizou hit de Juliette

Reprodução/Redes Sociais 1 de 1 Montagem colorida em que Daniel Gonzaga aparece de um...

Saiba quem é o homem misterioso que surgiu ao lado de Beatriz Reis

Na noite dessa sexta-feira (21/6), Beatriz Reis pegou os fãs de surpresa ao compartilhar...

Barroso defende reforma tributária e regulamentação das plataformas digitais

Em Oxford, durante o Brazil UK Forum, o presidente do STF disse que há...

Mais para você