InícioEditorialMorte de família em Marechal Rondon tem ligação com tráfico, acreditam moradores

Morte de família em Marechal Rondon tem ligação com tráfico, acreditam moradores

Duas versões são consideradas para as mortes de três pessoas de uma família, entre elas um menino de 12 anos, na madrugada desta quarta-feira (31), no bairro de Marechal Rondon.  A primeira envolve o fato de uma das vítimas, Luís Fernando Silva Santos, de 33 anos, o Nando, ter roubado dinheiro da boca de tráfico que gerenciava para o Bonde do Maluco (BDM).  A segunda versão é a possibilidade de um racha dentro da facção, que criou um outro grupo chamado “Cangaço”, que teria matado Nando e a família por conta da rivalidade entre os bandos.

Além de Nando, foram mortos a tiros Vanessa dos Santos Vitorio, de 24 anos, e de Jeferson dos Santos Valverde, 12. As execuções aconteceram na comunidade conhecida como Inferninho, trecho da localidade do Dique. Jeferson era parente de Nando e Vanessa, mas não há confirmação se era filho ou sobrinho.

Moradores ouvidos pelo CORREIO contaram que Nando estava suspenso havia uma semana do comando do tráfico na região por ter dado roubado a boca. “Ele foi retirado do momento depois de ter dado o prejuízo. Estavam resolvendo o que iam fazer e aí decidiram pela eliminação”, contou um morador.

Por volta das 3h, um grupo armado chegou à residência, levando Nando para um baco. “Eles só queriam o gerente, mas aí a mulher começou a gritar na rua, chamando a atenção de todo mundo. Teve gente que tentou acalmar, mas ela gritava: ‘Se matar ele, vai ter que.me matar também’. Foi aí que um dos caras que comandava o grupo ligou para o chefe e perguntou o que fariam e líder respondeu: ‘Mata todo mundo’. O menino não ia morrer, mas acordou com todo o barulho e foi no bolo”, contou o morador. 

A segunda versão é que um grupo formado por desertores do Bonde do Maluco (BDM), denominado de “Cangaço”, seria o responsável pelas mortes. Outros moradores relataram que o líder e mandante das mortes é um traficante apelidado de “Dil” e que tem mando de prisão em aberto por vários crimes, entre eles, homicídios. 

O “Cangaço” é um grupo formado entre o fim de 2022 e o início deste ano, após um racha entre dois subgrupos do BDM que atuam no Inferninho. Os bandidos, a princípio, queria executar somente Nando, pela disputa pelo controle do tráfico na região, mas a mulher e o menino foram mortos para não haver testemunhas.

Falando dessa versão, moradores contam que Jeferson é filho de um traficante apelidado de Jacaré, que está preso e que também faria parte do BDM.

De acordo com a Polícia Militar, unidades da 9ª Companhia Independente estiveram no local e encontraram “um homem caído ao solo em via pública, uma mulher e uma criança dentro de um imóvel, sem sinais vitais, todas vítimas de disparo de arma de fogo”.

Já a Polícia Civil, que apura a autoria e o motivo das mortes, disse que “os corpos foram encontrados dentro de um imóvel”. A investigação é da Delegacia de Homicídios Múltiplos (DHM).

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Apoiadores atendem Bolsonaro e vão à Paulista sem faixas contra o STF

São Paulo — Os milhares de apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) que se aglomeram...

Movimentação aumenta e milhares se juntam na Avenida Paulista

Milhares de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) aguardam a chegada do político e...

Belo Monte produz baixa emissão de CO2, aponta estudo da UFRJ

A Usina Hidrelétrica Belo Monte produz baixa emissão de CO2, com níveis similares de...

Mais para você