InícioEditorialPolítica NacionalMPF investiga suposta omissão da PF em ação que matou 26 em...

MPF investiga suposta omissão da PF em ação que matou 26 em Varginha

Polícia Federal indiciou 39 policiais do Bope e da PRF por supostos crimes de homicídio e tortura durante a operação “Novo Cangaço” em 2021

Coletes à prova de balas, armas, munições e carro apreendido na operação Novo Cangaço em Minas Gerais, em 2021 Reprodução/Twitter @andersongtorres – 31.out.2021

Caio Vinícius 25.abr.2024 (quinta-feira) – 8h39

O MPF (Ministério Público Federal) investiga a suposta omissão de agentes da PF (Polícia Federal) na operação Novo Cangaço, deflagrada em 2021 na cidade de Varginha (MG) pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) e pelo Bope (Batalhão de Operações Especiais) da Polícia Militar de Minas Gerais. A ação policial deixou 26 mortos.

Em fevereiro de 2024, a PF indiciou 39 policiais por crimes como homicídio, tortura e fraude durante a operação. Eis a íntegra do relatório (PDF – 3 MB). Segundo apurou o Poder360, os procuradores do MPF colhem indícios de suposto crime de prevaricação (quando um funcionário público deixa de exercer uma obrigação de seu ofício) por parte da corporação. O procedimento foi instaurado pelo órgão em 1º de março de 2024.

Nas vésperas da deflagração da operação, a superintendência da PF de Minas Gerais desistiu de participar da ação e recusou enviar os policiais. Além disso, teria recomendado que fosse realizada uma ação policial mais branda e direcionada.

No entanto, conforme apurou este jornal digital, há indícios de que os agentes da PF teriam participado do trabalho de inteligência antes da operação e sabiam da existência de um arsenal de guerra. Mesmo assim, não aceitaram participar da ação.

Depois da conclusão do relatório, o delegado da PF que indiciou os 39 policiais, Carlos Henrique Cotta D’Ângelo, foi nomeado como superintendente da Polícia Federal no Mato Grosso do Sul.

À época, a operação foi elogiada pelo então governo de Jair Bolsonaro (PL). A Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) usou as redes sociais para “celebrar” a ação policial.

O Poder360 entrou em contato com a Polícia Federal para questionar sobre a investigação do MPF, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem. O espaço segue aberto para manifestação.

O CASO Em 2021, segundo apurações da polícia, o grupo criminoso se preparava para roubar um banco em Varginha. Foram apreendidos um arsenal de guerra em 2 sítios alugados pelos bandidos. No relatório, a PF concluiu que esse armamento pesado foi plantado pelos policiais no local e que os suspeitos não empunhavam as armas no momento em que foram mortos.

Segundo a investigação da PF, os policiais que participaram da operação forjaram os disparos feitos pelas armas dos suspeitos. O relatório da corporação afirma que, durante a operação Novo Cangaço, aproximadamente 500 tiros foram disparados e só 20 foram atribuídos às armas dos suspeitos.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Durante tensão diplomática, Milei diz que viajará à Espanha

Presidente da Argentina pretende ir ao país europeu em 21 de junho para receber...

Vídeo: após TSE rejeitar cassação, Moro diz que julgamento foi técnico

VINÍCIUS SCHMIDT/METRÓPOLES 1 de 1 Imagem colorida do Senador Sérgio Moro (União-PR) deixa gabinete...

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

A desburocratização do acesso aos quatro principais fundos internacionais voltados para o financiamento de...

Companhias aéreas anunciam voos em Canoas como alternativa a Porto Alegre

As companhias aéreas Azul e Latam anunciaram a oferta de voos com origem ou...

Mais para você