InícioEditorialPolítica NacionalMPF recupera vídeo de Bolsonaro para investigação do 8 de Janeiro

MPF recupera vídeo de Bolsonaro para investigação do 8 de Janeiro

Ex-presidente questionou resultado das eleições 2 dias depois de atos; Meta disse em agosto que não poderia recuperar o vídeo

A PGR pediu a inclusão de Bolsonaro nas investigações do 8 de Janeiro por publicação questionando o resultado das eleições Sérgio Lima/Poder360 – 28.nov.2023

PODER360 15.dez.2023 (sexta-feira) – 17h36

O MPF (Ministério Público Federal) disse nesta 6ª feira (15.dez.2023) ter recuperado um vídeo publicado e apagado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) 2 dias depois dos atos do 8 de Janeiro. O órgão havia solicitado que a Meta (controladora do Facebook) disponibilizasse o vídeo às autoridades, mas a empresa disse que o material não estaria disponível nos seus servidores.

O subprocurador-geral da República, Frederico Santos, encaminhou ao STF (Supremo Tribunal Federal) o relatório elaborado pela Secretaria de Perícia, Pesquisa e Análise do MPF onde consta a recuperação do vídeo. A Corte investiga o crime de incitação aos atos que depredaram prédios na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Eis a íntegra do comunicado (PDF – 155 kB).

A PGR (Procuradoria Geral da República) havia solicitado o material à Meta pela 1ª vez em 13 de janeiro, e depois em 4 de dezembro. A Meta disse, em petição enviada ao STF em agosto, que o vídeo foi deletado pelo usuário em uma data fora da margem de tempo que obriga a empresa a armazenar materiais publicados, que é de 6 meses. 

No entanto, o 1º pedido do MPF foi feito 3 dias depois da postagem de Bolsonaro. A Meta disse não ter recebido a intimação, impossibilitando o cumprimento da ordem. 

“Importante esclarecer, ainda, que o vídeo em questão não foi preservado porque não existia obrigação legal ou judicial nesse sentido. Explica-se: a META PLATFORMS não recebeu ofício e tampouco foi intimada da referida decisão de 13 de janeiro de 2023. A empresa não tinha conhecimento do comando judicial até recentemente, quando foi intimada do Ofício n.º 11564/2023, que menciona tal r. decisão. Do mesmo modo, não existe obrigação legal de armazenamento de conteúdo (como fotos e vídeos), consoante o artigo 15 da Lei Federal 12.965/14 (“Marco Civil da Internet”), que obriga que provedores de aplicação de internet armazenem apenas registros de acesso (IP logs) por 6 meses”, disse.

Com a recuperação do material, Frederico Santos, que também é coordenador do GCAA (Grupo Estratégico de Combate aos Atos Antidemocráticos), solicitou ao relator do caso no Supremo, o ministro Alexandre de Moraes, que sejam levantados os autos comprobatórios para apurar a ausência de cumprimento de decisão judicial por parte da Meta. 

ENTENDA O vídeo publicado por Bolsonaro no Facebook se tratava de uma entrevista do procurador do Estado de Mato Grosso, Felipe Marcelo Gimenez, à rádio Hora 92,3. Ele defendeu que a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em 2022 havia sido fraudada. A publicação foi apagada cerca de 2 horas depois da postagem. 

Por causa da publicação, o MPF solicitou ao Supremo a inclusão do ex-presidente no inquérito que apura o 8 de Janeiro.

Eis abaixo um print da publicação de Bolsonaro: 

O Poder360 questionou a Meta sobre a recuperação do material feita por técnicos do MPF. Até a publicação desta reportagem a empresa não se posicionou, o espaço segue aberto para a manifestação.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Em despedida do TSE, Moraes diz que atuou contra o “populismo digital”

Sem citar nomes, ministro afirmou que a Corte não se “acovardou” mesmo com críticas...

“70% de certeza”, diz ex-affair sobre possível paternidade de Buda

Nina Capelly, prima de MC Binn, descobriu recentemente que está esperando um bebê. A...

Irmã de Gisele Bündchen decidirá sobre socorro do governo Lula ao RS

Instagram/Reprodução 1 de 1 Gisele Bündchen posa de look marrom e cabelos soltos para...

Mais para você