InícioEditorialPolítica NacionalNinguém cruza a linha sem pagar o preço, diz China sobre Taiwan

Ninguém cruza a linha sem pagar o preço, diz China sobre Taiwan

Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores apela aos EUA para refletir “profundamente” sobre seu comportamento

Taiwan é governada de forma independente, mas a China considera a ilha parte do seu território; na foto, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Mao Ning Divulgação/Ministry of Foreign Affairs of China

PODER360 28.mai.2024 (terça-feira) – 6h00

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning, disse na 2ª feira (27.mai.2024) que nenhum país, organização ou indivíduo pode “pisar ou mesmo cruzar a linha” na questão de Taiwan sem pagar “nenhum preço”. A declaração foi feita ao responder a jornalistas sobre medidas tomadas por Pequim contra 12 corporações de defesa dos EUA e 10 executivos norte-americanos. 

Segundo a agência Xinhua, a China estaria respondendo a sanções impostas pelos EUA às empresas chinesas por questões relacionadas à Rússia e ao fato de os EUA apoiarem o novo presidente de Taiwan, Lai Ching-Te (DPP, sigla em inglês para Partido Democrático Progressista). 

Taiwan é governada de forma independente desde o fim de uma guerra civil em 1949. A China, no entanto, considera a ilha como parte do seu território, na forma de uma província dissidente. No poder desde 2016, o partido de Lai Ching-Te defende a autonomia da região em relação à China. 

Os EUA, apesar de aceitarem a política de “uma só China”, são aliados de Taiwan. O presidente norte-americano, Joe Biden (Partido Democrata), já disse em diversas ocasiões que ficará ao lado de Taiwan no caso de uma invasão chinesa na ilha. 

“Nenhum país, organização ou indivíduo deve subestimar a forte determinação, a vontade e a capacidade do governo e do povo chinês de defender a soberania e a integridade territorial de nossa nação, ou imaginar que eles poderiam pisar ou até mesmo cruzar a linha na questão de Taiwan sem pagar nenhum preço”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês. 

“Continuaremos a tomar todas as medidas necessárias para proteger nossos direitos e interesses legítimos e legais”, afirmou Mao. Segundo ela, Pequim apela aos EUA para refletir “profundamente” sobre seu comportamento, assumir sua responsabilidade pela eclosão e escalada da crise na Ucrânia, parar de “difamar e pressionar” e de “abusar” de sanções unilaterais que classificou como ilícitas.

Leia mais: 

China deve parar com a intimidação, diz presidente de Taiwan China confirma exercícios militares próximos a Taiwan China divulga vídeo em que simula ataque a Taiwan Presidente de Taiwan é “deplorável”, diz chanceler chinês

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Tarcísio diz que escolas cívico-militares promovem “direitos humanos”

Governador de São Paulo defendeu modelo de educação em manifestação a Gilmar Mendes; STF...

Juliette se pronuncia após críticas de neto de Luiz Gonzaga

A assessoria de Juliette Freire se manifestou nas redes sociais após Daniel Gonzaga, neto...

DF: 6 mil cobradores temem desemprego com fim do dinheiro nos ônibus

Em meio à mudança que dará fim ao pagamento em dinheiro no transporte coletivo...

Jerônimo prestigia festejos juninos pelo interior do estado, até segunda-feira (24)

Os festejos juninos de alguns municípios baianos serão prestigiados pelo governador Jerônimo Rodrigues, nos...

Mais para você