InícioEditorialPolítica NacionalNo Senado, embaixador da Rússia no Brasil fala em ‘políticas russofóbicas’

No Senado, embaixador da Rússia no Brasil fala em ‘políticas russofóbicas’

O embaixador da Rússia no Brasil, Alexey Labetskiy, falou que a operação militar na Ucrânia busca garantir direitos de russos descendentes na Ucrânia, se propor a desmilitarizar o país e defender direitos de estados como Lugansk e Donetsk, regiões separatistas que teriam assinado acordos com a Ucrânia que não foram respeitados, bem como garantir a segurança da Rússia, que estaria comprometida, segundo ele, principalmente pelo avanço da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e a possibilidade da Ucrânia fazer parte desse organismo. “Eu estou convencido que nós podemos e devemos dar a resposta adequada a essas políticas russofóbicas, se não dizer racistas, e que nós vamos encontrar as soluções viáveis, que já começamos a empreender”, disse no Senado Federal na última terça-feira, 5.

Labetskiy ainda afirmou que os russos estão sendo igualmente atacados e que o conflito também é marcado por violência por parte dos ucranianos. “Nós temos 30 estados membros e a estrutura belicista e ofensiva a se aproximar das nossas fronteiras. Então essas promessas nunca foram cumpridas e esta é uma ameaça real à segurança e à estabilidade do nosso país”. O embaixador respondeu que não pode prever o que acontecerá daqui em diante, mas garantiu que a ‘operação especial’ da Rússia um dia terá fim.

O objetivo dos senadores com a audiência é saber detalhes sobre o conflito diretamente dos representantes dos países e analisar as consequências da crise internacional. A senadora Kátia Abreu (PP-TO), presidente da comissão onde o embaixador foi ouvido, destacou a importância das relações comerciais e falou de como a guerra afeta o Brasil. “Além do preço dos fertilizantes, também dos combustíveis. Até que se restabeleça novos contatos, novos comércios, novos países vendedores, isso tudo causa muito prejuízo ao Brasil”, disse ela. A senadora afirmou que o país defende o cessar fogo. Outros senadores também se manifestaram, argumentando a necessidade da suspensão imediata das hostilidades no leste europeu. Nesta quarta-feira, 5, a Comissão de Relações Exteriores do Senado Federal ouve o chanceler brasileiro Carlos França. Também está agendado o depoimento do encarregado de negócios da Ucrânia no Brasil, Anatoliy Tkach. Ele deve falar sobre a crise humanitária e como os outros países ainda podem ajudar.

*Com informações da repórter Katiuscia Sotomayor

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Estragos no RS não são motivo para “liberou geral”, diz Bruno Dantas

Presidente do TCU afirma ver no ministro da Fazenda, Fernando Haddad, um aliado para...

Ex-affair de Buda assume romance com empresária

Após viver um breve affair com o ex-BBB Lucas Henrique, o Buda, Nina Capelly...

Tarcísio inaugura viaduto que liga Osasco à Rodovia Castello Branco

São Paulo – O governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) entregou, neste domingo (19/5), o...

Cidades gaúchas usam bombas de drenagem para escoar água de enchentes

Cidades do Estado do Rio Grande do Sul utilizam bombas de drenagem para escoar...

Mais para você