BAHIA | Assembleia irá definir ações dos policiais civis em protesto aos valores pagos

Nesta quarta-feira(11) policiais civis de Salvador, Região Metropolitana e  do interior baiano realizam Assembleia, das 9hs às 12hs, na sede da Associação dos Funcionários Públicos da Bahia(AFPEB ), localizada na Carlos Gomes, centro da capital baiana, para deliberar um plano estratégico de mobilizações com as seguinte pautas: pagamento imediato da GAPJ IV, com respectivos retroativos para os policiais civis que ainda não estão recebendo, decreto de Promoção permanente (apreciação pelas Entidades e assinatura do governador); Negociação da Reestruturação salarial dos policiais civis entre as Entidades e o Governo; Reajuste linear (2015 a 2017); aumento do auxílio alimentação e auxílio-transporte; Regularização das diárias, horas extras  e dos valores do plantão do Carnaval.

A assembleia pretende confirmar a decisão da categoria de não aderir à escala extraordionária da festa carnavalesca de 2018.  Policiais civis dos municípios de Itabuna, Ilhéus, Valença, Jequié, Itapetinga, Eunápolis, Porto Seguro, Juazeiro, Senhor do Bonfim, Jacobina, Guanambi, Bom Jesus da Lapa e Salvador já assinaram o Requerimento de Desistência, caso o Governo mantenha os mesmos valores pagos na festa momesca do ano passado. O documento já foi encaminhado ao Gabinete da Delegacia- Geral da Polícia Civil.

O Presidente do SINDPOC, Marcos Maurício, destaca que o processo de negociação das pautas reivindicatórias com o Governo do Estado está paralisado. O sindicalista afirma que o Governador Rui Costa adota uma política a qual privilegia alguns grupos políticos, em detrimento de outros, com o objetivo de “enganar o povo” e se reeleger no próximo ano.  “ Essa Assembleia vai ser muito importante para mostrar a força da categoria!O sindicato está fazendo o papel dele que é o de conscientizar e ajudar na mobilização dos policiais civis baianos. Estamos percorrendo todas as delegacias do Estado.

Esse é o momento da pressão, da categoria se unir em torno das demandas que estão pendentes. Nós estamos passando por um momento muito grave e só depende do Governo para sentar e negociar com os servidores que lutam cotidianamente em defesa da sociedade!”, frisa Marcos Maurício, ao garantir que serão planejadas diversas mobilizações  em todo o Estado da Bahia.

O Vice-Presidente do SINDPOC, Eustácio Lopes, salienta que 90% dos Servidores que trabalham no carnaval de Salvador são do interior e os valores pagos pelas diárias e horas extras  não conseguem cobrir as despesas de hospedagem, alimentação e transporte dos policiais. Lopes pontua que os servidores acabam dormindo em abrigos e  viaturas durante a festa carnavalesca.

“As diárias são equivalentes ao nível médio e deveriam ser correspondentes ao nível superior, conforme  Decreto 13.169, de 12 de agosto de 2011, combinado com a Lei Orgânica da Polícia Civil. É um absurdo um  carnaval bilionário como o da Bahia penalizar dessa forma os trabalhadores! Em decorrência dessa falta de diálogo do Governo do Estado  e a ausência de uma negociação em relação às pautas reivindicadas, a categoria resolveu não aderir à escala do carnaval de 2018”, frisa Lopes.

ASCOM SINDPOC Jaqueline Barreto

Deixe seu comentário