Itamaraju: Família acusa HMI de negligência após transferência de paciente

A família do idoso Enoque Domingos Vieira, de 75 anos, que foi transferido para um hospital de Porto Seguro no último domingo (17), vítima de um aneurisma cerebral, acusa o Hospital Municipal de Itamaraju de negligência.

Conforme informações de parentes, o idoso deu entrada no hospital após ter sofrido uma queda. Ele chegou a ser atendido, mais ficou por horas desacordado e sem diagnóstico.

itamaraju - in - polia - 2014-08-15-2

“Quando chegou lá [no HMI] o deixaram deitado. Depois o enfermeiro veio até o quarto e mediu a pressão e deixou-o lá deitado. Ele permaneceu lá desacordado por horas. Depois que vimos que nada tava sendo feito, então tomamos a decisão de transferi-lo para um hospital de Porto Seguro. E lá finalmente ele passou por exames e o diagnostico foi feito”, relatou o filho do idoso, que acompanhou o seu pai no hospital.

A família reclama do atendimento recebido, porque durante o período em que o paciente esteve na unidade, ele ficou desacordado. Depois de muita espera, decidiram tirar o idoso da unidade. E ai iniciou a batalha pela vida do idoso que percorreu por mais de 100 quilômetros.

O sentimento dos parentes é de revolta. Pois eles tiraram o idoso do hospital em um carro particular sem nenhum aparato médico, enquanto duas ambulâncias da unidade estavam estacionadas na frente do hospital. Um familiar chegou a filmar os momentos tristes que a família passou dentro da unidade e quando deixavam o local. O caso já foi encaminhado ao ministério público.

 “É complicado. O município precisa de uma saúde mais adequada, não temos um bom atendimento. O descaso é muito grande e aí acontece isso que ocorreu com meu pai”, disse indignado, o segurança Lindoel Vieira.

A diretora do HMI Cristina Moreau, por telefone informou quando o idoso deu entrada na unidade, os procedimentos de atendimento ao paciente foram corretos.

“O corpo clínico do HMI o atendeu corretamente. Foi feito o primeiro atendimento. Ele chegou a ser atendido por dois médicos e medicado. E logo em seguida foi encaminhado para a observação. Foi quando a família decidiu tirá-lo do hospital”, explica.

Segundo Cristina o hospital irá apurar “as circunstâncias do atendimento realizado ao paciente e verificar possíveis irregularidades”.

Deixe seu comentário