InícioEditorialPolítica NacionalPacheco anuncia comissão no Senado para discutir a reconstrução do RS

Pacheco anuncia comissão no Senado para discutir a reconstrução do RS

Grupo será composto por 8 senadores para buscar ajudar o Estado; Pacheco e Lira ainda esperam orientação do Executivo

O presidente do Congresso Nacional (centro) declarou que ainda não existe definição sobre o instrumento usado pelo Legislativo para auxiliar o Estado Maria Laura Giuliani/Poder360- 6.mai.2024

Maria Laura Giuliani Fabricio Julião 6.mai.2024 (segunda-feira) – 15h53

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse nesta 2ª feira (6.mai.2024) que vai instalar uma comissão externa na Casa Alta para discutir formas de auxiliar a reconstrução do Rio Grande do Sul, afetado pelas fortes chuvas. Segundo o último boletim da Defesa Civil, 83 pessoas morreram no Estado e mais de 800 mil foram afetados. 

Segundo Pacheco, o colegiado será composto pelos 3 senadores do Rio Grande do Sul no Senado, além de 1 congressista de cada bloco partidário. Ao todo, serão 8 senadores.

Eis os senadores gaúchos:

Hamilton Mourão (Republicanos-RS); Paulo Paim (PT-RS); e Ireneu Orth (PP-RS).  O presidente do Congresso Nacional declarou que ainda não existe definição sobre o instrumento usado pelo Legislativo para auxiliar o Estado. Não foi descartada a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) proposta pelo senador Alessandro Vieira (MDB-SE), que facilita a transferência de recursos ao Rio Grande do Sul. 

Pacheco afirmou que vai se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ainda nesta 2ª feira (6.mai). O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), também deve participar do encontro no Palácio do Planalto, em Brasília. Os congressistas vão ouvir de Lula o que o Executivo espera do Legislativo durante esta situação de excepcionalidade.

Há ainda no RS 20.070 pessoas em abrigos, 129.279 desalojadas, 291 feridas e 111 desaparecidas, segundo boletim divulgado às 12h desta 2ª feira (6.mai) pela Defesa Civil. Os temporais atingem os municípios gaúchos desde 28 de abril e afetou 364 das 497 cidades, com 336 em situação de calamidade pública reconhecidas pelo governo federal. 

CALAMIDADE PÚBLICA Segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), alertas de “grande perigo” indicam a ocorrência de fenômenos meteorológicos de intensidade excepcional. Nesta faixa, há possibilidade de grandes danos e acidentes e riscos para a integridade física ou mesmo à vida humana.

Parte do sudeste e do sudoeste do Estado estão sob grau de perigo por conta da tempestade. As chuvas serão de 30 a 60 mm/h (milímetros por hora), com ventos de 60 a 100km/h. Há riscos de alagamentos, corte de energia elétrica, estragos em plantações e queda de árvores na região. Já a porção centro-ocidental está sob alerta de perigo potencial, com riscos menores de danos e corte de energia elétrica.

Na 5ª feira (2.mai), o governo federal reconheceu estado de calamidade pública no Estado, depois de o governador Eduardo Leite (PSDB) decretar o status.

O tucano tem pedido ajuda financeira para a União. No domingo (5.mai), solicitou a suspensão do pagamento da parcela mensal da dívida do Estado, de R$ 3,5 bilhões, pelo período que durar a reconstrução dos danos causados pelas chuvas. O pedido faz parte do planejamento para restaurar a infraestrutura e aquecer a economia local.

Leite também pediu excepcionalidade no envio de recursos ao Estado e disse que restrições fiscais atrapalham o trabalho estadual na região. Falou ainda na necessidade de um “Plano Marshall” para ser o Estado ser reconstruído, em referência à ajuda oferecida pelos Estados Unidos para reconstrução dos países europeus afetados na 2ª Guerra Mundial (1939-1945).

MOBILIZAÇÃO NO RS Lula voltou ao Rio Grande do Sul no domingo (5.mai) para acompanhar os danos causados pela tragédia. Teve reunião com Leite e com o prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB). Lira, Pacheco, o presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), Bruno Dantas, e o vice-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Edson Fachin, participaram. Outros 13 dos 38 ministros também.

Na ocasião, o presidente falou que governo irá ajudar na reconstrução das estradas destruídas pelos impactos das chuvas. Na visita anterior ao Estado, na 5ª feira (2.mai), disse que não faltarão esforços e nem recursos por parte do governo para auxiliar na situação.

Segundo números compartilhados nas redes sociais pela Casa Civil, chefiada por Rui Costa, o Executivo federal disponibilizou R$ 928 milhões via Ministério do Desenvolvimento Social para o RS:

R$ 414 milhões: antecipação do Bolsa Família; R$ 355,7 milhões: BPC (Benefício de Prestação Continuada); R$ 50 milhões: PAA (Programação de Aquisição de Alimentos); R$ 46 milhões: Fomento Rural; R$ 18,8 milhões: Antecipação e cofinanciamento Rede Suas (Sistema Único de Assistência Social) R$ 18,7 milhões: Auxílio Gás; R$ 15,4 milhões: 97.000 cestas básicas; e R$ 10 milhões: Auxílio Abrigamento.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Brasileiros preferem Michelle a Janja, diz Paraná Pesquisas

Dos entrevistados, 43% dizem gostar mais da ex-primeira-dama do que da atual; 16% não...

Exclusivo: prima de cantora famosa estará em game show da Record

As gravações do novo game show da Record, o Acerte ou Caia, que será...

Entidade israelista no Brasil critica Lula: “Michel ficou para trás”

Instituições e movimentos israelitas no Brasil divulgaram notas em que lamentam a morte do...

Mais para você