InícioEditorialPolítica NacionalPlanalto vê Prates fragilizado na Petrobras, mas descarta saída em 2023

Planalto vê Prates fragilizado na Petrobras, mas descarta saída em 2023

Foto: Reuters

Presidente da Petrobras, Jean Paul Prates 22 de novembro de 2023 | 22:00

Integrantes do Palácio do Planalto veem o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, fragilizado à frente da companhia, mas descartam a possibilidade de ele deixar o posto neste ano.

De acordo com interlocutores do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), há insatisfação com a gestão do ex-senador na empresa pela falta de clareza na política de preços e também por discordâncias sobre o plano de investimentos da estatal.

Segundo integrantes da Petrobras, Lula quer ampliar o número de obras a serem inauguradas antes da eleição de 2026 e que gerem grande quantidade de empregos.

Um dos pontos em debate seria a conclusão das obras da fábrica de fertilizantes de Mato Grosso do Sul, que a Petrobras previa para 2028 -depois, portanto, da próxima eleição presidencial (2026).

Há ainda a perspectiva de entrega de menos navios do que os 25 anunciados no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

O presidente da Petrobras foi duas vezes ao Palácio do Planalto nesta semana, na terça-feira (21) e nesta quarta (22), para explicar o plano estratégico prestes a ser fechado. A divulgação da proposta está prevista para até sexta (24).

Nos dois encontros, estiveram presentes Fernando Haddad (Fazenda), Rui Costa (Casa Civil) e Alexandre Silveira (Minas e Energia), além do próprio Lula.

Os valores praticados pela estatal também alimentam os embates. De um lado, há a ala do governo que quer baixar o preço dos combustíveis –incluindo Silveira e os ministros Celso Sabino (Turismo) e Silvio Costa Filho (Portos e Aeroportos), preocupados com o impacto do querosene nas passagens aéreas.

De outro lado, Prates é defendido pela equipe de Haddad, que diz que o país não está vivendo um momento para justificar ajuste ou redução no preço dos combustíveis, e que isso não pode ser feito sob pressão política.

Um interlocutor chegou a comparar com a discussão sobre a meta fiscal. Ele diz que forçar a barra para reduzir os preços neste momento pode tirar a credibilidade da companhia.

A expectativa de integrantes do Planalto é que Lula aproveite o final do ano para fazer um balanço de sua gestão. É nesse contexto, avaliam auxiliares do presidente, que Prates poderia acabar mal e eventualmente demitido em uma reforma no ano que vem.

Nos últimos dias, o discurso público de Prates e do ministro Silveira, com quem vem tendo embates públicos, foi amenizado. Após a primeira reunião no Planalto, na terça, o presidente da empresa disse a jornalistas no Palácio do Planalto que não tratou sobre preço de combustíveis. Ele afirmou, inclusive, que nem poderiam ser mudados os valores praticados a “pedido”.

“Essa coisa não funciona assim, não é pedido. Não existe esse pedido efetivo. Estamos praticando, seguramos um tempo com estabilidade ao longo do período de muita oscilação”, afirmou.

Jean Paul também disse que é natural ir ao Planalto discutir o plano estratégico da companhia com o presidente.

Já Silveira, ministro que comanda a pasta à qual está ligada a Petrobras, disse nesta quarta que “está tudo bem” e que o objetivo das discussões é fazer o Brasil crescer e gerar emprego e renda.

Antes disso, Silveira fez críticas públicas e foi respondido por Prates pelo X, antigo Twitter, em uma sequência de cinco postagens.

“Para que o MME, órgão da União, possa orientar a Petrobras a baixar os preços de combustíveis diretamente, será necessário seguir a Lei 13.303/16 [Lei das Estatais] e o Estatuto Social”, afirmou Prates.

Ele chegou a citar pontos como, por exemplo, que a União deve orientar a Petrobras por um ato normativo, e que a proposta deve ser submetida ao Comitê de Investimentos e ao Comitê de Minoritários, que vai avaliar se as condições a serem assumidas pela companhia requerem que a União compense pela diferença.

“A Petrobras merece uma gestão verdadeiramente preocupada com seu futuro e com o futuro do Brasil e do planeta, e todos os dias agradeço pela confiança depositada em mim e na diretoria que me acompanha nesta jornada desafiadora”, disse o presidente da empresa no X.

Marianna Holanda, Julia Chaib, Victoria Azevedo e Nico Pamplona / Folhapress

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Comissão dos EUA diz que Moraes “censura” oposição ao governo Lula

Relatório de deputado pró-Trump diz que ministro do STF tenta “forçar” o X (ex-Twitter)...

Ato de Bolsonaro no Rio no dia 21 terá governadores e parlamentares: veja quem vai

Foto: Divulgação Jair e Michelle Bolsonaro 17 de abril de 2024 | 21:45 ...

Veja momento em que câmeras espiãs são encontradas em casa de deputada

Um vídeo mostra o momento em que as câmeras instaladas no apartamento alugado pela...

Campos Neto diz que mudança na meta afeta política monetária

“Quando tem problemas de credibilidade em algum dos lados, afeta o outro”, afirma em...

Mais para você