InícioEditorialPolícia prende membros de grupo que aplicava ‘golpe dos nudes’ no Rio...

Polícia prende membros de grupo que aplicava ‘golpe dos nudes’ no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul, em apoio com a Polícia Civil de Santa Catarina, deflagrou a Operação Cantina nesta segunda-feira, 29, visando desarticular uma organização criminosa que praticava diversos crimes, como lavagem de dinheiro, tráfico de drogas, porte ilegal de munições e armas de fogo, extorsões e corrupção de menores. A operação foi deflagrada nas cidades de Porto Alegre, Canoas, Cacheirinha, Gravataí, Alvorada, Viamão, Tramandaí e Imbé, no Rio Grande do Sul, e em Florianópolis, capital de Santa Catarina, com o cumprimento de 102 ordens judiciais cumpridas por 150 policiais civis. Segundo a Polícia Civil gaúcha, 31 pessoas foram presas durante a ação. Segundo o delegado responsável pelo caso, Rafael Liedtke, as investigações começaram há 11 meses, com a prisão em flagrante de um homem em Cachoeirinha. A partir desta prisão, foi descoberta a existência de uma organização criminosa bem estruturada e que especializou em cometer estes tipos de delito no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Segundo apuração da polícia, a organização é braço de uma facção criminosa que atua no Estado e um de seus líderes já esteve preso em presídios da Capital, onde atuou como cantineiro e fez contato com outros membros de facções. Com esse contato, ele utilizava outros criminosos para ajudar na prática do chamado “golpe dos nudes“.

O grupo criminoso contatava homens de classe média e alta por meio de perfis falos de mulheres mais jovens, visando conseguir fotos íntimas das vítimas. Com o material em mãos, os criminosos começavam a extorquir as vítimas, se passando até por delegados de polícia. “O esquema era perfeitamente delineado, com vasto material que auxiliava na ilusão das vítimas e que era transmitido entre os criminosos. Para a produção do material, os investigados inclusive aliciavam adolescentes, que mandavam fotografias, áudios e vídeos sob remuneração e até mesmo sob ameaças”, disse Liedtke. Em um segundo momento, o grupo receptava as extorsões através de pessoas aliciadas pela organização. O dinheiro era pulverizado entre laranjas pagos pelo grupo, até que o dinheiro retornasse aos responsáveis pela extorsão. Ainda de acordo com a polícia, p dinheiro era usado para sustentar uma vida de luxo dos líderes e para pagar outros criminosos presos e que usavam dinheiro para obter regalias nas cantinas de presídios. Uma parte do lucro era responsável por retroalimentar o tráfico de drogas e de armas.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Em despedida do TSE, Moraes diz que atuou contra o “populismo digital”

Sem citar nomes, ministro afirmou que a Corte não se “acovardou” mesmo com críticas...

“70% de certeza”, diz ex-affair sobre possível paternidade de Buda

Nina Capelly, prima de MC Binn, descobriu recentemente que está esperando um bebê. A...

Irmã de Gisele Bündchen decidirá sobre socorro do governo Lula ao RS

Instagram/Reprodução 1 de 1 Gisele Bündchen posa de look marrom e cabelos soltos para...

Mais para você