InícioEditorialPolítica Nacional"Rachadinha" é "corrupção", disse Boulos em 2021

“Rachadinha” é “corrupção”, disse Boulos em 2021

Deputado é autor do relatório que defendeu o arquivamento do processo de cassação de Janones (Avante-MG) pela prática

O deputado Guilherme Boulos (foto) criticou o caso das “rachadinhas” da família Bolsonaro em 2021 Sérgio Lima/Poder360 – 04.out.2023

PODER360 5.jun.2024 (quarta-feira) – 23h00

O deputado federal Guilherme Boulos (Psol-SP), autor do relatório que pediu o arquivamento do pedido de cassação de André Janones (Avante-MG) por suposta “rachadinha” (repasse de salário), disse em 2021 que a prática é “corrupção” e passível de prisão.

No parecer apresentado nesta 4ª feira (5.jun.2024) na Comissão de Ética da Câmara, o pré-candidato à Prefeitura de São Paulo disse que o episódio se passou na legislatura anterior e não no atual mandato de Janones e que há precedentes pelo arquivamento. 

“Não há justa causa para o presente feito. A representação do PL traz fatos antes de o representado ser deputado federal. O Judiciário fará seu trabalho”, afirmou o psolista.

Na votação desta 4ª (5.jun), Boulos disse que o relatório não discutia o “mérito” da suposta “rachadinha”. “Essa não é a discussão que o relatório faz e esse conselho está fazendo, essa é a discussão que a Justiça fará, e deve fazer”, declarou o congressista.

Em 2021, quando Boulos criticou a “rachadinha”, referia-se ao caso da família do então presidente Jair Bolsonaro (PL) e do ex-assessor Fabrício Queiroz. 

“Rachadinha é corrupção. E mais de tantas razões para Bolsonaro ir para a cadeia”, declarou em seu perfil no X (ex-Twitter) em 27 de outubro de 2021.

À época, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) era acusado pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) de liderar um esquema de “rachadinha” no seu antigo gabinete na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). A prática consiste no recolhimento de parte do salário dos funcionários.

Investigadores afirmam que foram desviados R$ 6,1 milhões. O operador do esquema teria sido de Queiroz, policial militar aposentado e então braço direito de Flávio.

O senador era sócio de uma loja de chocolates que, segundo as investigações do MP-RJ, havia a suspeita de ter sido usada para lavagem de dinheiro obtido na “rachadinha”.

Os balanços financeiros da loja foram analisados e, de acordo com o MP, a contabilidade não refletiu o aumento de vendas esperado na quinzena que antecede a Páscoa. O congressista chegou a entregar o estabelecimento depois das investigações.

A denúncia foi arquivada pelo TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) em 16 de maio de 2022.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Lira recua e diz que PL “antiaborto” fica para o 2º semestre

Presidente da Câmara diz que criará uma “comissão representativa” para debater o texto após...

Conheça os benefícios do tomógrafo para a saúde de Teixeira de Freitas

O Hospital Municipal de Teixeira de Freitas permanece de portas abertas para promover conforto,...

Irritada, Rafa Kalimann dá fora em internauta: “Se fazem de bestas”

Rafa Kalimann não quer saber de ser criticada por seu papel em Família é...

Polêmica: Lira decide debater PL do Aborto somente no próximo semestre

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), decidiu, nesta terça-feira (18/6) votar...

Mais para você