InícioEditorialPolítica NacionalRegra que limita trabalho ao feriado depende de discussões, diz Marinho

Regra que limita trabalho ao feriado depende de discussões, diz Marinho

A vigência da medida já foi adiada 3 vezes; em teoria, passaria a valer em 1º de agosto

Luiz Marinho falou ao Poder360 durante evento “Transformar Juntos 2024”, em Brasília Sérgio Lima/Poder360 – 24.jul.2023

Diane Bikel 9.jul.2024 (terça-feira) – 15h07

O ministro Luiz Marinho (Trabalho) disse ao Poder360 que a entrada em vigor da portaria que limita trabalho aos domingos e feriados segue em aberto. A vigência da medida já foi adiada 3 vezes. Em teoria, agora passaria a valer em 1º de agosto.

Falou que a validade da medida depende “do entendimento das centrais com o parlamento”. O processo ainda passará por reuniões e discussões com os sindicatos, segundo ele. Por esse motivo, ainda não está confirmada a vigência a partir de agosto. O ministro não confirmou se já tem agenda sobre o assunto.

O texto foi publicado originalmente em novembro de 2023, quando estabeleceu que o funcionamento do setor em domingos e feriados precisaria de autorização negociada por meio de uma convenção coletiva entre a categoria e os empregadores.

A reação negativa de empresas e congressistas à decisão fez com que o governo federal desse um passo para trás e suspendesse a portaria.

Eis o resumo:

13 de novembro de 2023: ministério publica a portaria; 22 de novembro de 2023: governo suspende portaria depois de decisão do Congresso de derrubar o texto; e adia por 90 dias o início de sua validade. Passaria a valer em 1º de março; 27 de fevereiro de 2024: governo adia mais 90 dias o início de validade do texto. Passaria a valer em 1º de junho; 27 de maio de 2024: 5 dias antes de ter início oficial, o Ministério do Trabalho adiou a portaria por novos 90 dias. A data definida é 1º de agosto. A medida original alterava uma regra do governo de Jair Bolsonaro (PL) de 2022, que liberou o funcionamento do setor aos domingos e feriados sem negociação com os trabalhadores. Nesta regra, não era obrigatório haver quaisquer documentos assinados pelas partes envolvidas. Só seria necessário um comunicado ao trabalhador, desde que a empresa cumprisse a legislação trabalhista de horas extras.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Elon Musk diz que filha “morreu” após transição de gênero

Bilionário declara ter sido enganado para autorizar a redesignação de Vivian Jenna Wilson ...

Democratas buscam consolidação, mas Kamala enfrenta desafios. Entenda

Com a desistência de Joe Biden em disputar a presidência dos Estados Unidos ocorrida no...

20 fatos confirmados sobre o algoritmo do YouTube que você precisa saber

O algoritmo do YouTube tem se concentrado em proporcionar uma experiência agradável aos espectadores,...

Mais para você