InícioEditorialPolítica NacionalSaiba como será o governo de coabitação na França se Macron perder

Saiba como será o governo de coabitação na França se Macron perder

Situação se dá em momentos em que o partido ou coalizão do presidente da França não consegue a maioria dos assentos na Assembleia Nacional

Nos casos de maioria na assembleia da direita ou da esquerda, Emmanuel Macron (foto), de centro, terá seus poderes reduzidos Flickr @European Parliament – 19.jan.2022

José Luis Costa 7.jul.2024 (domingo) – 6h01

A coalizão Juntos, do presidente Emmanuel Macron, não deve obter maioria nas eleições deste domingo (7.jul.2024) para a Assembleia Nacional da França. Caso a expectativa se confirme, o país passará por um fenômeno chamado “governo de coabitação”.

A coabitação existe em caso de o partido ou coalizão do presidente da França não possuir maioria na Assembleia Nacional. Nessa situação, o presidente, de maneira não obrigatória, nomeará um primeiro-ministro que satisfaça a maioria dos deputados.  

Desde o início da 5ª República Francesa, em 1958, o país passou por essa situação em 3 oportunidades: 

1986 – François Mitterrand (esquerda) presidente e Jacques Chirac (direita) primeiro-ministro; 1993 – Mitterrand presidente e Édouard Balladur (direita) primeiro-ministro; 1997 – Chirac presidente e Lionel Jospin (esquerda) primeiro-ministro. Assim, caso o RN (Reagrupamento Nacional, direita) obtenha maioria absoluta na Assembleia Nacional, é esperado que o presidente Macron (centro) nomeie para assumir o cargo de premiê Jordan Bardella (direita), com a França passando por sua 4ª coabitação desde 1958. No entanto, caso a coalizão Nova Frente Popular (esquerda) consiga a maioria, Olivier Faure deverá ser o próximo chefe de Governo.

Em ambos os casos, em que a direita ou a esquerda vença, Macron, por ser o chefe de Estado, terá seus poderes reduzidos. Dentre as restrições, ele não poderá dissolver a Assembleia Nacional até 1 ano antes da última eleição e não nomeará os ministros do próximo governo. 

O próximo premiê, por outro lado, será responsável por governar o país internamente na ausência do presidente, escolherá ministros e desenvolverá suas políticas de maneira independente do Executivo.

Dessa forma, em situações em que ambos tenham discordâncias sobre o governo, as decisões do primeiro-ministro terão primazia, tornando as convicções de Macron obsoletas.  

Porém, apesar das possíveis diferenças políticas entre o próximo primeiro-ministro e Macron, é esperado ambos tenham consenso na escolha do próximo ministro da Defesa e das Relações Exteriores, tal como foi feito nos períodos anteriores de coabitação.

Esta reportagem foi produzida pelo estagiário de jornalismo José Luis Costa sob supervisão do editor-assistente Ighor Nóbrega.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Diretora do Serviço Secreto dos EUA é intimada pelo Congresso

Kimberly Cheatle confirma que testemunhará na sessão marcada por comitê republicano para a próxima...

Laudos de câncer atrasados chegam a 1 mil e HUB pede ajuda a hospitais

A Divisão de Apoio Diagnóstico e Terapêutico (DADT) do Hospital Universitário de Brasília (HUB-UnB)...

“Tudo bem corintiano bater em mulher, Lula?”, diz Ciro Nogueira

Senador afirma ser “inaceitável” fala do presidente “perdoando” violência doméstica praticada por torcedores do...

Sem furar bolha da esquerda, Boulos anuncia 8º partido em coligação

São Paulo – Polarizando com o prefeito Ricardo Nunes (MDB) nestas eleições, o deputado...

Mais para você