InícioEditorialPolítica NacionalSindicato da Abin pede comando próprio desvinculado do governo

Sindicato da Abin pede comando próprio desvinculado do governo

PF divulgou nesta 5ª feira (25.jan) relatório que aponta suposta instrumentalização da agência durante gestão de Bolsonaro

Em nota, funcionários da Abin chamaram a gestão do ex-diretor e atual deputado federal Alexandre Ramagem (foto) de “problemática” Sérgio Lima/Poder360 – 16.dez.2020

Caio Vinícius Anna Júlia Lopes 25.jan.2024 (quinta-feira) – 17h29

Depois que a PF (Polícia Federal) divulgou nesta 5ª feira (25.jan.2024) um relatório que aponta suposta instrumentalização da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), a Intelis (União dos Profissionais de Inteligência de Estado da Abin) publicou nota com um pedido para que a agência tenha um comando próprio, desvinculado do governo federal.

De acordo com o sindicato, se a investigação da PF for confirmada, o caso mostra a importância da agência ser gerida pelo seu próprio “corpo funcional”, e não por “atores exôgenos politicamente condicionados, como no governo anterior”.

“Reafirmamos a confiança nos profissionais de carreira da Abin, que são os maiores interessados na apuração republicana sobre eventuais desvios ou mau uso das ferramentas de inteligência –semelhantes às utilizadas nos sistemas de inteligência de democracias consolidadas. A inteligência de Estado tem que ser preservada do debate político-partidário, e os profissionais de carreira precisam ser valorizados”, diz a nota. Eis a íntegra (PDF – 148 kB).

O documento chama a gestão do ex-diretor e atual deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ) de “problemática” e pede respeito pelos profissionais da agência.

ENTENDA A PF indicou que a gestão de Alexandre Ramagem na Abin teria “instrumentalizado” a agência para fins políticos. O deputado foi alvo de buscas em seu gabinete na Câmara dos Deputados e em seus endereços em Brasília nesta 5ª feira (25.jan) em uma operação que apura suposta espionagem ilegal realizada pela Abin.

Ramagem chefiou o órgão na gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro de julho de 2019 até março de 2022, quando deixou o cargo para concorrer a uma vaga na Câmara.

Segundo trechos da petição encaminhada ao ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), durante a gestão de Ramagem, políticos e autoridades foram monitorados pela agência. Eis a íntegra (PDF – 313 kB).

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Como ser um bom goleiro?

Ser um bom goleiro no futebol é uma tarefa desafiadora que exige habilidades técnicas,...

Como abrir uma agência de viagens?

Abrir uma agência de viagens pode ser uma ótima oportunidade para empreendedores apaixonados por...

Como atrair clientes para loja?

Atrair clientes para a sua loja é essencial para o sucesso de qualquer negócio....

Como saber se tenho TOC?

O Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) é uma condição de saúde mental caracterizada por pensamentos obsessivos...

Mais para você