InícioEditorialPolítica NacionalSTF forma maioria pela condenação de segundo réu do 8 de Janeiro

STF forma maioria pela condenação de segundo réu do 8 de Janeiro

O relator do processo, Alexandre de Moraes, propôs pena de 14 anos a Thiago de Assis Mathar por cinco crimes; julgamento foi temporariamente suspenso pela ausência de Luiz Fux

Carlos Moura/SCO/STF

Julgamento ocorre na tarde desta quinta-feira, 14

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria para condenar o segundo réu dos atos de 8 de Janeiro, Thiago de Assis Mathar, em julgamento realizado nesta quinta-feira, 14. O ministro Alexandre de Moraes, relator da matéria votou pela condenação de Mathar, com sentença de 14 anos de prisão por associação criminosa armada, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado pela violência e grave ameaça, com emprego de substância inflamável, contra o patrimônio da União e com considerável prejuízo para a vítima e deterioração de patrimônio tombado. O ministro Nunes Marques abriu a divergência e votou apenas pela condenação de dois crimes: dano qualificado contra o patrimônio da União e deterioração de patrimônio tombado. Cristiano Zanin acompanhou o relator, mas sugeriu a condenação por 11 anos de prisão.

Já André Mendonça aconselhou apenas a acusação de atentado contra Estado Democrático de Direito e propôs uma pena de 4 anos e 2 meses. Na sequência, os ministro Edson Fachin seguiu o entendimento do relator na íntegra, concordando de forma breve. A maioria foi formada com o voto de Luis Roberto Barroso, que concordou com o relatório de Alexandre de Moraes, mas sugeriu pena de 9 anos. Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Rosa Weber e Dias Toffoli se pronunciaram brevemente e seguiram plenamente o entendimento do relator. O julgamento foi temporariamente suspenso pela ausência do ministro Luiz Fux.

Durante a defesa do acusado, o advogado Hery Waldir Kattwinkel Júnior criticou a atitude do ministro Alexandre de Moraes, relator do processo, em relação às pessoas envolvidas das manifestações. “Eu vejo que o ministro Alexandre de Moraes inverte o papel de julgador aqui nesta Corte. Ele passa de julgador a acusador. É um misto de raiva com rancor, com pitadas de ódio, quando se fala dos patriotas”, afirmou o jurista. A fala não foi bem recebida pelo ministro, que fez uma reprimenda dura a Kattwinkel. “É patético e medíocre que um advogado suba à tribuna do Supremo Tribunal Federal com um discurso de ódio, para postar depois nas redes sociais que veio agredir o Supremo Tribunal Federal. Talvez pretendendo ser vereador do seu município no ano que vem”, analisou. Kattwinkel chegou a ser candidato a deputado estadual por São Paulo nas eleições de 2022 e ficou como suplente.

O acusado é produtor rural na cidade de Penápolis, em São Paulo, e alega que viajou a Brasília em ônibus fretado para manifestação pacífica. Segundo Mathar, ele entrou no Palácio no Planalto apenas para se proteger de tiros e bombas disparados pela Polícia. Mais cedo na mesma sessão, a Corte formou maioria para condenar Aécio Lúcio Costa Pereira, primeiro réu pelos atos do 8 de Janeiro, por cinco crimes incluindo tentativa de golpe de Estado. Ele foi condenado a 17 anos de prisão, multa de R$ 44 mil ao Fundo Penitenciário Nacional e pagamento de R$ 30 milhões em danos morais pela depredação de prédios públicos.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Ninguém cruza a linha sem pagar o preço, diz China sobre Taiwan

Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores apela aos EUA para refletir “profundamente” sobre seu...

Lira indica data para anunciar seu candidato a presidente da Câmara

IGO ESTRELA/METRÓPOLES @igoestrela 1 de 1 imagem colorida mostra arthur lira - Metrópoles...

Presidente da Petrobras diz que ainda vai avaliar dividendos

Em fala a jornalistas, Magda Chambriard despista sobre distribuição dos proventos, mas garante que...

MPRJ perto de denunciar (ou livrar) Carlos Bolsonaro por rachadinha

A investigação da suposta rachadinha no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro chegou à reta...

Mais para você