InícioEntretenimentoTecnologiaTelegram: as mudanças que levaram STF a liberar aplicativo no Brasil

Telegram: as mudanças que levaram STF a liberar aplicativo no Brasil

Em menos de uma semana, a relação institucional entre o Brasil e o Telegram, um dos aplicativos de mensagem mais populares no país, teve mudanças bastante substanciais.

  • STF revoga bloqueio do Telegram após aplicativo atender às exigências da Justiça

Na quinta-feira (17/03), uma ordem judicial do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes funcionou como um ultimato para a companhia, que evitou por vários meses qualquer tipo de contato com entidades do Judiciário brasileiro.

 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), responsável pela condução das eleições brasileiras, pediu por meses colaboração do Telegram para combater a propagação de fake news em canais de conteúdo político.

 

O Ministério Público Federal, que atua sobre crimes cometidos na internet, queria discutir por sua vez mecanismos contra delitos como pornografia infantil e venda de armas dentro da plataforma.

 

Cartas judiciais foram ignoradas. Uma correspondência enviada para a sede da empresa em Dubai chegou a ser devolvida para o TSE.

 

Alexandre de Moraes determinou, então, a pedido da Polícia Federal, que a operação do Telegram fosse suspensa no Brasil sob a justificativa de que a companhia não respeitava medidas judiciais.

 

Horas depois da divulgação da decisão do ministro do Supremo, na sexta (18/03), o diretor-executivo da companhia, o russo Pavel Durov, divulgava um pedido de desculpas e começava a cumprir as ordens estabelecidas por Moraes.

 

No domingo, o ministro revogou a ordem de bloqueio e permitiu o funcionamento do aplicativo. Veja abaixo quais foram as medidas estabelecidas por Moraes que foram atendidas pelo Telegram:

Um representante no Brasil

A companhia nomeou o advogado Alan Campos Elias Thomaz, da Campos Thomaz & Meirelles Advogados, como figura legal no país. No currículo divulgado no site da firma, Thomaz apresenta especializações em lei digital, privacidade e proteção de dados.

 

Na resposta ao STF, o Telegram diz que “Alan tem experiência anterior em funções semelhantes, além de experiência em direito e tecnologia, e acreditamos que ele seria uma boa opção para essa posição enquanto continuamos construindo e reforçando nossa equipe brasileira. Alan Campos

Elias Thomaz tem acesso direto à nossa alta administração, o que garantirá nossa capacidade de responder as solicitações urgentes do Tribunal e de outros órgãos relevantes no Brasil em tempo hábil”.

 

Heloisa Massaro, diretora do InternetLab, um centro de pesquisa brasileiro sobre direito e tecnologia, diz que “a indicação de um representante é um sinal dado pela empresa de que ela está disposta a pelo menos iniciar um diálogo com autoridades, um canal principalmente no âmbito judicial”.

 

“Isso tudo é diferente de ter uma política dentro da empresa para buscar entender como o aplicativo é usado no país, desenvolver políticas para isso e abrir um diálogo com a sociedade civil”, afirma Massaro. “De qualquer forma, a concretização desse canal de diálogo vai nos permitir entender como será a postura da plataforma.”

 

À BBC News Brasil, a firma disse: “Informamos que o escritório Campos Thomaz Advogados não comenta os casos envolvendo os seus clientes, incluindo o Telegram”.

 

O escritório Araripe & Associados, com sede no Rio de Janeiro, já fazia representação do Telegram há sete anos.

 

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, documentos davam poder ao escritório para “obter e defender direitos relativos a propriedade industrial”. A atuação, disse a firma, é exclusivamente em assunto de propriedade intelectual.

Medidas para combater desinformação

Monitoramento: o Telegram prometeu monitorar os 100 canais mais populares no Brasil.

 

A plataforma tem uma característica particular de dar espaço para a criação de canais com até 200 mil usuários, abertos a participação, e listas de transmissão sem limite de número de usuários em que apenas o criador desses espaços faz divulgações e anúncios. O WhatsApp, por exemplo, decidiu criar limitações para essas modalidades diante das críticas sobre a propagação de fake news na plataforma.

 

O Telegram disse ao STF que “como esses 100 principais canais respondem por mais de 95% de todas as visualizações de mensagens públicas do Telegram no Brasil, acreditamos que essa medida será impactante, pois nos permite identificar informações perigosas e deliberadamente falsas no Telegram com mais eficiência”.

 

Alertas em outros sites: a empresa declarou que sua equipe foi instruída para acompanhar posts do Twitter e de outras redes sociais sobre conteúdo dentro do Telegram potencialmente problemático. Haverá “resumos diários” para ajudar na moderação de conteúdo.

 

“Acreditamos que se tivéssemos monitorado a mídia no Brasil antes, a crise atual poderia ter sido evitada”, diz a carta ao STF.

 

“Isso é um primeiro sinal de que a plataforma está disposta a cooperar”, afirma Massaro, do InternetLab.

 

“Agora, é uma escolha do Telegram não ter desenvolvido grandes estruturas de moderação de conteúdo como outras plataformas. Não existe atualmente transparência sobre isso. Não há uma política robusta, organizada e completamente clara sobre a identificação dos conteúdos. A atual manifestação do Telegram foi uma resposta a uma ordem judicial. Vamos ver daqui para frente a implementação dessas políticas”, analisa.

 

Postagens marcadas: “Nas últimas 24 horas, integramos meios técnicos para marcar postagens específicas em canais um-para-muitos [listas de transmissão] como potencialmente contendo informações imprecisas. Esses avisos agora podem ser adicionados ao final de qualquer mensagem no Telegram e também permanecerão visíveis quando essas mensagens forem encaminhadas do canal para bate-papos privados ou em grupo”, detalha a plataforma.

 

Parceria com agências de checagem: a empresa diz que está “estabelecendo relações de trabalho com importantes organizações de checagem de fatos no Brasil, como Agência Lupa, Aos Fatos, Boatos.org e outras”. O trabalho dessas agências será usado no trabalho de marcação de postagens com potencial de desinformação descrito acima.

 

Uma das agências afirmou à BBC News Brasil que o Telegram fez um contato inicial para ter detalhes de como é feito o trabalho de checagem e se há interesse da agência em participar de um programa para combate à desinformação.

 

Restrição de usuários banidos: a companhia afirmou que criou uma solução técnica para restringir permanentemente atores envolvidos na disseminação de desinformação. Essa foi uma das principais questões que levaram à determinação de Alexandre de Moraes de bloquear o aplicativo no Brasil.

 

O ministro do STF havia pedido o bloqueio de perfis ligados ao blogueiro Allan dos Santos, atualmente foragido nos EUA, e informações sobre monetização e doações aos seus canais. Parte do pedido foi atendido em fevereiro, mas Moraes sustentou que o Telegram não tomou providências quanto a criação de perfis substitutos por Allan dos Santos.

 

Promoção de informações verificadas: haverá destaque, segundo o Telegram, para informações verificadas dentro da plataforma.

 

A companhia diz que elas “podem potencialmente salvar vidas e melhorar a saúde pública, como fatos confiáveis relacionados ao Covid 19” e que “estamos explorando as parcerias certas para executar essa habilidade”.

 

O Telegram disse também que atualizará os termos de serviço para refletir essas medidas e que fará uma análise das leis aplicáveis no Brasil para adotar melhores práticas de moderação de conteúdo.

Remoção de conteúdo e de perfil

O Telegram removeu os links no canal oficial do presidente Jair Bolsonaro (PL) que permitem baixar documentos de um inquérito sigiloso e não concluído da Polícia Federal.

 

Essa investigação da PF diz respeito à invasão do sistema do Tribunal Superior Eleitoral. Não há evidências de que houve comprometimento as urnas eletrônicas, como sustenta Bolsonaro.

 

Em seu mandato, o presidente, sem apresentar provas coloca em dúvida as seguranças das urnas e faz defesa do voto impresso nas eleições presidenciais deste ano.

 

Foi também bloqueado, como determinado, o canal do jornalista Cláudio Lessa, que é servidor da Câmara dos Deputados e fazia em seus canais elogios ao presidente e divulgava ataques a opositores da base bolsonarista.

 

Ele chegou a ser processado pelo Governo da Bahia durante a pandemia por mostrar imagens de hospitais superlotados, atribuindo à rede pública baiana, sendo que eram de Alagoas.

 

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Grupo que matou jovem fez outra vítima com “mesmo modus operandi”

Os envolvidos na morte do vendedor Matheus Silva Cruz (foto em destaque), 23 anos,...

Rio de Janeiro decreta epidemia de dengue

O Estado do Rio de Janeiro decretou nesta quarta-feira, 21, epidemia de dengue em...

Tudo acordado com o Executivo sobre emendas foi sancionado, diz Haddad

“Isso foi reconhecido pelo próprio Arthur Lira”, afirma o ministro da Fazenda em relação...

Marta estreia na campanha de Boulos em reduto onde ajudou rival tucano

São Paulo – De volta ao PT, a ex-prefeita paulistana Marta Suplicy fará, nesta...

Mais para você