InícioEditorialPolítica NacionalTodas as sedes permanentes das Olimpíadas de Paris estão prontas

Todas as sedes permanentes das Olimpíadas de Paris estão prontas

A 100 dias da cerimônia de abertura, estruturas provisórias ainda serão instaladas; só 4% dos franceses pretendem acompanhar presencialmente

A 100 dias para a cerimônia de abertura das Olimpíadas de Paris, todas as obras permanentes construídas para o evento já estão concluídas. Foram entregues 6 projetos fixos em Paris, Saint-Denis, Le Bourget, Vaires-sur-Marne e no Taiti (Polinésia Francesa).

Ainda é preciso montar as estruturas provisórias, que ficarão instaladas somente durante o período dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, de 26 de julho a 8 de setembro. Estas somam 10 adaptações na capital francesa e em Versalhes, Villepinte, Nanterre e Montigny-le-Bretonneux. 

Uma das premissas das Olimpíadas deste ano é a redução da emissão de carbono durante a produção. Para isso, os organizadores optaram por utilizar instalações provisórias ou que necessitavam de reformas em 95% dos espaços.

“Além de reduzir o seu impacto no clima, Paris 2024 quer pensar maior e ir mais longe, contribuindo para a luta contra as alterações climáticas através do apoio a projetos que visam proporcionar benefícios ambientais, a fim de compensar mais emissões do que as criadas pelos Jogos”, afirma o site oficial dos Jogos Olímpicos.

Estruturas permanentes, como a Vila Olímpica e o Centro Aquático Olímpico, serão destinados a projetos sociais depois das Olimpíadas. A vila, localizada em Saint-Denis, ao norte de Paris, será parcialmente disponibilizada para habitação pública. 

Já o Centro Aquático, que terá 5.000 lugares durante os jogos, será transformado em uma instalação com metade dos assentos para acomodar eventos locais poliesportivos depois do encerramento do evento.

Franceses pouco cativados Apesar dos esforços para promover os Jogos Olímpicos em Paris, os franceses não estão confiantes na organização do evento. Uma pesquisa realizada pelo Ifop (Instituto Francês de Opinião Pública) mostra que pouco mais da metade (55%) da população crê que o país tem condições de organizar as Olimpíadas. Outros 45% acreditam que a França tem não capacidade de realizar o evento. Eis a íntegra (PDF – 1 MB, em francês).

O presidente, Emmanuel Macron, tem sido alvo de críticas relacionadas à segurança e gastos nas Olimpíadas. Em uma entrevista ao canal BFM TV, ele assegurou que “os jogos financiam os jogos”, quando questionado sobre os gastos do evento. O jornal Le Monde divulgou que 97,5% do financiamento olímpico é privado e 2,5%, público. Atualmente, os gastos de infraestrutura estão estimados em € 756,8 milhões (cerca de R$ 4,24 bilhões na cotação atual).

Mesmo com o comprometimento de Macron em tranquilizar os franceses, a pesquisa da Ifop indica que apenas 10% confiam totalmente no presidente, 41% confiam parcialmente e 59% não confiam de maneira alguma.

A segurança das Olimpíadas é um tópico sensível, considerando que nos últimos meses houve uma recorrência de ataques terroristas na Europa.

Em 22 de março, um ataque a tiros à casa de shows Crocus City Hall, em Moscou, deixou 139 mortos e 182 feridos. O Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque. Menos de 1 mês depois, em 11 de abril, O FSB (Serviço Federal de Segurança da Rússia, em português) detectou e impediu um ataque a uma Sinagoga na capital russa.

Os franceses esperam que a Polícia de Paris assegure a segurança dos Jogos. A corporação é a instituição menos confiada para proteção dos cidadãos e visitantes, segundo o levantamento do Ifop.

Macron prometeu que fará de tudo para conseguir uma “trégua olímpica”. Para a BFM TV, disse que a França tem recursos de inteligência suficiente para assegurar a segurança em caso de uma tentativa de ataque terrorista.

A cerimônia de abertura das Olimpíadas, planejada para ser realizada no Rio Sena, poderá ser limitada ao Trocadéro ou movida para o Stade de France se houver risco alto de ataques.

Além do receio com a segurança e gastos do governo, grande parte dos franceses não planejam acompanhar as Olimpíadas de Paris in loco. De acordo com a pesquisa do Ifop, 45% não querem sequer assistir aos jogos. Os jovens entre 18 e 24 anos são os que mais tem intenção de assistir alguma prova dos jogos (8%).

A faixa etária mais desinteressada nas olimpíadas é de 35 a 49 anos, já que 47% deste grupo não vão acompanhar os jogos.

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, tem promovido uma série de eventos para incentivar a participação dos moradores da cidade nos eventos olímpicos. Na semana passada, ela comemorou a 47ª maratona de Paris. Em março, Hidalgo recebeu o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama e disse que foi uma “ótima oportunidade” para conversar sobre as Olimpíadas de 2024.

A prefeita está sendo questionada pelos parisienses em relação à organização do transporte público na cidade durante os jogos. O presidente Macron já havia admitido que os meios de transporte “não estão totalmente à altura” da demanda esperada.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Em despedida do TSE, Moraes diz que atuou contra o “populismo digital”

Sem citar nomes, ministro afirmou que a Corte não se “acovardou” mesmo com críticas...

“70% de certeza”, diz ex-affair sobre possível paternidade de Buda

Nina Capelly, prima de MC Binn, descobriu recentemente que está esperando um bebê. A...

Irmã de Gisele Bündchen decidirá sobre socorro do governo Lula ao RS

Instagram/Reprodução 1 de 1 Gisele Bündchen posa de look marrom e cabelos soltos para...

Mais para você