InícioNotíciasPolíticaTragédia Yanomami: Lula exonera 10 coordenadores de saúde indígena

Tragédia Yanomami: Lula exonera 10 coordenadores de saúde indígena

Em meio à crise humanitária relacionada ao povo Yanomami, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) exonerou, nesta segunda-feira (23/1), 10 coordenadores de saúde indígena do Ministério da Saúde. As demissões foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU).

Os servidores foram destituídos dos cargos em Roraima – região visitada por Lula no meio da semana –, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, Mato Grosso e Amazonas.

De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 500 crianças Yanomami morreram por desnutrição. A situação trágica levou o atual governo a decretar estado de Emergência em Saúde de Importância Nacional (Espin) no território.

“Genocídio” e “crime premeditado”Após visitar o povo indígena em Roraima, no sábado (21/1), Lula afirmou que o abandono dos Yanomami pela gestão de Jair Bolsonaro (PL) é “um crime premeditado” e um “genocídio”.

O presidente também relatou o cenário crítico no qual encontrou os indígenas.

“Adultos com peso de crianças, crianças morrendo por desnutrição, malária, diarreia e outras doenças. Os poucos dados disponíveis apontam que ao menos 570 crianças menores de 5 anos perderam a vida no território Yanomami nos últimos 4 anos, com doenças que poderiam ser evitadas”, disse o petista.

Mais médicosEm resposta à necessidade de esforços para combater a tragédia no povo Yanomami, o Ministério da Saúde anunciou no domingo (22) que por causa da desassistência sanitária da população do território Yanomami estuda acelerar um edital do Programa Mais Médicos para recrutar profissionais para atuação nos Distritos Sanitários Indígenas (Dsei).

Segundo a pasta, o recrutamento seria de médicos tanto formados no Brasil como no exterior, e a atuação seria de maneira permanente, inclusive no Dsei Yanomami, onde quase 100 crianças morreram no ano passado, segundo o Ministério dos Povos Indígenas.

Os Dsei são unidades de responsabilidade sanitária federal e correspondem a uma ou mais terras indígenas.

Bolsonaro e DamaresNo domingo, Bolsonaro rebateu os ataques que recebeu de Lula, que atribuiu a ele a culpa pela crise humanitária dos povos Yanomamis.

Em seu canal oficial no Telegram, Bolsonaro classificou as críticas e acusações imputadas a ele como “mais uma farsa da esquerda”, e destacou ações do governo dele no território indígena.

Já a ex-ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos Damares Alves, após as críticas, afirmou que acompanhou “com dor e a tristeza as imagens divulgadas sobre os Yanomami”. “Minha luta pelos direitos e pela dignidade dos povos indígenas é o trabalho de uma vida”.

No entanto, afirmou que a desnutrição entre crianças indígenas é um “dilema histórico”, agravado pelo “isolamento imposto pela pandemia”.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Ao vivo: Autoridades participam de seminário da Esfera Brasil

Campos Neto, Paul Prates e Rodrigo Pacheco são alguns dos participantes do “Seminário Brasil...

Registro de conflitos no campo batem recorde no primeiro ano sob Lula, aponta relatório

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação O presidente Lula 22 de abril de 2024 | 09:10 ...

Veículo de ex-vereador pega fogo em Itamaraju

Moradores do bairro URBIS III, auxiliaram um ex-vereador, a conter o princípio de incêndio...

Fernanda Montenegro aciona a Justiça para provar ao INSS que está viva

Aos 94 anos, Fernanda Montenegro está em uma batalha judicial contra o INSS (Instituto...

Mais para você