InícioEditorialPolítica NacionalVolta ao Mundo: eleições em Taiwan e violência no Equador

Volta ao Mundo: eleições em Taiwan e violência no Equador

Lai Ching-te venceu o pleito com 40% dos votos; presidente equatoriano decretou estado de conflito armado interno no país

No quadro Volta ao Mundo, a equipe do Poder360 resume os principais fatos internacionais da última semana (7-13.jan.2024).

Assista (5min45s): 

Se preferir, leia: 

Eleições em Taiwan A semana foi marcada pela vitória de Lai Ching-te nas eleições presidenciais de Taiwan, realizadas no sábado (13.jan). 

Lai recebeu 40% dos votos válidos, contra 33,49% do principal adversário, Hou Yu-ih. A posse do presidente eleito será em 20 de maio. 

Lai, de 64 anos, é o atual vice-presidente da ilha e pertence ao DPP (Partido Democrático Progressista). A legenda nacionalista está no poder desde 2016 e defende a autonomia de Taiwan em relação à China. 

Em seu discurso de vitória, o presidente eleito afirmou que uma de suas responsabilidades será “manter a paz e a estabilidade em Taiwan”. 

A China considera a ilha uma província dissidente e manifestou preocupação com a vitória de Lai. Segundo o governo chinês, a eleição do taiwanês representa um “grave perigo” para a região. 

Agricultores alemães entram em greve Agricultores da Alemanha iniciaram, na 2ª feira (8.jan), protestos em todo o país contra o corte de subsídios ao diesel agrícola. 

Os manifestantes também criticam o fim da isenção de impostos a veículos agrícolas e florestais aprovados pelo governo. 

As medidas foram estabelecidas no orçamento alemão para 2024. Em 4 de janeiro, o governo recuou: manteve descontos em máquinas agrícolas e determinou a redução gradual, em vez da eliminação imediata, dos subsídios ao diesel, permitindo às empresas tempo para se adaptarem.

No entanto, apesar do acordo, a Associação Alemã de Agricultores decidiu manter os atos. Durante as manifestações, tratores e caminhões bloquearam várias estradas nos 16 Estados da Alemanha. 

Premiê da França renuncia Ainda na 2ª feira (8.jan), a primeira-ministra da França, Élisabeth Borne, renunciou ao cargo que assumiu em maio de 2022. A decisão coincidiu com especulações sobre uma possível reestruturação no governo do presidente Emmanuel Macron.

Já na 3ª feira (9.jan), Gabriel Attal, ex-ministro da Educação, foi nomeado primeiro-ministro. Attal, de 34 anos, se tornou o mais jovem premiê da França desde a fundação da 5ª República, em 1958, além de ser o 1º chefe de governo abertamente gay na história do país.

Violência no Equador O presidente do Equador, Daniel Noboa, anunciou, na 3ª feira (9.jan), estado de “conflito armado interno” no país. A medida permite a intervenção do Exército e da polícia e autoriza as Forças Armadas a realizarem operações militares contra grupos criminosos. 

Na decisão divulgada, o presidente cita dezenas de grupos e facções que agora passam a ser considerados organizações terroristas. 

O Equador vive uma onda de violência depois que o chefe da maior quadrilha criminosa do país fugiu de um presídio em Guayaquil. José Adolfo Macías Villamar, conhecido como Fito, é um dos líderes do grupo Los Choneros. Ele escapou da prisão no domingo (7.jan). 

Na 3ª feira (9.jan), homens armados invadiram uma transmissão ao vivo do canal TC Televisión, em Guayaqui. A polícia equatoriana prendeu os suspeitos. 

Argentina fecha acordo com FMI Na 4ª feira (10.jan), a Argentina chegou a um acordo com o FMI (Fundo Monetário Internacional) sobre os termos para renegociar a dívida de US$ 44 bilhões que o país tem com a organização. 

A negociação desbloqueará US$ 4,7 bilhões para a Argentina. Em contrapartida, o governo argentino se comprometeu a reverter o deficit primário em superavit e aumentar as reservas líquidas. 

O texto do acordo será apresentado nas próximas semanas ao conselho executivo do FMI para receber sua aprovação. 

O governo argentino destacou que o montante desbloqueado destina-se a apoiar os esforços da nova gestão para restaurar a estabilidade macroeconômica. O valor também deve atender às necessidades da balança de pagamentos do país.

Inflação EUA e Argentina Na 5ª feira (11.jan), os Estados Unidos divulgaram sua inflação anual referente a dezembro de 2023. A taxa ficou em 3,4%, um aumento de 0,3 ponto percentual em relação ao mês anterior, quando estava em 3,1%

Já a Argentina terminou 2023 com uma inflação anual de 211,4%. A taxa registrada em dezembro foi 50,5 pontos percentuais maior que a do mês anterior. Os dados também foram divulgados na 5ª feira (11.jan). 

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Ex-assessor de Bolsonaro diz à PF que não saiu do Brasil

Filipe Martins depôs nesta 5ª (22.fev); é acusado de integrar núcleo jurídico de grupo...

Ex de Nicole Bahls é preso em flagrante durante busca e apreensão

Na última quarta-feira (21/2), o ex-marido da ex-BBB Roberta Brasil e ex-noivo de Nicole...

Seu cheiro pode dar pistas do quão saudável você está

Centenas de compostos químicos saem de nossos corpos para o ar a cada segundo....

Mais para você