InícioNotíciasPolíticaAlesp: polícia tenta acusar manifestantes por organização criminosa

Alesp: polícia tenta acusar manifestantes por organização criminosa

São Paulo — A Polícia Civil pediu à Justiça paulista a quebra do sigilo dos celulares de três manifestantes envolvidos na pancadaria que tomou a Assembleia Legislativa (Alesp), na noite de 6 de dezembro, durante a votação da proposta de privatização da Sabesp. Apesar de também haver acusações de truculência, nenhum policial militar foi indiciado e os agentes só aparecem como vítimas no inquérito.

O pedido para acesso ao conteúdo dos celulares foi feito pela delegada Maria Aparecida Rezende Corsato, do 27º Distrito Policial (Ibirapuera), em relatório de investigação entregue na quinta-feira (14/12). O Metrópoles teve acesso ao documento.

Segundo a delegada, a diligência seria necessária para “verificar a existência de uma organização criminosa”, supostamente formada pelos manifestantes que estavam na Alesp. Os investigados respondem, ainda, por crimes de resistência, desobediência e dano ao patrimônio público.

“O acesso ao conteúdo dos aparelhos vai propiciar a identificação de outros autores que contribuíram de alguma forma para a prática dos crimes (contribuição intelectual e de planejamento ) e que devem responder por eles”, escreveu.

Para confirmar a hipótese na Justiça, a Polícia precisa demonstrar que os envolvidos se organizaram antes e planejaram o tumulto na Alesp. Caso não consiga confirmar a tese, os manifestantes devem ser acusados de associação criminosa – delito com pena mais branda.

Pancadaria na Alesp O dia da votação da privatização da Sabesp foi marcado pela confusão entre manifestantes e a polícia que terminou com agressões, spray de pimenta, bombas de gás lacrimogêneo e deputados retirados às pressas do plenário da Alesp, muitos deles passando mal.

Quatro pessoas foram detidas e levadas algemadas até o 27º Distrito Policial, no Campo Belo, na zona sul da capital paulista. Todos alegam inocência e dizem ter sido agredidos pelos policiais.

Foram indiciados os manifestantes Hendryll Luiz Rodrigues de Brito Silva, de 22 anos; Lucas Borges Carvente, 26; Ricardo Senese, 36; e Vivian Mendes da Silva, 42.

Hendryll é acusado de arremessar uma tábua que atingiu a cabeça de um soldado da PM. Já a versão do indiciado é que, na verdade, ele teria ficado preso na multidão durante o tumulto, mas foi agredido com mata-leão e golpes de cassetete pela PM, mesmo sem ter esboçado reação.

Em relação a Lucas, os investigadores afirmam que o suspeito foi flagrado em filmagens arremessando um tripé contra os policiais. O objeto teria cortado um soldado. Em interrogatório, ele negou ser a pessoa que aparece no vídeo.

Já Vivian é acusada de ser “uma das primeiras a desobedecer o isolamento” e romper a linha de PMs. “Ela também gritava incentivando os demais para avançarem em direção ao vidro”, diz o relatório.

A versão da indiciada é diferente. Ela alega que estaria “sendo empurrada por outras pessoas”, acabou agredida com um golpe no estômago e ficou trancada em uma viatura, intoxicada por gás de pimenta.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

A avaliação do time de Lewandowski sobre o projeto que limita delações

Integrantes da cúpula do Ministério da Justiça veem com cautela o projeto de lei...

Após seca histórica, indústria do AM acende alerta para clima em 2024

Meses após a seca histórica no Rio Negro, em Manaus, capital do Amazonas, a...

Governador liga para Lewandowski após ataques com mortes no Ceará

Elmano de Freitas (PT) diz não descartar pedir apoio do governo Lula para reforçar...

Venda agressiva e Gusttavo Lima na propaganda: o que é a Gav Resorts

Com vendedores gravados fazendo promessas “estratosféricas” de investimentos e turistas reclamando de abordagens predatórias,...

Mais para você