InícioNotíciasPolíticaApós MEC proibir, Justiça libera aulas de medicina em faculdade do DF

Após MEC proibir, Justiça libera aulas de medicina em faculdade do DF

Após o Ministério da Educação (MEC) proibir a UniMauá de oferecer vagas para o curso de medicina, a decisão foi revogada pelo Tribunal Regional Federal 1ª Região. A decisão do desembargador federal João Carlos Mayer Soares foi deferida nessa terça-feira (4/4). São 180 alunos matriculados no curso pela instituição.

Dessa forma, a Justiça suspende a Portaria nº 106, de 26 de março de 2024, publicada no Diário Oficial da União (DOU), que obrigava a faculdade do DF a suspender o ingresso de estudantes e a interromper a oferta efetiva para o curso. As medidas cautelares foram tomadas pelo MEC em notificação ao centro de ensino por anunciar novos cursos de medicina sem possuir o devido ato administrativo.

“Determino a suspensão dos efeitos da Portaria com relação à parte autora, autorizando o início do período letivo e o funcionamento do curso de medicina, até que a administração cumpra com os comandos judiciais proferidos, independentemente da continuidade da incidência das astreintes arbitradas”, destaca a decisão.

A faculdade comemorou a decisão judicial, que, segundo a pró-reitora, Leonice Moura, representa uma vitória para o UniMauá e uma grande conquista para a lice iniciativa. “Ganha a sociedade com a formação de profissionais especializados que, no futuro, ajudarão a atender a demanda crescente por saúde”, completou

Questionado se o Ministério da Educação tem interesse em recorrer da decisão, a pasta não respondeu até a última atualização desta reportagem.

Cursos abertos por liminares Neste mês, a coluna do jornalista Guilherme Amado revelou a pressão de liminares para abrir cursos por “atacado”. A reportagem apurou que, até 19 de março, tramitavam no Ministério da Educação (MEC) 369 pedidos judiciais para a criação de novos cursos ou vagas de medicina em instituições particulares no Brasil.

Desde o início do julgamento sobre a constitucionalidade da regulação pelo Supremo Tribunal Federal (STF), 14 cursos já foram abertos por força de liminares.

As liminares deferidas pelos TRFs cobram que o MEC libere portarias para novas escolas médicas no atacado, sem que sejam mapeadas as regiões de maior necessidade no país. Além disso, o setor alerta que a expansão descontrolada do mercado educacional levanta sérias preocupações quanto à qualidade da formação médica oferecida.

O volume de pedidos adicionaria quase 60 mil vagas às escolas médicas, sem planejamento ou editais públicos, em total desprezo à regulamentação estabelecida pelo MEC e pelas determinações já existentes do Supremo.

Até agora a maioria da Corte prevê a organização do ensino de medicina no Brasil por meio dos chamamentos públicos, que, em primeira ordem, são elaborados para promover a melhor distribuição de profissionais médicos no país, hoje concentrados nos grandes centros urbanos.

Outras 5 instituições notificadas Além do Centro Universitário Mauá de Brasília, o MEC notificou cinco instituições de educação superior que anunciaram novos cursos de medicina sem possuir o devido ato autorizativo da pasta.

No entanto, apenas a UniMauá e o Centro Universitário Facens (Unifacens), localizado em Sorocaba (SP), receberam as medidas cautelares. As demais não tiveram os nomes divulgados.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Moraes arquiva inquérito contra Google e Telegram

Aberto em 2023, o inquérito investigava as empresas por fazer campanhas “abusivas” contra o...

Barroso tira de pauta julgamento sobre manutenção de Ednaldo na CBF

Com o julgamento da descriminalização do porte de maconha para uso individual marcado para...

Operação Churrascada, da PF, apura suposta venda de sentenças por desembargador do TJ-SP

A ofensiva tem este nome, porque os investigados usavam o termo “churrasco” para se...

Caso Djidja: polícia indicia família da ex-sinhazinha e mais 9 pessoas

Cleusimar Cardoso e Ademar Cardoso, mãe e irmão da ex-sinhazinha do Boi Garantido Djidja...

Mais para você