InícioNotíciasPolíticaBebida popular é eleita uma das mais cancerígenas, segundo Harvard

Bebida popular é eleita uma das mais cancerígenas, segundo Harvard

Existe um site da Escola de Saúde Pública de Harvard, conhecida como Cancer FactFinder, que concede informações sobre o que causa câncer. Dessa vez, o portal alertou para o consumo de uma bebida cancerígena que também está ligada ao risco aumentado de vários tipos da doença.

A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) estabelece consensos sobre substâncias potencialmente cancerígenas e, segundo o site, há uma forte conformidade de que o uso do álcool faça parte do cancerígeno do Grupo 1 (que significa que é cancerígeno em humanos).

Consumir bebidas alcoólicas atrapalha o funcionamento do organismo Para entender a influência do álcool no surgimento da doença, quando ingerimos a bebida, ela é metabolizada pelo fígado, resultando na formação de uma substância química conhecida como acetaldeído. Por sua vez, o acetaldeído é altamente tóxico e cancerígeno. Dentre os seus prejuízos, ele danifica o DNA das células e ainda impede que essas se reparem de forma adequada.

Dessa forma, esse dano pode resultar no desenvolvimento de células cancerosas. Além disso, o processo de metabolização da bebida resulta na produção de radicais livres, que são moléculas instáveis que podem causar danos às células do organismo.

A maior produção de radicais livres culmina no estresse oxidativo, que contribui diretamente para a formação de câncer, uma vez que altera o DNA e outros componentes celulares importantes.

Não bastando isso, o consumo excessivo de álcool ainda é associado aos maiores níveis de estrogênio no corpo, um hormônio que está relacionado ao desenvolvimento de cânceres como o de mama.

Alguns tipos de câncer já associados à bebida são: cabeça e pescoço, esofágico, fígado, mama e colorretal.

(*) Thaiz Brito é nutricionista pós-graduanda em Nutrição Esportiva Clínica

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Mais para você