InícioEditorialPolítica NacionalBolsonaro chama manifestantes do 8 de Janeiro de "baderneiros"

Bolsonaro chama manifestantes do 8 de Janeiro de “baderneiros”

Ex-presidente declara que não cometeu nenhum crime durante seu mandato, especialmente na organização de um golpe de Estado

Ex-presidente participou do podcast do jornalista australiano, Mario Nawfal, no X para falar sobre censura no país; na foto, Bolsonaro cercado de apoiadores Wagner Meier/Poder360 – 21.abr.2024

PODER360 4.mai.2024 (sábado) – 23h59

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou neste sábado (4.mai.2024) que os manifestantes que participaram do 8 de Janeiro eram “baderneiros sem comando”. A declaração foi feita em participação no Space– podcast ao vivo no X (antigo Twitter)– do jornalista australiano Mario Nawfal.

Bolsonaro disse que não teve nenhuma participação na depredação da Praça dos 3 Poderes, em Brasília, e comparou o episódio à invasão ao capitólio dos Estados Unidos em janeiro de 2021. Segundo o ex-presidente, ambos os acontecimentos foram espontâneos e sem um comando central.

O adjetivo escolhido por Bolsonaro para se referir aos manifestantes tem um sentido oposto ao escolhido durante o ato em São Paulo realizado em fevereiro deste ano. Na ocasião, o ex-presidente chamou os participantes do 8 de Janeiro de “pobres coitados” e pediu anistia aos presos.

Bolsonaro também declarou que não cometeu nenhum crime durante seu mandato e que mesmo fora da presidência há quase 2 anos seus adversários políticos ainda tentam criar narrativas para desmoralizá-lo.

“Todas as acusações contra mim são narrativas, não cometi nenhum crime, especialmente uma tentativa de golpe”, declarou.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO Bolsonaro foi convidado a participar do programa de Nawfal para discutir “os desafios da liberdade de expressão no Brasil”. Existia a expectativa de que Elon Musk, dono do X, participasse da conversa, mas o bilionário sul-africano não compareceu.

O ex-presidente participou do Space de Manaus. Em sua 1ª fala, Bolsonaro agradeceu Elon Musk pela tecnologia da Starlink que estava possibilitando que ele participasse do programa da região amazônica.

Bolsonaro teve dificuldades técnicas para participar do podcast na plataforma. Segundo o jornalista australiano, o perfil oficial do ex-presidente não conseguiu acessar o Space e só foi capaz de participar do programa através do perfil do deputado federal Capitão Alberto Neto (PL-AM).

O apresentador também declarou que diversos brasileiros reportaram dificuldades em escutar o programa e precisaram utilizar VPN (virtual private network, ou rede privada virtual, em tradução livre) para ouvir o Space.

Depois da conversa com Bolsonaro, Nawfal convidou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a participar do programa para ouvir “o seu lado da história”.

Bolsonaro participou do Space através do perfil do deputado federal Capitão Alberto Neto (PL-AM).

O horário de pico do programa foi às 22h15 quando 39.200 perfis do X estavam ouvindo o Space. Bolsonaro entrou no programa às 22h25. Antes do ex-presidente entrar, outros aliados e congressistas conversaram com Nawfal. Leia abaixo a lista dos participantes:

Gustavo Gayer (PL-GO), deputado federal e pré-candidato à Prefeitura de Goiânia; Ana Paula Henkel, jornalista e analista política; Luiz Philipe de Orleans e Bragança (PL-SP), deputado federal; Julia Zanatta (PL-SC), deputada federal; Eduardo Bolsonaro (PL-SP), deputado federal e filho do ex-presidente; Bia Kicis (PL-DF), deputada federal; Nikolas Ferreira (PL-MG), deputado federal.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

CFM diz que vai enviar ao STF estudos científicos contra decisão de Moraes sobre aborto

A norma, que proíbe a prática em fetos com mais de 22 semanas, foi...

Ex-TV Globo revela ter sido vítima de abuso sexual na infância

Helga Nemetik decidiu quebrar o silêncio e expor ter sido abusada sexualmente durante a...

STF proíbe questionamentos sobre vida sexual de mulheres vítimas de violência

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu, por unanimidade, proibir questionamentos sobre o histórico sexual...

Mais para você