InícioEditorialPolítica NacionalBrasil diz acreditar em "diálogo" na Venezuela após novas prisões

Brasil diz acreditar em “diálogo” na Venezuela após novas prisões

Governo Maduro prendeu mais duas pessoas ligadas à María Corina, principal nome de oposição; eleições estão marcadas para 28 de julho

“Acreditamos em um final feliz”, afirmou a embaixadora Maria Luísa Corel Reprodução/Timothy Sullivan (UNCTAD) (via Flickr) – 11.set.2019

Mariana Haubert Evellyn Paola 22.mar.2024 (sexta-feira) – 14h31

A secretária de Europa e América do Norte do Itamaraty, Maria Luísa Escorel, afirmou nesta 6ª feira (22.mar.2024), que o Brasil continua acreditando no diálogo entre o governo e a oposição da Venezuela.

“Nós continuamos acreditando no diálogo. Nós continuamos apostando que esse acordo [Acordo de Barbados] poderá ser implementado”, declarou a embaixadora.

Firmado em outubro de 2023, o Acordo de Barbados busca, conforme o governo, a “construção de consensos” que permitam à Venezuela “realizar eleições presidenciais em 2024”.

De acordo com Escorel, o governo brasileiro acredita que haverá eleições livres e transparentes no país vizinho. “A Venezuela caminhará na direção esperada da democracia”, afirmou. O pleito está marcado para 28 de julho, data do aniversário do ex-presidente Hugo Chávez (1954-2013).

A declaração da embaixadora foi dada a jornalistas no Ministério das Relações Exteriores, em Brasília. Ela foi questionada sobre se o tópico será abordado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em reunião com o presidente da França, Emmanuel Macron, na próxima 3ª feira (26.mar). O francês fará visitas a Belém (PA), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e Brasília (DF).

“Numa reunião bilateral entre 2 chefes de Estado do governo, é natural que se trate das questões regionais de um país e do outro, e, sobretudo, é provável que o próprio presidente Macron tenha interesse em ouvir a perspectiva brasileira sobre as grandes questões que passam pela Venezuela”, disse Escorel.

A opositora de Nicolás Maduro, María Corina Machado, cobrou uma postura mais firme de Lula em relação ao presidente venezuelano. Em 26 de janeiro, a ex-deputada foi impedida pela Justiça do país de ocupar cargos públicos pelos próximos 15 anos –o que, na prática, inviabiliza sua candidatura à Presidência.

Em 9 de março, a adversária de Maduro afirmou em seu perfil no X (ex-Twiter) que o governo da Venezuela sequestrou o diretor de Barinas de sua campanha, Emill Brand.

Os responsáveis pelos Estados de Trujillo, Vargas e Yaracuy estão presos há mais de 50 dias, segundo a ex-deputada.

“Esta ação é mais uma violação do Acordo de Barbados […] Exigimos uma forte reação de todos os atores nacionais e internacionais que apoiam uma verdadeira eleição presidencial na Venezuela. Continuaremos a viajar por todo o nosso país para ganhar cada vez mais força e organização cidadã para alcançar a vitória eleitoral este ano”, afirmou María Corina.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Haddad pede compromisso ao Congresso para votar tributária em 2024

O ministro da Fazenda foi à Residência Oficial do presidente do Senado nesta 4ª...

Fachin e Gilmar são a favor de registro na Justiça e prazos para apurações do Ministério Público

Foto: Antonio Augusto/ STF Os ministros Edson Fachin e Gilmar Mendes, do STF...

Wanessa tira satisfação com bailarina que não olhou para ela no BBB 24

Wanessa Camargo participou do BBB 24 e ficou chateada com uma situação específica no...

Senado vota Perse na próxima terça. Daniella Ribeiro será relatora

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou, nesta quarta-feira (24/4), que a...

Mais para você