InícioEditorialPolítica NacionalRedes sociais distorcem Marco Civil, diz coordenadora do CGI

Redes sociais distorcem Marco Civil, diz coordenadora do CGI

Renata Mielli afirma que as plataformas fazem “interpretação indevida” da legislação para não se responsabilizarem por conteúdos

Renata Mielli, coordenadora do Comitê Gestor da Internet, diz que as plataformas recorrem a “escritórios com os melhores advogados do Brasil que interpretam as legislações existentes em seu benefício”; na foto, tela de celular com aplicativos de redes sociais Reprodução/Unsplash

PODER360 23.abr.2024 (terça-feira) – 4h29

Renata Mielli, coordenadora do CGI (Comitê Gestor da Internet), disse que as redes sociais se valem de interpretações indevidas do Marco Civil da Internet para justificar suas ações. Segundo ela, o artigo 19, alvo de ação do STF (Supremo Tribunal Federal), “não perdeu a importância”. 

O artigo diz que os provedores de aplicações de internet só respondem civilmente quando descumprirem uma ordem judicial para a remoção do conteúdo. “O que gera problemas para nós são as novas aplicações de internet estarem fora do escopo do Marco Civil”, afirmou em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo publicada na noite de 2ª feira (22.abr.2024). 

As redes sociais costumam argumentar que são intermediárias do conteúdo de terceiros. Conforme Renata, essa é uma “interpretação indevida” do Marco Civil da Internet, uma vez que “essas plataformas não são intermediárias neutras”. Ela declarou: “Essas plataformas são curadoras de conteúdo. Naquela época [em 2014, quando o Marco Civil foi aprovado], isso não estava muito claro”. 

E acrescentou: “As redes sociais são aplicações de internet que vão além de simples intermediários. Não cabem na acepção da palavra do que está consignado no Marco Civil da Internet. Essas empresas são gestoras de conteúdo, porque definem prioridades através de critérios próprios e algoritmos de impulsionamento –há uso de recurso econômico para impulsionar conteúdo. Fazem a curadoria do conteúdo”. 

Renata disse que as plataformas recorrem a “escritórios com os melhores advogados do Brasil que interpretam as legislações existentes em seu benefício”. Ela afirmou: “Por isso que essa interpretação do Marco Civil é tão discutida. Porque essas empresas também apostam na interpretação em seu benefício de um artigo que não deveria beneficiar essas plataformas”.

Há no STF uma ação que trata de trechos do Marco Civil da Internet. Renata disse que, caso o Supremo julgue o artigo 19 inconstitucional, “surge outro problema de insegurança jurídica”.

Segundo ela, o Congresso Nacional “precisa discutir qual será o rumo” do debate sobre a regulação das redes sociais. Para a coordenadora do CGI, “as plataformas precisam ter algum grau de responsabilidade” sobre o “conteúdo que circula no seu interior”, o que “precisa ser resolvido com uma legislação específica”. 

Leia mais: 

Moraes dá 5 dias para X se manifestar sobre lives de contas bloqueadas X cumpriu 90% mais ordens de remoção em 6 meses sob Musk Elon Musk pede “retorno à razoabilidade” na Justiça brasileira Autor do Twitter Files diz ser alvo de Moraes e pede abertura de CPI

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Janja assume imagem do governo nas ações de ajuda aos RS

A primeira-dama tem mostrado mais protagonismo até do que ministros ao levar donativos para...

Advogada sumida enviou mensagem de despedida aos filhos: “Estou longe”

Advogada desaparecida em Petrópolis RJ), Anic Almeida Peixoto Herdy, 55 anos, enviou uma mensagem...

Receita Federal libera consulta ao primeiro lote de restituição de 2023 para contribuintes do Rio Grande do Sul

A Receita Federal liberará a consulta ao primeiro dos cinco lotes de restituição de...

Mais para você