InícioNotíciasPolíticaCom câmera corporal, letalidade de PMs cai 40% e é a menor...

Com câmera corporal, letalidade de PMs cai 40% e é a menor desde 2001

São Paulo – A letalidade de policiais militares em serviço caiu quase 40% em 2022 e fez o Estado de São Paulo atingir o menor patamar de mortes cometidas por PMs em serviço em duas décadas. Este é a segunda queda expressiva após a instalação de câmeras corporais na farda de PMs.

Dados oficiais apontam que 256 pessoas morreram em supostos confrontos com policiais militares em serviço em 2022, o menor número de São Paulo ao menos desde 2001. Em 2021, quando o índice já havia recuado 36% em relação ao ano anterior, foram registrados 423 casos.

Já para PMs de folga, as ocorrências com morte subiram de 120 para 126 no período (5% a mais). Nesses casos, os agentes não estão de farda e, portanto, a ação não é registrada por câmeras.

A estatística foi divulgada nesta quinta-feira (26/1) pela Secretaria da Segurança Pública (SSP). Na total de ocorrências em serviço e de folga, São Paulo contabilizou 382 casos de letalidade da PM em 2022 – uma queda de 29,6% em relação às 543 mortes de 2021. Esse índice, somado, é o menor desde 2005.

Atualmente, há 10,1 mil câmeras corporais em 60 batalhões da PM de São Paulo. O efetivo da corporação é composto por cerca de 80 mil homens e mulheres.

ImpactoDiretora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e pesquisadora do tema, a socióloga Samira Bueno avalia que a queda da letalidade da PM em 2022 é “impressionante”. Segundo analisa, a redução de mortes tem relação com o programa das body cams, mas há outros fatores envolvidos.

“A câmera corporal protege o policial e dá segurança para ele”, afirma. “Por avaliações preliminares e estudos, tudo indica que as câmeras também têm responsabilidade importante na queda da letalidade.”

Samira pondera, no entanto, que a tecnologia, por si só, não pode ser vista como “panaceia” e deve fazer parte de uma política mais ampla para garantir redução sustentada da letalidade.

“Os casos têm caído em todos os batalhões, mas nos que têm body cam caiu mais”, diz. “O resultado não depende só da câmera. Se um chefe da pasta, por exemplo, incentivar políticas de violência, a tendência é o cenário mudar do dia para a noite”.

Não é só câmeraA SSP atribui a queda da letalidade da PM a seis ações, que incluem a instalação das câmeras, “maior rigor no acompanhamento e punição de episódios de violência por parte da polícia” e “forte atuação das Corregedorias”.

A pasta também diz que investe na capacitação dos policias e em arma não-letais, com cerca de 7,5 mil tasers à disposição de São Paulo. “(A PM é) a terceira maior força policial no mundo a utilizar esse tipo de equipamento – atrás apenas das polícias de Nova York (EUA) e Londres (Reino Unido)”.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Equipe de Pitel rebate acusações de ex-mulher de Lucas, Camila Moura

Após a ex-mulher de Lucas Henrique, o Buda, soltar o verbo nas redes sociais...

Quem é o brasileiro suspeito de planejar ataques a judeus no DF

Goiânia – Investigações conduzidas pela Polícia Federal (PF) descobriram que o grupo terrorista libanês Hezbollah recrutou brasileiros para ataques...

Lula envia ao Congresso novas regras para motoristas de apps

Proposta estabelece pagamento mínimo por hora trabalhada e contribuição para a Previdência; regras valem...

Mais para você