InícioEditorialPolítica NacionalCriar Ministério da Segurança Pública não resolve problema, diz PF

Criar Ministério da Segurança Pública não resolve problema, diz PF

Diretor-geral Andrei Rodrigues afirma que manter responsabilidade da área junto à Justiça é importante para conter criminalidade

O chefe da PF também informou que não foi cotado para assumir o ministério Sérgio Lima/Poder360 20.mar.2023

PODER360 4.jan.2024 (quinta-feira) – 19h25

O diretor-geral da PF (Polícia Federal), Andrei Rodrigues, disse nesta 5ª feira (4.jan.2024) ser contra a criação do Ministério da Segurança Pública. Segundo ele, a divisão do Ministério da Justiça não é efetiva para solucionar os problemas de segurança pública do Brasil. 

“Mais importante que se falar em dividir ou não em dividir, e eu sou contra a divisão, acho que o Ministério precisa ser fortalecido. Trabalhar com as duas áreas de maneira conjunta não é uma solução mágica para um problema complexo“, disse em entrevista à GloboNews.

Rodrigues também informou que não foi cotado para assumir o ministério. “De maneira alguma, meu trabalho está focado na Polícia Federal“, disse. Segundo o diretor da PF, ainda não houve um diálogo com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sobre a garantia de manutenção da equipe da instituição policial, escolhida por ele.

“A medida que Lula escolher o ministro da Justiça, nossa equipe se apresentará a novo ministro”, afirmou.

Até 8 de janeiro a vaga é ocupada por Flávio Dino, que tomará posse como ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) em 22 de fevereiro.

NOVO MINISTÉRIO Andrei compartilha a opinião com Dino, que sempre foi contrário ao desmembramento do ministério. A divisão já esteve em discussão no governo e é defendida pela ministra Simone Tebet, à frente do Ministério do Planejamento e cotada como um possível nome para assumir a Segurança Pública.  

A cisão, no entanto, foi negada pelo líder do Governo no Senado, senador Jaques Wagner (PT-BA). “Eu perguntei objetivamente, e ele [Lula] já me disse que não pretende dividir”, disse a jornalistas em 18 de dezembro.

Leia outras declarações do diretor-geral da PF durante a entrevista:

caso Marielle Franco: “Essa investigação foi atrapalhada. Isso é um fato notório. Houve responsabilizações já naquele momento. Agora, nosso foco é entregar à sociedade e à Justiça os responsáveis por esse bárbaro crime” e “O ministro Flávio Dino não está equivocado. Nós vamos apresentar a solução desse caso, mas no tempo dele. No tempo da responsabilidade e da qualidade da prova para desvendar esse episódio”; 8 de Janeiro: “Não consigo cravar uma data [para a finalização da investigação], isso seria temerário” e “Não sei se alguém ou algum grupo [é o mentor intelectual dos ataques extremistas]. O que posso insistir é que a equipe está lá identificando essas pessoas com muita responsabilidade”; instrumentalização da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) pelo governo Bolsonaro: “Foi uma aquisição formal por um processo licitatório autorizado pela agência como uma política de trabalho da agência. Não vejo como fato isolado de outra pessoa senão a instituição sendo usada”; possível punição ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL): “Todos aqueles que tiveram participação nos atos golpistas, no caso das joias, do cartão de vacina, tudo aquilo que envolve esse cenário, será responsabilizado. Se o presidente será ou não, eu não posso antecipar”.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Entenda a negociação entre Brasil e Paraguai sobre Itaipu

Governos dos 2 países discutem tarifas de 2024 e revisão do chamado anexo C...

Mendonça dá 60 dias para empresas renegociarem acordos com Lava Jato

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu prazo de 60 dias...

Moraes derruba decisões de Receita e Carf contra Globo e atores

Depois de decisões favoráveis do ministro Cristiano Zanin e da Primeira Turma do STF,...

Canadá propõe regras para atuação de plataformas digitais

A Lei de Danos On-line foi apresentada ao Parlamento pelo governo de Justin Trudeau;...

Mais para você