InícioEditorialPolítica NacionalEm evento com Lula, poeta cita Marighella para lembrar de ditadura

Em evento com Lula, poeta cita Marighella para lembrar de ditadura

Antônio Marinho diz que “esquecimento nunca é uma escolha, ignorar não é reconciliar”; presidente ignorou aniversário do golpe

Em Recife, o mestre de cerimônias Antônio Marinho disse que para fazer justiça às vítimas da ditadura militar, invocaria Marighella, a quem caracterizou como “guerrilheiro e revolucionário” Reprodução/youtube – 4.abr.2024

Mateus Maia 4.abr.2024 (quinta-feira) – 22h07

Em evento com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em Recife, o poeta e mestre de cerimônias Antônio Marinho citou Carlos Marighella para lembrar da ditadura e criticou quem silencia sobre o golpe de 1964. Lula ignorou o aniversário de 60 anos da data em 1º de abril como tentativa de se aproximar e apaziguar relação com os militares. O presidente sancionou, durante a cerimônia, o Sistema Nacional de Cultura.

“Eu queria dizer, cumprindo aqui um dever com minha consciência de cidadão, de poeta, eu queria dizer que na luta politica, na história, silêncio nunca é uma opção. Esquecimento nunca é uma escolha, ignorar não é reconciliar, negligenciar não é mediar. Mediar não é reconstruir, justiça não é vingança, compensação não é revide, equilíbrio não é mágoa e memória é sinônimo de verdade”, afirmou ao anunciar o discurso da ministra da Cultura, Margareth Menezes.

Segundo Marinho, para fazer justiça às vítimas da ditadura militar, invocou Marighella, a quem caracterizou como “guerrilheiro e revolucionário”. Além disso, o poeta também comparou o 1º de abril de 1964 com os atos extremistas de 8 de Janeiro.

“Eu quero evocar a memória e a presença de um artista, poeta, preto, baiano, da periferia de salvador, e em nome dele saudar e fazer justiça a todas as vítimas da maior mentira da história do Brasil que completou 60 anos, agora honrando a tradição do dia 1º de abril. E eu invoco o guerrilheiro e revolucionário Carlos Marighella para fazer justiça a memória de todas as vítimas da criminosa e sanguinária ditadura militar que jamais poderá ser esquecida para que não se repita e para que nenhum 1º de abril mentiroso se arvore a ser nem um 8 de Janeiro fascista e criminoso como a gente assistiu no Brasil. Viva Carlos Marighela. Viva a democracia brasileira.”

O Ministério da Defesa e as Forças Armadas decidiram ignorar o aniversário de 60 anos do golpe militar de 1964, assim como o resto do governo. Além de não haver nenhum evento em alusão à data, as instituições militares não farão sequer postagens sobre o tema.

Segundo apurou o Poder360, os militares veem com bons olhos a discrição com que o governo tratará o tema em 2024. Seria mais um passo de Lula na direção de melhorar sua relação com a caserna.

Ao final do 1º ano do mandato do petista, a Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT, anunciou que promoveria diversos eventos para lembrar os 60 anos do golpe militar de 1964. O Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania também disse que realizaria iniciativas pela preservação da memória, da verdade e da luta pela democracia e justiça social.

O presidente Lula, entretanto, mandou o ministro de Direitos Humanos, Silvio Almeida, cancelar ato no Museu da República que relembraria os “perseguidos” durante o período. A ordem do petista seria para evitar tensões com os militares e minimizar o destaque para a data.

Em 28 de fevereiro, Lula disse querer evitar “remoer o passado”, e que os atos de 8 de Janeiro causam mais preocupação que a lembrança da tomada de poder pelos militares em 1964.

“Vou tratar [os 60 anos] da forma mais tranquila possível. Estou mais preocupado com o golpe de janeiro de 2023 do que com o de 64. Isso já fez parte da história, já causou sofrimento, o povo já reconquistou o direito democrático. Os militares, hoje no poder, eram crianças naquele tempo. Alguns nem eram nascidos”, declarou em entrevista à “RedeTV!”.

Marighella Carlos Marighella foi um dos líderes da ALN (Ação Libertadora Nacional), Marighella foi deputado de 1946 a 1948. Teve o mandato extinto pela Câmara depois da cassação do registro do seu partido, o PCB (Partido Comunista Brasileiro).

A ALN foi um grupo autodenominado revolucionário de orientação comunista que atuava para derrubar a ditadura militar no Brasil nos anos 1960 e 1970. Marighella também atuou em oposição à ditadura militar. Defendia a luta armada como forma de derrubar o regime.

Marighella foi morto em 4 de novembro de 1969 por agentes da Oban (Operação Bandeirantes), na alameda Casa Branca. A Oban era um centro de informações e investigações composto por membros da Aeronáutica, Marinha, do Departamento de Polícia Federal, do antigo Serviço Nacional de Informações (atual Abin) e também por órgãos do governo do Estado de São Paulo.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Funcionário flagrado com diretor em camarim do SBT é comprometido

O alvoroço causado nos corredores do SBT por conta de uma aventura sexual entre...

Saiba quem era Arthur Virgílio Bisneto, ex-deputado federal morto aos 44 anos

O ex-deputado federal Arthur Virgílio Bisneto (PL) morreu nesta terça-feira (28), aos 44 anos, em Manaus. Filho...

55% dos católicos e 27% dos evangélicos aprovam Lula, diz PoderData

Esses são os piores percentuais de aprovação do petista desde a posse entre os...

Que tal privatizar praias?

Getty Images 1 de 1 movimento nas praias do Rio RJ aglomeracao pandemia coronavirus...

Mais para você