InícioEditorialEm ofício, CNA pede que governo adote medidas emergenciais de apoio a...

Em ofício, CNA pede que governo adote medidas emergenciais de apoio a produtores rurais

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) apresenta nesta quarta-feira, 31, um ofício ao ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, em que pede a adoção de medidas emergenciais de apoio aos produtores rurais impactados por mudanças no clima. No texto, a CNA solicita em caráter de urgência à implementação de medidas para auxiliarem os produtores rurais cuja produção foi significativamente impactada pelas adversidades climáticas causadas pelo fenômeno El Niño. “Nos últimos meses, diversas regiões enfrentaram desafios climáticos significativos. A intensificação da seca e, também, a ocorrência de chuvas excessivas, em virtude do fenômeno El Niño, resultaram em danos substanciais às plantações e rebanho”, diz o comunicado da CNA, que também fala que em colaboração com as Federações da Agricultada Estaduais do Sistema liderado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), foram elaboradas propostas, destinadas a mitigar os impactos enfrentados pelo setor. Elas tem como finalidade atender às necessidades específicas de cada região e as cadeias produtivas afetadas destinadas a mitigar os impactos enfrentados pelo setor.

cta_logo_jp
Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

As demandas incluem a prorrogação de operações de crédito rural vigentes por pelo menos seis meses, a renegociação de parcelas de financiamento vencidas, a atualização dos preços mínimos de soja, milho e trigo e a de instrumentos de equalização de preços, a suplementação de recursos para a subvenção ao seguro rural e a regulamentação do Fundo de Catástrofe (Lei Complementar 137/2010). As propostas foram detalhadas pelo assessor técnico da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA, Tiago Pereira.

De acordo Pereira, os produtores das principais regiões produtoras mostram preocupação com a queda de produtividade em razão dos problemas climáticos, situação que reduziu a margem bruta dos produtores e os preços serão insuficientes para cobrir os custos de produção. Em regiões como Sorriso (MT), por exemplo, segundo dados do projeto Campo Futuro, a margem do produtor de soja na safra 2023/2024 deve cair 41% em relação à safra anterior. Em Rio Verde (GO) e Cascavel (PR), as margens devem cair 39,6% e 39,5%, respectivamente. Pereira também mostrou um cenário negativo para o milho safrinha devido aos altos custos e à queda dos preços do cereal. Em Rio Verde (GO), por exemplo, a projeção estimada é de 82% na margem bruta do produtor neste ano na comparação com 2023. Em Dourados (MS), a projeção de queda é de 38%.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Discordo profundamente de Lula, diz Blinken após fala sobre Holocausto

Secretário de Estado norte-americano diz que apesar das discordâncias, EUA e Brasil precisam agir...

Zilu Godoi rebate discurso de Dado Dolabella sobre Wanessa: “Mentira”

Mãe de Wanessa Camargo, Zilu Godoi decidiu se manifestar nesta sexta-feira (22/2), depois de...

Blinken discorda de Lula, mas diz que “amigos podem ter discordâncias”

O secretário de Estado dos Estados Unidos (EUA), Antony Blinken, disse que discorda da...

Flávio Dino toma posse como ministro do Supremo Tribunal Federal

Novo membro assumirá cargo na Corte três meses após ser indicado pelo presidente Luiz...

Mais para você