InícioEditorialPolítica NacionalEntenda do que a CBF é acusada em processo por assédio

Entenda do que a CBF é acusada em processo por assédio

Ex-diretora de Patrimônio Luísa Rosa diz que sua promoção em 2022 foi uma “jogada de marketing”, teve funções esvaziadas e recebia menos que diretores homens; foi demitida em julho de 2023

Luísa Rosa e o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, no dia em que ela foi anunciada como a 1ª diretora mulher da confederação Thais Magalhães/CBF – 26.abr.2022

PODER360 7.jan.2024 (domingo) – 17h03

A ex-diretora de Patrimônio da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) Luísa Rosa entrou na Justiça para cobrar da entidade uma indenização de R$ 1,8 milhão. Ela afirma ter sofrido assédio moral, assédio sexual e discriminação por ser mulher após ser promovida, em abril de 2022, na gestão de Ednaldo Rodrigues –que acaba de retomar o cargo de presidente por decisão de Gilmar Mendes.

Luísa foi contratada pela CBF em 22 de junho de 2020 como gerente de Infraestrutura. Sua promoção para diretora ocorreu pouco antes de completar 2 anos de empresa, em abril de 2022. Ela diz no processo, que corre em segredo de Justiça, que a subida para o cargo de diretora não teria passado de uma  “grande jogada de marketing”. Relata que sofreu “várias retaliações, esvaziamento de atribuições e todo tipo de humilhação”.

A CBF havia passado por uma crise interna em 2021, um ano antes da promoção de Luísa Rosa, quando o então presidente da confederação, Rogério Caboclo, teve de deixar o cargo por causa de acusações de assédio moral e sexual. O futebol mundial passa por uma crise de imagem, com o público em geral entendendo que as associações do esporte são ambientes tóxicos para mulheres. 

O ex-presidente da Federação Espanhola de Futebol Luis Rubiales caiu depois de ter dado um “selinho” (beijo) numa jogadora da equipe espanhola que havia vencido a Copa do Mundo de 2023. 

Nesse sentido, a entrada de Luísa Rosa num cargo de direção na CBF visava debelar a impressão de ambiente tóxico no futebol para as mulheres. No anúncio da nomeação de Luísa, o site da CBF destacou o fato de ela ser mulher: “Será a 1ª diretora da história da Confederação Brasileira de Futebol”.

Ela diz, entretanto, que sua posição tinha um poder postiço, seria apenas “marketing”, e que nunca exerceu de fato o posto de diretora de Patrimônio.

Eis o que a defesa da ex-diretora relata de admoestações que Luísa Rosa diz ter sofrido, segundo o processo ao qual o Poder360 teve acesso, na íntegra (485 páginas), protocolado em 21 de dezembro de 2023, e que está correndo em segredo de Justiça:

assédio moral – “A Autora [Luísa] sempre foi exposta a toda forma de humilhação de forma constante, durante seu contrato de trabalho, mormente quando foi alçada a diretora. Aliás, a Autora foi submetida a toda discriminação possível, tendo por inúmeras vezes se sentido constrangida diante das conversas de cunho machista, onde sua presença era ignorada por todos”; assédio sexual – “Era constantemente ‘convidada’ a sair para almoços e jantares com diretores, fora do local de trabalho, sendo obrigada a sempre negar, obviamente, criando um desconforto com eles e a sensação de que estaria criando problemas onde não existia […] Uma simples carona que aceitasse, era motivo para a Autora ser assediada, que recebesse convites indesejados, questionada quanto aos locais que gostava de frequentar no Rio, até elogios colocados de forma aleatória seja nos transportes, seja em jantares e eventos, todos oficiais”; discriminação – “Pelo simples fato de ser mulher, a Autora era a todo tempo diminuída, desrespeitada, seu poder diretivo perante sua diretoria inexistia e ainda era remunerada com valor relativo a, em sua maioria, menos da metade dos demais diretores […] Jamais teve acesso a folha de pagamento da Ré [CBF], mas tem ciência que gerentes (cargo inferior hierarquicamente ao seu) homens, de outras diretorias (sem falar nos diretores, obviamente) recebiam salários muito superiores ao seu”. De acordo com o processo, Luísa era “diminuída, objeto de piadas de cunho sexual, chamada para sair por outros integrantes da diretoria, esvaziada em sua conduta profissional, ou seja, era obrigada a posar de ‘garota propaganda’ do respeito da CBF às mulheres, enquanto, no dia a dia, sofria, chegando a ter que se submeter a tratamentos psicológicos e psiquiátricos”.

No processo ao qual o Poder360 teve acesso, há reprodução de sites jornalísticos e de mensagens no WhatsApp, folhas de pagamentos, comunicados internos da CBF, organogramas e atestado médico.

A seguir, o Poder360 relata de forma detalhada o que diz Luísa Rosa no processo contra a Confederação Brasileira de Futebol. É uma linha do tempo com os acontecimentos narrados pela ex-diretora do momento da sua promoção até a demissão.

LINHA DO TEMPO DO PROCESSO Luísa foi contratada pela CBF em 22.jun.2020 como gerente de Infraestrutura; era responsável pela gestão do Fundo de Legado da Copa de 2014, que incluía todo o processo envolvendo compra de terreno, construção e entrega de centros de desenvolvimentos nas 15 UFs do país que não tiveram estádios da Copa (Amapá, Acre, Rondônia, Roraima, Piauí, Maranhão, Sergipe, Paraíba, Goiás, Tocantins, Santa Catarina, Pará, Alagoas e Espírito Santo); respondia ao diretor de Governança e Conformidade; Luísa recebeu uma proposta da Fifa para trabalhar na Copa do Qatar; o salário oferecido seria de cerca de R$ 39.000 por mês, superior ao salário que ela recebia na CBF, de cerca de R$ 12.000 por mês Luísa procurou o diretor de Governança e Conformidade para informá-lo da oferta e que “seria muito difícil” recusar a proposta; o diretor de Governança e Conformidade sugeriu que ela falasse diretamente com o presidente da CBF, e uma reunião foi marcada; estavam presentes à reunião o presidente da CBF e o consultor-conselheiro da presidência; o presidente da CBF disse que a proposta da Fifa seria uma chance de “parceria com a Fifa”, sugeriu conceder uma licença até janeiro de 2023, mas revelou um plano de criar uma Diretoria de Infraestrutura do Futebol, o que era de interesse de Luísa; Luisa diz que um representante da Federação do Amazonas passou a tratar com ela em nome do presidente da CBF e pedir que ela considerasse as “oportunidades” que teria se ficasse; uma nova reunião com o presidente da CBF foi agendada; na reunião, foi oferecida a Luisa a promoção para diretora de Patrimônio e Infraestrutura, e um aumento salarial para R$ 30.000 ao mês; Luisa aceitou a promoção, mas relatou estar “sentindo-se totalmente coagida e atônita”; logo depois da promoção, Luisa relata ter sido surpreendida por fotógrafo, cinegrafista e integrantes do RH da CBF; ela assinou sua nomeação, foi anunciada como nova diretora, ganhou uma camisa da seleção brasileira e já concedeu entrevista para o Grupo Globo, que detém os direitos de transmissão dos jogos da seleção brasileira de futebol; assumiu efetivamente a Diretoria de Patrimônio em 26 de abril de 2022; depois de assumir, reuniu-se com o gerente da Granja Comary. No meio da reunião, foi informada pela presidência da CBF que ela deveria interromper a reunião porque o gerente seria demitido; em 11 de maio de 2022, Luísa apresentou sua proposta de equipe da Diretoria de Infraestrutura e Patrimônio; 4 dias depois, em 15 de maio de 2022, Luísa disse que foi retirada de suas atribuições a gestão do restaurante e da recepção da sede da confederação; em 10 de junho de 2022, o presidente da CBF disse ser contra os salários oferecidos a 2 profissionais para as vagas de gerente de Instalações e gerente de Infraestrutura (não está claro o que veio a acontecer com as duas contratações); “ao longo dos meses seguintes”, Luísa relata no processo que “passou a perceber que a diretoria que lhe foi dada em verdade era apenas uma grande jogada de marketing, pois passou a sofrer várias retaliações, esvaziamento de atribuições e todo tipo de humilhação”; Luísa disse que era obrigada a seguir as ordens do representante da Federação do Amazonas e do segurança particular do presidente; ela relata que o salário de seu antecessor girava em torno de R$ 92.000 mensais, “bem superior aos R$ 30 mil que passou a receber”; Luísa afirma que decidiu pedir o auxílio-alimentação para não ter que almoçar com os demais diretores: “Era insuportável o desrespeito que presenciava”. Cita que ouvia “todo tipo de comentário misógino e inconveniente”; diz ter sabido que a Fifa havia sido informada que ela teria um relacionamento com o diretor de Compliance quando foi contratada, o que nega ser verdade; cita no processo a existência de um grupo no WhatsApp usado por funcionários do prédio da CBF para monitorar seus horários de entrada e saída e eventuais atrasos; em agosto de 2022, Luísa diz que o presidente da CBF parou de respondê-la; assuntos de sua diretoria passaram a ser passados para o Departamento de Compras e Planejamento ou o Jurídico; afirma que foi assediada pelo diretor de Comunicação e pelo representante da Federação do Amazonas, “sendo tratada por ‘linda’ e ‘anjo’” e convidada para cafés e bares no Leblon, bairro onde ela e o diretor de Comunicação moravam; em março de 2023, Luísa diz ter sido diagnosticada com “transtorno de ansiedade e crise de depressão, com episódios de choro, causada pelo trabalho, burnout”; “inúmeras vezes a Autora foi para casa devastada, com a certeza de ter um cargo de fachada, que sua posição técnica e como diretora era desrespeitada”, diz o processo; em 23 de maio de 2023, procurou o presidente da Comissão de Ética da CBF para fazer uma consulta sobre como “denunciar a situação”; ela enviou 2 e-mails em 24 de maio de 2023; horas depois de enviar os e-mails à Comissão de Ética, Luísa afirma ter sido procurada por uma jornalista para uma “conversa”; em 2 de junho de 2023, jornalistas voltam a procurar Luísa e informam que irão à sede da CBF para uma conversa com o presidente; também em 2 de junho de 2023, Luísa reuniu-se com o presidente da CBF, mas não trataram dos e-mails enviados à Comissão de Ética; houve uma 2ª reunião com o presidente da CBF em 2 de junho. Nela, Luísa diz ter falado sobre todos os “desmandos e assédios”, a “perseguição que ela e sua equipe sofreram” e negou ter vazado as “denúncias sigilosas”; em 16 de junho de 2023, a Comissão de Ética diz não ter competência para analisar o caso e que encaminharia os documentos à Comissão de Integridade da CBF; em 30 de junho de 2023, Luísa relata que confrontou o presidente da CBF e foi acusada de se intrometer em questões que não dizem respeito ao seu cargo; em 4 de julho de 2023, foi chamada para uma reunião com o diretor jurídico, o diretor de Compliance, o secretário-geral e uma integrante do RH. É acusada de vazar documentos sigilosos e informada que ela não poderia continuar na confederação, sendo demitida; demitida, foi avisada que não poderia mais encostar em seu computador; Luísa diz que no retorno para casa começou a receber ligações de jornalistas e que nem seus pais sabiam de sua demissão ainda; no dia marcado para a homologação de sua saída, ela foi informada que deveria assinar um termo no qual abdicava de reivindicar “quaisquer direitos na Justiça”; o acordo não foi assinado; Luísa foi orientada a procurar seus advogados; disse que só assinaria a rescisão depois de receber as verbas rescisórias –o que foi feito em 14 de julho de 2023. O QUE DIZ A CBF O Poder360 procurou a CBF para perguntar se gostaria de se manifestar a respeito das acusações envolvendo a ex-diretora. Por meio de sua assessoria, a confederação respondeu que deve emitir um posicionamento na próxima semana.

Leia mais sobre a CBF:

Fifa ameaça suspender CBF caso haja novas eleições Gilmar dá andamento à ação que reconduz Ednaldo Rodrigues na CBF Gilmar dá 24h para AGU e PGR se manifestarem sobre caso Ednaldo Rodrigues Gilmar Mendes devolve comando da CBF a Ednaldo Rodrigues Ednaldo demite técnico da seleção brasileira depois de retornar à CBF CBF paga R$ 35.000 por mês a escritório ligado a cartola de Pernambuco Dirigente pernambucano diz nunca ter recebido dinheiro da CBF

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Bivar tenta adiar eleição para a presidência do União Brasil

Atual presidente quer se manter no cargo, mas tem pouco apoio interno; político quer...

Conselho do Atlético-MG Aprova Aporte Significativo de R$ 200 Milhões

Foto:Pixabay O Conselho Deliberativo do Atlético-MG deu o sinal verde para um aporte financeiro substancial...

Inscrições para o concurso da Caixa começam nesta quinta-feira (29/2)

Rafa Neddermeyer/Agência Brasil 1 de 1 Foto colorida de Prédio da Caixa Econômica Federal,...

Teste identifica risco de câncer no esôfago anos antes dos sintomas

O câncer de esôfago é diagnosticado em 11 mil pessoas a cada ano no...

Mais para você