InícioEditorialPolítica NacionalEstados da soja e de ferro têm maior saldo da balança comercial

Estados da soja e de ferro têm maior saldo da balança comercial

Recorde de R$ 98,8 bilhões registrado no Brasil em 2023 foi puxado pelas commodities; leia o saldo por Estado

Soja foi o produto mais exportado pelo país em 2023, sendo o principal produto vendido pela maioria dos Estados; na imagem, navio sendo carregado com o grão no Porto de Paranaguá (PR) Divulgação/Governo do Paraná

Geraldo Campos Jr. 14.jan.2024 (domingo) – 10h00

Em um ano de superavit recorde na balança comercial do país de R$ 98,8 bilhões, 18 Estados registraram saldo positivo de exportações ante a importações em 2023. Os resultados foram puxados pelo maior volume de venda de commodities da história pelo país, sobretudo para a China.

Os maiores saldos estão justamente nas unidades da Federação campeãs de exportações de soja ou que são ricos em minério de ferro e petróleo. O levantamento foi feito pelo Poder360 a partir dos dados fechados do comércio exterior brasileiro de 2023, divulgados pelo MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços).

A soja foi o principal item vendido pelo exterior em 11 unidades da Federação. O grão respondeu por 16% de todo o valor comercializado pelo Brasil, com US$ 53,2 bilhões em vendas e 101,8 milhões de toneladas exportadas. E o maior volume veio do Mato Grosso, que teve o maior saldo da balança comercial.

O Estado do Centro-Oeste exportou em 2o23:

US$ 14,9 bilhões em soja – o que equivale a 28% do total nacional; US$ 7 bilhões em milho; US$ 3,9 bilhões em farelo e alimentos de animais; US$ 2,1 bilhões em carnes; US$ 1,9 bilhão em algodão. Somados, apenas esses produtos representaram 90% das exportações do Estado. As importações por outro lado, totalizaram US$ 3,2 bilhões, dominadas por adubos e fertilizantes. Sendo assim, o Mato Grosso teve superavit de US$ 28,7 bilhões –, o que equivale a 29% do saldo total do país no ano.

No 2º e 3º lugar de maiores saldos estão Minas Gerais e Espírito Santo, cujo principal item de exportação em ambos é o minério de ferro. A Vale tem grandes minas nos 2 Estados e ampliou as vendas para o mercado chinês em 2023.

Em 4º está o Rio de Janeiro, que tem como maior produto exportado o petróleo bruto. O litoral do Estado conta com vários grandes campos, sobretudo no pré-sal. A região responde sozinha por 84% das reservas nacionais.

COMMODITIES LIDERAM Em 25 das 27 unidades da Federação, os produtos mais exportados foram commodities. As mercadorias agrícolas lideraram com folga. Campeã absoluta das exportações nacionais, a soja foi o principal item vendido pelo exterior em 11 unidades da Federação.

O grão respondeu por 16% de todo o valor comercializado pelo Brasil, com R$ 53,2 bilhões em vendas e 101,8 milhões de toneladas exportadas. Para além da pujança do produto nos Estados do Centro-Oeste, a soja também é líder em partes do Sul, Norte e Nordeste.

Na lista dos produtos mais importados pelo Estados há ainda outras commodities agrícolas, como açúcar e carne de aves; e extrativistas, como petróleo bruto, minério de ferro e madeira.

Inicialmente, é importante explicar a definição global do conceito de commodities:

Commodity é uma palavra em inglês que é amplamente usada dessa forma em vários idiomas (no plural, usa-se commodities). Seu significado principal, em português, é “mercadoria”. No comércio internacional, o termo é usado para definir itens produzidos em larga escala, que podem ser estocados mantendo a qualidade e que servem como matéria-prima, com qualidade e características uniformes. Por exemplo, seja, milho, trigo, feijão, café, carnes, madeira ou minérios. Produtos com algum tipo de industrialização (como açúcar, suco de laranja, leite e combustíveis) também são considerados commodities porque seus preços são determinados pela demanda do mercado internacional.  Dessa forma, também são considerados commodities os óleos combustíveis, precificados pelo mercado internacional e que lideram as exportações na Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte, que contam com grandes refinarias de petróleo. É o mesmo caso do aço, líder em vendas para o exterior no Ceará e no Espírito Santo.

Há duas exceções. Uma delas é a Paraíba, que tem em 1º lugar a exportação de calçados. Mesmo não se enquadrando como commodity, trata-se de um produto de baixa tecnologia agregada e que somou apenas US$ 64,5 milhões em vendas. No Estado, os calçados representaram 34% das exportações, superando por uma mínima margem a venda de açúcar (33%).

No Amazonas, impulsionado pela Zona Franca de Manaus, a venda de itens classificados como “outros produtos comestíveis e preparações” somou 22% das transações. A nomenclatura abrange a fabricação de massas, biscoitos, chocolates, pratos prontos e molhos como ketchup e mostarda. Essas exportações totalizaram US$ 199 milhões, menos de 0,1% do total nacional.

Ao exportar basicamente commodity, o Brasil assim fica refém dos preços mundiais e da variável demanda externa. Por outro lado, a dependência da importação de vários produtos industrializados carrega o risco de possíveis rupturas na cadeia global, uma vez que o país não desenvolveu a produção interna de itens essenciais.

É o caso dos fertilizantes. Apesar do agro pujante, que bate recordes anuais e sustenta as exportações do país, o Brasil depende de adubo estrangeiro para a sua safra. O item liderou as importações de 7 Estados. Foram gastos US$ 14,6 bilhões para adquirir 40,9 milhões de toneladas de fertilizantes, que somaram 6,1% das compras nacionais no exterior.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Bolsonaro ofereceu apoio jurídico a jornalista português preso pela PF

Sérgio Tavares foi detido no aeroporto de Guarulhos neste domingo (25.fev) por problemas no...

Apoiadores atendem Bolsonaro e vão à Paulista sem faixas contra o STF

São Paulo — Os milhares de apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) que se aglomeram...

Movimentação aumenta e milhares se juntam na Avenida Paulista

Milhares de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) aguardam a chegada do político e...

Mais para você