InícioEditorialPolítica NacionalEx-agente diz que Robinho sofreu golpe: 'Não estuprou ninguém'

Ex-agente diz que Robinho sofreu golpe: ‘Não estuprou ninguém’

Wagner Ribeiro, ex-empresário de Robinho, afirma que o ex-jogador do Santos e da seleção brasileira foi vítima de um golpe no caso em que foi condenado pela Justiça italiana a nove anos de prisão pelo estupro de uma mulher albanesa. Ele afirma que a jovem pediu dinheiro ao atleta para não revelar o caso à imprensa.

“Eu acredito no Robinho, ele não estuprou ninguém. Eu frequentava a casa dos galácticos do Real Madrid e chovia mulher, o cara precisava estuprar alguma mulher? Se ela fosse uma mulher decente, pediria 1 milhão de euros para ele quando aconteceu algo naquela boate?”, disse o empresário, em entrevista ao podcast Reis da Resenha, da Jovem Pan.

Segundo investigações da Justiça da Itália, a jovem albanesa estava inconsciente no momento do ato. Wagner Ribeiro afirmou na entrevista que ela “estava lá para isso” e o que complicou a situação do jogador foram os áudios de Robinho conversando com o amigo Ricardo Falco, por telefone, interceptados pela investigação.

“Agora acontece que gravaram uma conversa entre homens depois que ele foi depor onde eles ficam rindo da situação e acham que não foi consensual. Acham que houve o estupro, mas é um absurdo essa condenação do Robinho”, comentou.

Durante a entrevista, Wagner Ribeiro afirmou que já conseguiu emprego para o jogador de 39 anos em três clubes diferentes, mas que o atleta não conseguiu firmar contrato por causa do escândalo. Ele afirmou ainda que a vítima “tomou todas” e que o caso “acabou com a carreira do Robinho”.

O empresário revelou que Robinho foi o jogador que mais lhe rendeu dinheiro em comissões. Nos negócios envolvendo Real Madrid e Manchester City, ao todo foram movimentados mais de 85 milhões de euros (cerca de R$ 450 milhões, na cotação atual).

Robinho entregou seu passaporte ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) no dia 29 de março, cumprindo a determinação do ministro e relator do caso, Francisco Falcão, que havia dado cinco dias para o atleta apresentar o seu documento. Anteriormente, o ministro rejeitou a solicitação da defesa do jogador para que o governo italiano apresente cópia integral e traduzida do processo.

O Ministério Público Federal requereu a constrição do passaporte de Robinho sob o argumento de que o jogador já foi condenado por “grave crime perpetrado no exterior” e que sua “capacidade econômica e social favorecem eventual evasão da jurisdição brasileira”. A execução de sentença estrangeira está prevista na Constituição Federal e é amparada pela Lei de Imigração. O STJ deu andamento ao processo no fim de fevereiro. Não há prazo estipulado para o caso ter uma conclusão.

Cabe lembrar que a defesa de Robinho não pode contestar o mérito da condenação proferida pela Justiça italiana, já que o STJ só examina aspectos formais do caso para reconhecer ou não a homologação da sentença no Brasil.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Mercado reage mal após Lula revisar meta de superavit

Economistas elevaram projeções do dólar e da Selic; moeda norte-americana chegou a R$ 5,28...

IBGE vende mapa com Brasil no centro do mundo. Saiba como comprá-lo

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vai começar a vender o mapa-múndi...

Mais para você