InícioEditorialNotíciasGoverno bloqueia R$ 2,9 bi e projeta rombo de R$ 9,3 bi...

Governo bloqueia R$ 2,9 bi e projeta rombo de R$ 9,3 bi em 2024

Dados foram divulgados pelo Ministério do Planejamento e Orçamento; meta fiscal para este ano é de deficit zero.

O governo bloqueou R$ 2,9 bilhões das despesas do Orçamento de 2024. O valor equivale a 0,14% do total de gastos sujeitos à limitação neste ano (R$ 2,089 trilhões).

É o 1º ano sob o novo marco fiscal, que prevê, dentre as regras, a limitação de gastos para cumprir a lei. Já havia a expectativa de que o bloqueio atingisse cerca de R$ 3 bilhões no início de 2024.

Os dados foram publicados no Relatório Bimestral de Receitas e Despesas. Ainda não houve detalhamento de quantos ministérios serão atingidos.

Já a projeção apresentada para as contas do governo federal é de rombo de R$ 9,3 bilhões, o que equivale a 0,1% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro. De acordo com o governo, houve uma piora de R$ 18,4 bilhões na estimativa para o resultado primário.

A projeção de deficit de só R$ 9,3 bilhões destoa do rombo esperado pelo mercado financeiro, de 0,75% em relação ao PIB (Produto Interno Bruto). A estimativa está no último Boletim Focus do Banco Central. Equivaleria a aproximadamente R$ 86 bilhões em valores nominais.

O marco fiscal define um intervalo de tolerância de 0GGovr,25 ponto percentual do PIB para o saldo primário anualmente. Mesmo com a meta de deficit zero, o governo poderá apresentar um rombo de R$ 28,8 bilhões para cumprir a lei.

RECEITAS

A receita primária total saiu de R$ 2,72 trilhões para R$ 2,69 trilhões –queda de R$ 31,5 bilhões. A redução se deu por estes fatores:

  • Receitas administradas pela Receita Federal – queda de R$ 17,7 bilhões;
  • Exploração de Recursos Naturais – recuo de R$ 14,5 bilhões;
  • Concessões e permissões – caíram R$ 12,8 bilhões;
  • Arrecadação com a Previdência Social – aumento de R$ 8,6 bilhões.

A receita líquida, por sua vez, saiu de R$ 2,192 trilhões para R$ 2,175 trilhões. Esse item é formado pela receita total menos as transferências obrigatórias a Estados e municípios.

Entre as estimativas de receita, está um crescimento de R$ 2,2 bilhões relacionado a dividendos e participações: saiu de R$ 41,4 bilhões para R$ 43,7 bilhões.

DESPESAS

As despesas obrigatórias totais passaram de R$ 2,182 trilhões para R$ 2,184 trilhões. Houve um aumento de R$ 1,6 bilhão, que se deu em razão de duas variações:

  • Despesas obrigatórias – alta de R$ 6,1 bilhões;
  • Gastos discricionários – queda de R$ 4,5 bilhões.

As despesas obrigatórias foram de R$ 1,974 trilhão para R$ 1,980 trilhão. Os gastos com a Previdência Social subiram R$ 5,6 bilhões: passaram de R$ 908,7 bilhões para R$ 914,4 bilhões.

Já as discricionárias foram de R$ 208,9 bilhões para R$ 204,4 bilhões. Essa parte é a que o governo pode contingenciar.

O secretário de Orçamento Federal, Paulo Bijos, reforçou que não há um congelamento neste momento porque o governo ainda está dentro do limite de gastos (R$ 28,8 bilhões) para 2024. O contingenciamento se dará caso ultrapasse o valor permitido.

Bijos falou sobre o assunto a jornalistas. Além dele, a secretária adjunta do Tesouro Nacional, Viviane Varga, participou da entrevista. Com precatórios, os gastos subiram de R$ 27,5 bilhões para R$ 35,3 bilhões – representa uma elevação de R$ 7,8 bilhões.

PARÂMETROS MACROECONÔMICOS

Alguns parâmetros também foram apresentados. Eis os destaques:

  • Selic acumulada – saiu de 9,8% para 9,6%;
  • Dólar médio – passou de R$ 5,03 para R$ 4,94;
  • Barril do petróleo – saiu de US$82,34 para US$ 80,70;
  • PIB real – saiu de 2,19% para 2,22%;
  • PIB nominal – saiu de R$ 11,386 tri para R$ 11,541 tri; IPCA acumulado – saiu de 3,55% para 3,50%

Por | Poder 360

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Sarney reúne do governo à oposição para comemorar 94 anos

Ex-presidente recebeu convidados em sua casa para festa de aniversário em Brasília e mostrou...

Cartões de confirmação do CNU, com locais de prova, saem nesta quinta

O governo federal disponibiliza, a partir das 10h desta quinta-feira (25/4), o cartão de...

Apostas em corte de 0,25 ponto percentual da Selic batem novo recorde

As apostas dos investidores num corte de 0,25 ponto percentual da taxa básica de...

Mais para você