InícioEditorialEntretenimentoLimpeza intestinal faz bem? Especialistas explicam riscos

Limpeza intestinal faz bem? Especialistas explicam riscos

Viralizou na web um vídeo da ex-BBB Adriana Sant’Anna realizando um processo de limpeza intestinal. Ela disse que recorreu à técnica para desinchar e se livrar de um mal-estar gástrico. No caso de Adriana, a limpeza foi realizada com uma máquina que introduzia água de maneira contínua no reto.

Este não é o único caso de famosas que recorrem à prática da limpeza intestinal para perder peso. Em setembro, a cantora Gaby Amarantos também ganhou os holofotes ao revelar que incluiu a técnica em sua estratégia de emagrecimento.

Gaby Amarantos disse em setembro que inclui a prática de limpeza intestinal no seu processo de emagrecimento A lavagem intestinal é um procedimento médico feito como parte do tratamento de pessoas com problemas para evacuar. No entanto, a técnica vem ganhando fama como sendo capaz de induzir a perda de peso, a apresentadora Lívia Andrade e a cantora americana Katy Perry já contaram ter recorrido à técnica em entrevistas.

Mesmo nos casos com indicação médica, a prática deve ser esporádica, usada apenas quando há um intenso ressecamento das fezes. Especialistas explicam que não há comprovação dos benefícios para a perda de peso e que o uso contínuo pode ser prejudicial à saúde.

Durante a limpeza intestinal, água morna ou um preparo líquido é injetado no ânus para incentivar os movimentos instestinais e propiciar a evacuação.

O risco de fazer limpeza intestinal Segundo o gastroenterologista Bernardo Martins, do Hospital Santa Lúcia, em Brasília, não há comprovação científica sobre os resultados desintoxicantes da lavagem em quem não tem recomendação médica. Martins acrescenta que já tratou pacientes com complicações causadas pelo procedimento.

“Já recebi uma paciente com a mucosa do reto queimada após realizar esse tipo de intervenção com líquidos em alta temperatura”, relata. Ele ressalta que o tratamento sem prescrição médica e com alta frequência pode alterar a microbiota do final do intestino e facilitar o aparecimento de feridas e inflamações.

Além desses riscos, a inserção de grandes volumes de líquido no ânus pode forçar as paredes do intestino. A Revista Brasileira de Coloproctologia já relatou casos de pessoas que sofreram perfurações do órgão ao fazer chuca em 2006 e em 2010.

Além de arriscado, não emagrece O nutricionista Antonio Vígolo, de Brasília, alerta que a prática promete um emagrecimento irreal. “É só mais uma das modas de emagrecimento, que não podem ser sustentados a longo prazo”, aponta ele.

“A pessoa ainda corre o risco de passar por uma hipovitaminose, já que estamos retirando os alimentos do corpo de forma artificial sem eles serem totalmente processados”, explica.

Siga a editoria de Saúde do Metrópoles no Instagram e fique por dentro de tudo sobre o assunto!

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Alvo de Aras, jornalista tenta tirar vice do ex-PGR de ação no STF

O jornalista André Barrocal, alvo de uma ação movida pelo ex-procurador-geral da República Augusto...

STF retoma julgamento sobre atendimento de pessoas trans no SUS

Ação protocolada pelo PT defende que grupo tenha acesso assegurado aos serviços públicos de...

Silvio de Almeida é aplaudido em culto evangélico ao falar de aborto

São Paulo — O ministro de Direitos Humanos, Silvio Almeida, participou, na noite dessa...

Renascer: abandonada por Rachid, dona Patroa tem virada inédita

Reprodução/Globo 1 de 1 Foto colorida de Dona Patroa (Camila Morgado), em Renascer -...

Mais para você