InícioEntretenimentoCelebridadeLojistas usam escolta para proteger produtos clandestinos de bandidos

Lojistas usam escolta para proteger produtos clandestinos de bandidos

São Paulo — Carrinhos de mão com escolta e motoboys que contam com a cobertura de parceiros são algumas das estratégias usadas por quem vende ou compra mercadoria na região da Rua 25 de Março, em São Paulo. Parte dos produtos comercializados em galerias vêm de depósitos clandestinos, sem nota fiscal, e, se roubados, são irrecuperáveis, ao menos do ponto de vista legal.

A cena é comum, principalmente na Rua Barão de Duprat. Um carregador empurra um carrinho de mão e, logo atrás, alguém acompanha a mercadoria, caminhando rapidamente. Em alguns casos, o segurança traz escrito “escolta” na camisa, deixando bem clara qual a sua função. Mas também há quem atue à paisana.

25deMarço03

Bases da PM na esquina entre as ruas 25 de Março e Carlos de Souza Nazaré, no centro de SP William Cardoso/Metrópooles

25deMarço04

Movimentação na Rua Barão de Duprat, na região da 25 de Março, em São Paulo William Cardoso/Metrópooles

25deMarço05

Carrinho é escoltado por segurança na Rua Barão de Duprat, na região da 25 de Março, em São Paulo William Cardoso/Metrópooles

25deMarço02

PMs caminham pela região da 25 de Março, em São Paulo William Cardoso/Metrópooles

25deMarço11

Região da 25 de Março, em São Paulo, durante o início da noite William Cardoso/Metrópooles

25deMarço10

PMs caminham pela região da 25 de Março, em São Paulo William Cardoso/Metrópooles

25deMarço09

Pessoas pela Ladeira Porto Geral, na região da Rua 25 de Março, no centro de São Paulo William Cardoso/Metrópooles

25deMarço08

Pessoas pela Ladeira Porto Geral, na região da Rua 25 de Março, no centro de São Paulo William Cardoso/Metrópooles

25deMarço07

Viatura da PM na Rua 25 de Março, em São Paulo William Cardoso/Metrópooles

25deMarço06

Motos estacionadas em bolsão entre a Rua Carlos de Souza Nazaré e Avenida Senador Queirós, na região da 25 de Março, em São Paulo William Cardoso/Metrópooles

Em uma conversa informal, um dos prestadores de serviço de escolta afirmou que recebe em torno de R$ 2.000 por mês para trabalhar no local. Quem paga a ele é quem faz a intermediação do negócio, não o lojista.

A reportagem também apurou que o telefone de um dos serviços de escolta é relacionado a um cabo da PM, de 44 anos, morador de Guarulhos, na Grande São Paulo. A reportagem tentou contato na última sexta-feira (1º/12), mas ele não foi localizado. A prestação de serviço de segurança privada é vedada aos policiais.

“Eles vêm em três, dois e, quando você vai ver, já perdeu e não dá tempo nem de pegar um pelo menos”, afirma um motoboy de 26 anos, que costuma receber mensagens de colegas de profissão sobre a ação de criminosos.

Os motoboys são responsáveis por grande parte da entrega de aparelhos eletrônicos comprados pela internet, como celulares, e que, muitas vezes, estão nas mãos de quem controla os depósitos de produtos sem nota. Em alguns casos, só o vendedor e o comprador sabem o que vai ser transportado. Daí a desconfiança dos entregadores em relação aos comerciantes, quando são abordados pelos ladrões.

“Agora, no fim do ano, é o que mais tem. Se puder, tem que vir em mais de uma pessoa para se precaver. Nunca sozinho e com valor alto”, diz.

Preocupação Diretor da associação de lojistas da 25 de Março (Univinco), Marcelo Mouawad afirma que a ação de quadrilhas não é ao acaso e que os criminosos têm foco bem definido, atrás justamente de quem trabalha à margem da lei.

“São somas grandes. Não são coisas acidentais, aleatórias, ‘vou bater essa carteira e ver se tem R$ 100’. É coisa para tentar pegar R$ 5.000, R$ 10.000, carga ou dinheiro. É uma batalha, uma guerra nos bastidores”, afirma.

O diretor da Univinco diz que esses casos não são tão concentrados nos clientes que compram no varejo. “É muito mais em pessoas que estão operando no atacado, muito dinheiro sendo transportado”, afirma.

Segundo Mouawad, as pessoas muitas vezes têm depósitos clandestinos e, por esse motivo, não usam conta corrente e nem o sistema bancário nas transações. “Tem gente com dinheiro na mão e os olheiros estão por ali”, diz.

O diretor da Univinco diz que, nos últimos dois meses, muitos integrantes das quadrilhas que atuam na região foram presos, principalmente aqueles próximos à Galeria Pagé e ao Shopping Mundo Oriental. “Mas eles conseguem repor esses olheiros”, afirma.

De acordo com Mouawad, há uma subnotificação desse tipo de crime, o que dificulta inclusive a obtenção de recursos para combater os assaltos. “Vejo que existe, mas não tem boletim de ocorrência. A maior parte desse dinheiro é clandestina, de um depósito clandestino, de uma importação sem nota, não de um lojista que é associado à Univinco, de quem está mostrando a cara”, afirma.

Segundo o diretor da Univinco, muitos estrangeiros, mesmo em situação legal no país, não procuram as delegacias para relatar os crimes.

Nessa situação, eles recorrem às escoltas particulares. “Eles ficam dependentes disso, porque precisam de alguém de confiança”.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Valdemar retira assassino de Chico Mendes do comando do PL no Pará

Darci Alves, atualmente conhecido como Pastor Daniel, cometeu o crime em 1988; tinha tomado...

Thaís Fersoza é detonada por esposa do ex-BBB Maycon: “Humilhou”

Franciane de Souza, mulher do ex-BBB Maycon Cosmer, desabafou sobre a diferença de tratamento...

Reforma tributária: relator cita preocupação com calendário eleitoral

O deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), relator da reforma tributária na Câmara dos Deputados,...

PF deflagra operação contra grupo que usava empresas ‘fantasmas’ para tráfico de drogas

A Polícia Federal e o GAECO/MPMT deflagraram na manhã desta quarta-feira, 28, a Operação...

Mais para você