InícioNotíciasPolíticaMarielle: PGR pede confisco de bens e indenização contra investigados

Marielle: PGR pede confisco de bens e indenização contra investigados

A Procuradoria-Geral da Republica (PGR) pediu o confisco de bens dos envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes para “assegurar a reparação de danos aos familiares”, correpondente ao valor de R$ 3 milhões por vítima.

O pedido de indenização também inclui Fernanda Chaves, ex-assessora de Marielle, que estava no veículo da parlamentar no dia do atentado, em 14 de março de 2018, no Rio de Janeiro. No total, os suspeitos terão de desembolsar R$ 9 milhões para cada uma das vítimas ou familiares.

marielle

Marielle foi morta em março de 2018 Reprodução

Marielle Rivaldo Barbosa e familiares de Marielle em reunião

Rivaldo Barbosa com os pais de Marielle, e Freixo Tânia Rêgo/Agência Brasil

Rivaldo Barbosa e familiares de Marielle em reunião

Delegado prometia solucionar o assassinato de Marielle e de Anderson Gomes Tânia Rêgo/Agência Brasil

ARQUIVO Marielle – O chefe de Polícia Civil do Rio, Rivaldo Barbosa, em entrevista sobre o assassinato de Marielle Franco. Ao lado, o deputado Marcelo Freixo, de quem a vereadora foi assessora parlamentar

Ao saber do assassinato de Marielle, Freixo acionou o então chefe de polícia, Rivaldo Barbosa Tomaz Silva/Agência Brasil

presoscasomarielle

Chegada de presos ao DF Breno Esaki/Metrópoles

De acordo com o parecer da PGR, enviado ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, a medida deve ser aplicada a Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE); ao irmão dele, o deputado federal Chiquinho Brazão; aos delegados Rivaldo Barbosa de Araújo Júnior e Giniton Lages; ao comissário de Polícia Civil Marco Antonio de Barros Pinto (Marquinho DH); e à advogada Erika Andrade de Almeida Araújo, mulher de Rivaldo.

Os investigados

No relatório entregue à Justiça pela Polícia Federal, os irmãos Brazão são apontados como mandantes do duplo homicídio e da tentativa de assassinato. Rivaldo Barbosa, à época chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, seria quem planejou a execução do crime, além de garantir a proteção dos supostos mandantes com a não elucidação do caso.

Giniton Lages, nomeado por Rivaldo para chefiar a investigação do assassinato, teria desviado o curso das apurações para proteger os investigados. Marco Antonio de Barros, conhecido como Marquinho DH, era subordinado de Lages. Ele também aparece como acusado de obstruir a apuração do caso.

A advogada e mulher de Rivaldo, Erika Andrade, é suspeita de ter lavado dinheiro para o marido, sobretudo de recursos ligados à investigação.

“Embora Erika não seja investigada por atuar no homicídio ou na obstrução das investigações, seu patrimônio também deve ser atingido, considerando os robustos elementos de confusão patrimonial entre ela e Rivaldo Barbosa”, diz a PGR no parecer.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Morte do cão Joca: Gol deve dar explicações ao Ministério da Justiça

São Paulo — A Gol Linhas Aéreas deve prestar esclarecimentos, ainda nesta quinta-feira (25/4),...

Petrobras elege novo conselho e decide sobre dividendos nesta 5ª

Governo Lula fez 8 indicações, mas deve seguir com as 6 cadeiras atuais, como...

Definição sobre multas da Lava Jato vai ao STF com falta de acordo entre governo e empreiteiras

Foto: Rosinei Coutinho/Arquivo/SCO/STF André Mendonça 25 de abril de 2024 | 06:29 O...

Carluxo e os veganos

Igo Estrela/Metrópoles 1 de 1 PF Carlos Bolsonaro ...

Mais para você