InícioEditorialPolítica NacionalMauro Cid afirma que "pisou na bola" sobre áudios vazados

Mauro Cid afirma que “pisou na bola” sobre áudios vazados

Em gravações, o tenente-coronel diz que foi “coagido” a delatar Bolsonaro e critica Moraes por, segundo ele, ter “poderes absolutos”

Os áudios foram peças-chave para a 2ª prisão do ex-ajudante de Bolsonaro, em março deste ano. Mauro Cid (foto) foi solto nesta 6ª feira (3.mai) Sérgio Lima/Poder360 24.ago.2023

Caio Vinícius Luísa Carvalho 3.mai.2024 (sexta-feira) – 21h00

O ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), tenente-coronel Mauro Cid, considera que “pisou na bola” em relação aos áudios vazados em que afirma ter sido coagido a delatar seu ex-chefe. É o que disse ao Poder360 o advogado Cezar Bittencourt nesta 6ª feira (3.mai.2024). Na gravação, o militar também critica o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), que, segundo ele, teria “poderes absolutos”.

Os áudios foram peças-chave para a 2ª prisão do ex-ajudante de Bolsonaro, em março deste ano. Cid foi detido depois de depor no STF sobre as gravações. Ele foi solto nesta 6ª feira (3.mai). Foi preso por descumprimento de medidas cautelares e obstrução à Justiça.

A defesa de Cid também afirma que o militar saiu da lista de promoções do Exército a pedido próprio. Segundo o advogado, o tenente-coronel quer estar apto para a promoção só depois de finalizadas as investigações da PF (Polícia Federal).

MORAES LIBERA CID Depois de quase 2 meses preso, o tenente-coronel deixou a prisão nesta 6ª feira (3.mai). Sua liberdade provisória foi concedida por Moraes.

Antes, ficou detido de maio a setembro de 2023 por fraudar cartão de vacinação. Das duas vezes, foi preso no Batalhão de Polícia do Exército de Brasília.

Na decisão desta 6ª feira (3.mai), Moraes também manteve integralmente o conteúdo da delação premiada de Mauro Cid. Ele também determinou que as seguintes medidas cautelares contra o militar:

uso de tornozeleira eletrônica; limitação para sair de casa aos finais de semana e à noite; afastamento das funções no Exército; apresentação em 48 horas à comarca de origem e, posteriormente, de forma semanal às segundas-feiras; proibição de sair do país e entrega do passaporte em 5 dias; suspensão de porte de arma e de registro CAC (Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador); proibição de uso das redes sociais; proibição de se comunicar com demais investigados no caso, com exceção para a mulher, seu pai e sua filha.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Ninguém cruza a linha sem pagar o preço, diz China sobre Taiwan

Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores apela aos EUA para refletir “profundamente” sobre seu...

Lira indica data para anunciar seu candidato a presidente da Câmara

IGO ESTRELA/METRÓPOLES @igoestrela 1 de 1 imagem colorida mostra arthur lira - Metrópoles...

Presidente da Petrobras diz que ainda vai avaliar dividendos

Em fala a jornalistas, Magda Chambriard despista sobre distribuição dos proventos, mas garante que...

MPRJ perto de denunciar (ou livrar) Carlos Bolsonaro por rachadinha

A investigação da suposta rachadinha no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro chegou à reta...

Mais para você