InícioNotíciasPolíticaMoro: envolvimento em desvio de dinheiro da Lava Jato é “mera ficção”

Moro: envolvimento em desvio de dinheiro da Lava Jato é “mera ficção”

Apesar de ainda não ter sido julgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por sua atuação na Operação Lava Jato em sessão nesta terça-feira (16/4), o ex-juiz Sérgio Moro (União Brasil-PR) afirmou, por meio de nota enviada ao Metrópoles, que “não tem qualquer amparo em fato ou prova, sendo mera ficção” o seu envolvimento no desvio de recursos provenientes de acordos de leniência entre a Petrobras e as autoridades norte-americanas.

Em setembro do ano passado, o corregedor Nacional de Justiça, ministro Luis Felipe Salomão, apontou em relatório parcial que Moro e sua substituta, a juíza Gabriela Hardt, investigados por atuação irregular quando eram titulares na 13ª Vara Federal de Curitiba, haviam realizado “gestão caótica” dos recursos concebidos por meio de acordos de delação premiada e leniência no âmbito da operação.

O relatório do ministro Salomão afirma, ainda, que houve falta de “dever de cautela, de transparência, de imparcialidade e de prudência de magistrados”. O texto diz ter sido encontrada uma série de indícios de infrações disciplinares dos magistrados que atuaram nos processos da Operação Lava Jato. O relatório final da investigação, que ainda será submetido ao plenário do CNJ nesta terça, cita supostas infrações na destinação de valores bilionários dos acordos realizados pela Petrobras e por empreiteiras como a Odebrecht.

De acordo com a nota divulgada pelo ex-juiz, os valores citados pelo relatório da Corregedoria do CNJ, resgatados durante a Operação Lava Jato pela 13ª Vara de Curitiba, foram devolvidos à Petrobras “sem que nenhum centavo tenha sido desviado”.

“O fato objetivo descrito no relatório provisório da Corregedoria do CNJ, ainda pendente de aprovação, é que foram devolvidos diretamente de contas judiciais da 13ª Vara de Curitiba para a Petrobras, vítima inequívoca dos crimes apurados na Operação Lava Jato, cerca de R$ 2,2 bilhões, sem que nenhum centavo tenha sido desviado.” De acordo com ele, “idêntico procedimento foi adotado pelo Superior Tribunal Federal (STF) à época”, escreveu Moro.

Ao Metrópoles, Sergio Moro ainda afirmou que deixou a 13ª Vara em outubro de 2018, “antes da constituição da fundação cogitada para receber valores do acordo entre a Petrobras e autoridades norte-americanas” e que “jamais participou da discussão ou consulta a respeito dela”.

O Conselho Nacional de Justiça vai analisar, na sessão desta terça-feira, possíveis sanções administrativas contra Moro e Hardt.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Durante tensão diplomática, Milei diz que viajará à Espanha

Presidente da Argentina pretende ir ao país europeu em 21 de junho para receber...

Vídeo: após TSE rejeitar cassação, Moro diz que julgamento foi técnico

VINÍCIUS SCHMIDT/METRÓPOLES 1 de 1 Imagem colorida do Senador Sérgio Moro (União-PR) deixa gabinete...

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

A desburocratização do acesso aos quatro principais fundos internacionais voltados para o financiamento de...

Companhias aéreas anunciam voos em Canoas como alternativa a Porto Alegre

As companhias aéreas Azul e Latam anunciaram a oferta de voos com origem ou...

Mais para você