InícioEditorialPolítica NacionalNão há decisão sobre dividendos extraordinários, diz Petrobras

Não há decisão sobre dividendos extraordinários, diz Petrobras

Estatal diz que o Conselho de Administração sugere destinar lucro de R$ 43,9 bilhões para a reserva de remuneração de capital

Segundo apurou o Poder360, o governo federal ainda estuda uma modelagem para pagar os dividendos extraordinários, mas, por ora, não há um valor de consenso colocado sobre a mesa; na imagem, sede da Petrobras Sérgio Lima/Poder360

PODER360 4.abr.2024 (quinta-feira) – 20h43

A Petrobras voltou a dizer em nota nesta 5ª feira (4.abr.2024) que ainda não há decisão definitiva sobre a destinação do pagamento do valor dos dividendos extraordinários. Eis a íntegra do comunicado (PDF – 78 kB).

Segundo a estatal, o Conselho de Administração sugere destinar o lucro referente ao exercício de 2023, de R$ 43,9 bilhões, para a reserva do remuneração de capital. 

“O CA (Conselho de Administração) da Petrobras propôs à Assembleia Geral Ordinária que o valor de R$ 43,9 bilhões referente ao lucro remanescente do exercício de 2023 seja integralmente destinado para a reserva de remuneração do capital“, afirma a nota.

Segundo apurou o Poder360, o governo federal ainda estuda uma modelagem para pagar os dividendos extraordinários. O valor tinha sido prometido pelo atual presidente da empresa, Jean Paul Prates, mas não foi realizado.

Em reunião na tarde desta 5ª feira (4.abr), o tema foi debatido por 3 ministros: Fernando Haddad (Fazenda), Rui Costa (Casa Civil) e Alexandre Silveira (Minas e Energia). A ideia de efetuar o pagamento evoluiu. Mas não houve consenso quanto ao valor final.

Haddad defende o pagamento integral. Há ao menos duas razões para isso:

a União é o principal acionista e receberia R$ 12 bilhões; e diminuiria o ruído com o mercado. Do outro lado, Rui e Silveira têm o entendimento de que seria necessário repensar o valor total. Eles querem que parte desse montante seja mantido com a estatal para ser reutilizado como parte do plano de investimentos.

Por ora, não há um valor de consenso colocado sobre a mesa.

No comunicado, a Petrobras afirma que a competência para aprovar a destinação do resultado, incluindo o pagamento de dividendos, é da Assembleia Geral de Acionistas. A próxima reunião será realizada em 25 de abril. 

Prates fora É dado como certo em partes do governo que Prates deixará o comando da maior estatal do país. Corre no governo um documento com 11 itens listando os atritos que ele teria criado com as suas decisões entre ministros e caciques petistas. Eis o que diz a lista:

foi contra a Petrobras ser autossuficiente em refino; foi contra a Petrobras investir em fertilizantes e petroquímica; tentou extinguir a área de SMS (Segurança, Saúde e Meio Ambiente) da companhia, tradicionalmente ligada à FUP (Federação Única dos Petroleiros); tentou pagar 50% do fluxo de caixa livre dos dividendos ordinários, contrariando a orientação do governo de pagar 45%; tentou forçar a compra de eólicas offshore prontas da Escócia, mesmo sem marco legal estabelecido; ignorou a planta de fertilizantes em Três Lagoas (MS), que tinham o apoio dos ministros Geraldo Alckmin (Indústria e Comércio) e Simone Tebet (Planejamento); atrapalhou a retomada de fertilizantes da planta da Ansa (Araucária Nitrogenados SA), no Paraná, que tinha o apoio da presidente do PT, Gleisi Hoffman (PR); não alterou a política de reinjeção do gás e mantém o preço do produto acima da média internacional, atrapalhando o plano de reindustrialização de Alckmin e o funcionamento da planta da Unigel na Bahia, apoiada por Rui Costa, parada em função do preço; não apresentou plano consistente para retomada da indústria naval e para investimentos em conteúdo local; se absteve na questão dos dividendos extraordinários, contrariando a decisão do governo e da área de risco da Petrobras; Manteve bolsonaristas em cargos estratégicos da companhia, em especial na área de transição energética. Hoje, a demissão de Jean Paul Prates da presidência da Petrobras é dada como certa dentro do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A expectativa de governistas é de que o presidente se reúna com o CEO da estatal e comunique a decisão nos próximos dias.

A queda de Prates é considerada tão certeira na Esplanada que parte do governo já se movimenta para emplacar o presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Aloizio Mercadante, no cargo.

Uma 1ª sondagem foi feita pelo Executivo. A resposta foi negativa, por enquanto, sob a justificativa de que Prates continua no cargo e não seria de bom-tom aceitar a vaga enquanto a cadeira continua ocupada. Ele e Prates têm uma boa relação.

A situação de Prates no comando da estatal de petróleo é vista como insustentável. O atual presidente da Petrobras pediu uma reunião com Lula para discutir a situação. Ainda não há uma data definida para o encontro.

De acordo com apuração do Poder360, Prates está insatisfeito com a falta de apoio de Lula contra os ataques que tem recebido de integrantes do governo, sobretudo do ministro de Minas e Energia. Ameaça pedir demissão caso não tenha um respaldo maior do Planalto.

O CEO tem dito a aliados que está no seu limite. Quer que o petista intermedeie a situação em seu favor. Do lado do Planalto, esse apoio parece improvável e ninguém aposta que o atual presidente da Petrobras siga na cadeira até o final do mandato de Lula, em dezembro de 2026.

FRITADO Prates tem passado por uma “fritura” de setores do governo que o querem fora do cargo. Desde o ano passado, Silveira e Rui Costa (Casa Civil) têm feito críticas à sua gestão. Lula não interveio publicamente. O silêncio do petista, em certa medida, é lido como um apoio tácito a Costa e a Silveira. 

Prates e o ministro de Minas e Energia já protagonizaram uma série de embates desde o ano passado. No começo, as disputas se concentravam em aspectos técnicos, como a reinjeção de gás natural nos poços de petróleo da estatal, mas o tratamento entre as partes ficou mais ríspido com o passar do tempo.

O episódio mais crítico se deu no mês passado, quando os representantes do governo no Conselho de Administração da Petrobras vetaram a distribuição de dividendos extraordinários por orientação de Silveira e Rui Costa. 

Na ocasião, Prates se absteve da votação e tentou costurar uma distribuição dos dividendos. Saiu derrotado e desautorizado por Lula. A atitude foi vista como uma falta de comprometimento do Executivo com o direcionamento que o governo quer dar à Petrobras.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo na 4ª feira (3.abr), Silveira minimizou a disputa com Prates. O ministro disse que as disputas entre o Ministério de Minas e Energia com o presidente da Petrobras são “naturais” em todos os governos e que, apesar de respeitar Prates, jamais abrirá mão de sua autoridade sobre o setor energético brasileiro.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Ninguém cruza a linha sem pagar o preço, diz China sobre Taiwan

Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores apela aos EUA para refletir “profundamente” sobre seu...

Lira indica data para anunciar seu candidato a presidente da Câmara

IGO ESTRELA/METRÓPOLES @igoestrela 1 de 1 imagem colorida mostra arthur lira - Metrópoles...

Presidente da Petrobras diz que ainda vai avaliar dividendos

Em fala a jornalistas, Magda Chambriard despista sobre distribuição dos proventos, mas garante que...

MPRJ perto de denunciar (ou livrar) Carlos Bolsonaro por rachadinha

A investigação da suposta rachadinha no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro chegou à reta...

Mais para você