InícioEditorialPolítica NacionalNovas informações podem surgir sobre caso Marielle, diz Freixo

Novas informações podem surgir sobre caso Marielle, diz Freixo

Segundo ele, as prisões realizadas no domingo (24.mar) destamparam “um tampão de bueiro”

O presidente da Embratur, Marcelo Freixo, participou do programa “Sem Censura”, da “TV Brasil” Fernando Frazão/Agência Brasil – 25.mar.2024

PODER360 26.mar.2024 (terça-feira) – 3h43

Depois das prisões no domingo (24.mar.2024) dos irmãos Domingos Brazão, deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ) e do delegado Rivaldo Barbosa, apontados como mandantes do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, o presidente da Embratur, Marcelo Freixo, disse que “um tampão de bueiro” foi destampado. Para ele, novas informações poderão surgir.

“O caso da Marielle destampa um tampão de bueiro que sempre existiu no Rio de Janeiro e que muita gente não teve coragem de meter a mão lá dentro. Agora vai ter de meter”, disse Freixo na 2ª feira (25.mar) no programa “Sem Censura”, da TV Brasil. Ele era do Psol, mesmo partido de Marielle. Os 2 eram amigos e trabalharam juntos. 

Segundo Freixo, ao longo dos 6 anos posteriores ao crime, buscava-se resposta para 3 perguntas: quem matou, quem mandou matar e quem não deixou investigar. Essas perguntas foram respondidas, mas elas abrem espaço para novas, uma vez que os 3 presos têm cargos públicos. Domingos Brazão é conselheiro do TCE-RJ (Tribunal de Contas do Estado), Chiquinho Brazão (sem partido-RJ) é deputado federal e o delegado Rivaldo Barbosa era chefe da Polícia Civil à época do atentado contra Marielle Franco.

“Então, é evidente que abre nova pergunta sobre o que se faz com esse Rio de Janeiro”, disse Freixo, acrescentando que a operação que resultou na prisão dos 3 suspeitos também cumpriu mandados de busca e apreensão. 

“E nós tivemos diversos mandados de busca e apreensão, que vão poder colher material, que sem dúvida alguma vão trazer mais informação sobre o caso da Marielle e, possivelmente, sobre outros casos relacionados à questão do homicídio, da Delegacia de Homicídio, e a esses agentes que cometeram esse crime contra a Marielle. Então, por um lado, se responde às perguntas, por outro, novas coisas podem surgir”, declarou.

Para Freixo, falta vontade política para combater o crime organizado. “A gente pode ficar dias falando de problemas do Rio de Janeiro, mas se a gente não resolver a questão da segurança pública do Rio de Janeiro, se não meter a mão na cumbuca, que diz respeito a qual o papel da polícia, quem controla a polícia, como vai ser a formação da polícia, se não retomar territórios, não fizer um projeto para o Rio de Janeiro que mexa e dê centralidade à questão da segurança pública, como diz a boa gíria carioca, esquece”, disse.

O ex-deputado contou que, depois das prisões, recebeu diversas ligações de policiais e de funcionários do Tribunal de Contas para prestar apoio e dizer que são diferentes dos colegas presos. Freixo acredita que a mudança venha pela política e pelas instituições. “Temos de olhar para as instituições e perceber que tem pessoas extraordinárias e conseguir que essas pessoas falem pelas instituições, não acabar com elas”, afirmou

Alívio e choque A jornalista e ex-assessora de Marielle Franco, Fernanda Chaves, também participou do programa. Ela estava com Marielle no momento do crime e foi a única sobrevivente. Fernanda falou sobre o que sentiu quando recebeu as informações sobre as prisões. 

“É difícil nomear, mas foi muito chocante, muito impactante. Ao mesmo tempo que veio algum alívio, porque foram 6 anos de angústia, ver que, paralelamente, acontecia um movimento para atrapalhar a investigação. Na mesma medida, deu um choque muito grande quando se sabe do envolvimento das figuras que estão sendo apontadas na investigação como os pensantes, os que arquitetaram esse crime. É muito impactante e é, sobretudo, perturbador”, disse.

Ela descreveu o delegado Rivaldo Barbosa como uma pessoa acessível e do diálogo. “Revendo as coisas do passado, a gente começa a perceber o quanto isso é maquiavélico”, afirmou. “Isso é inacreditável, isso descortina muito a situação que o Rio de Janeiro se encontra hoje”, completou.

Com informações da Agência Brasil.

Leia mais: 

Psol pede que a PGR investigue Braga Netto por nomeação de Rivaldo Barbosa “Se culpado, terá que pagar”, diz Crivella sobre Chiquinho Brazão Prisões do caso Marielle são marco na repressão ao crime, diz Pacheco Saiba quem são os 3 presos por envolvimento no assassinato de Marielle Irmãos Brazão têm reduto eleitoral em área dominada por milícias no RJ Ficamos satisfeitos com os desdobramentos, diz ministro da CGU sobre caso Marielle Moraes afasta delegado e agente envolvidos no caso Marielle Lewandowski diz que investigação do caso Marielle será encerrada Temos certeza que ele é inocente, diz advogado de Domingos Brazão Câmara votará prisão de Chiquinho Brazão, envolvido no caso Marielle Moraes foi contra buscas no gabinete de Chiquinho Brazão na Câmara Irmãos Brazão colocaram Marielle como “obstáculo”, diz Lessa PF cita “Estado paralelo” em relatório sobre o caso Marielle Presos por morte de Marielle ficarão em presídios separados PGR diz que vai analisar informações do caso Marielle Irmãos Brazão tinham um miliciano infiltrado no Psol, diz Lessa

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Como Escolher o Óleo de Motor Adequado para o Seu Carro: Dicas e Recomendações

Quando se trata de manutenção do seu veículo, escolher o óleo de motor correto...

Política fiscal é um desastre e o marco é uma piada, diz Caiado

Governador de Goiás critica o novo marco fiscal e o governo por “querer ganhar...

Cármen Lúcia mantém decisão que condenou Deltan Dallagnol a indenizar Lula por PowerPoint

Foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputados O ex-procurador e deputado federal cassado Deltan Dallagnol 22...

Cuckold: Brasília é uma das cidades que mais tem “cornos”; entenda

A maioria das pessoas não gostaria de ser corno — até mesmo os solteiros...

Mais para você