InícioNotíciasPolíticaO poderoso chefão de um Congresso faminto por dinheiro público

O poderoso chefão de um Congresso faminto por dinheiro público

O Poder Legislativo, segundo o artigo 44 da Constituição Federal de 1988, é exercido pelo Congresso Nacional, que se compõe da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

Na Constituição, não existe a figura de presidente do Congresso, que possui apenas uma Mesa, composta, de forma alternada, por membros das Mesas do Senado e da Câmara.

Mas quando há sessões conjuntas do Senado (81 senadores, representantes dos Estados) e da Câmara (513 deputados, representantes do povo), quem as preside é o presidente do Senado.

O Poder Judiciário é constituído de diversos órgãos, com o Supremo Tribunal Federal (STF) no topo. O STF tem como função principal zelar pelo cumprimento da Constituição.

O chefe do Poder Executivo é o presidente da República. É ele, portanto, a autoridade máxima que manda no país. Os Três Poderes são independentes, mas devem atuar em harmonia.

No caso de impedimento do presidente da República e do vice, ou vacância dos respectivos cargos, serão sucessivamente chamados ao exercício da Presidência os presidentes da Câmara, Senado e STF.

O presidente do Senado parece mais importante do que o da Câmara, mas não é. O da Câmara é o terceiro na linha de sucessão do presidente da República, e o do Senado, o quarto.

Aqui, e até fevereiro de 2025 quando termina seu atual mandato como presidente da Câmara, é que entra a figura de Arthur Lira (PP-AL), eleito para o cargo com votação recorde.

Eu o vi passeando em uma praia alagoana na véspera da sessão que celebrou no Salão Negro do Senado o primeiro ano da tentativa fracassada do golpe bolsonarista de 8 de janeiro.

Foi uma sessão que reuniu as mais destacadas autoridades da República – à exceção de governadores bolsonaristas que se recusaram a lembrar o golpe, embora se digam democratas.

Pois Lira faltou. Disse que não compareceria porque enfrentava um problema de saúde; na sua família, é claro, já que estava bronzeado e em boa forma, como pude conferir.

Na última semana, ele faltou a mais duas cerimônias que atraíram a nata da República – a posse de Ricardo Lewandowski, ministro da Justiça, e a abertura do ano judiciário.

Tudo por quê? Porque Lira quer a devolução de 5,6 bilhões em emendas parlamentares de comissões ao Orçamento da União cortadas por Lula. E não se contenta apenas com isso.

Lira quer mais cargos no governo além dos que tem: a presidência da Caixa Econômica e dois ministérios. E a cabeça do ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Vai parar por aí? Não vai não. Lira quer ainda que Lula apoie o deputado que ele escolheu para sucedê-lo daqui a um ano – Elmar Nascimento (União-Brasil-BA), seu chapa.

Nunca desde a criação do Orçamento Secreto, que o STF julgou inconstitucional, mas que segue existindo, o Congresso teve tanto dinheiro para gastar como quiser.

Lula pode ter derrotado o bolsonarismo, mas não derrotou um Congresso ávido por dinheiro público para aplicação em obras nos redutos eleitorais de deputados e senadores.

Por meio de emendas, o Congresso controlará, este ano, 44,6 bilhões – 20% da parcela dos gastos livres do Orçamento. Nos Estados Unidos, a parcela dos congressistas é de 2,4%.

Informa o Globo que na França a parcela é de apenas 0,1%, e em Portugal de 0,5%. Ou restaura-se o presidencialismo no Brasil, ou entrega-se o governo ao Congresso.

O ônus de governar é do chefe do Poder Executivo – no caso, Lula; o bônus é do Poder Legislativo comandado por Lira e Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado.

É justo? Está certo?

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Lewandowski determina inspeções em penitenciárias federais

Ministério da Justiça diz que câmeras defeituosas devem ser substituídas e o efetivo de...

Pomba ou rola? Chico Pinheiro detona Silas Malafaia. Entenda!

Chico Pinheiro virou assunto nesta quarta-feira (21/2), depois de fazer uma publicação bastante polêmica...

TV Globo toma atitude após atraso no pagamento de figurantes

Depois da coluna Fábia Oliveira noticiar que figurantes da TV Globo estavam reclamando da...

Mais para você