InícioEditorialPolítica NacionalOEA critica inelegibilidade de opositora de Maduro

OEA critica inelegibilidade de opositora de Maduro

Organização disse que a Venezuela é uma ditadura; Suprema Corte proibiu María Corina de ocupar cargos públicos por 15 anos

Corina venceu em outubro de 2023 as eleições primárias da oposição para enfrentar Maduro no pleito presidencial deste ano, ainda sem data para ser realizado Reprodução/ X @MariaCorinaYA – 23.jun.2023

PODER360 28.jan.2024 (domingo) – 14h28

A OEA (Organização dos Estados Americanos) divulgou uma nota neste domingo (28.jan.2024) em que critica a exclusão de María Corina Machado, principal adversária política do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, das eleições deste ano.

A organização, ao chamar o país de “ditadura”, afirma que os acontecimentos recentes na Venezuela “deixam claro” que não havia, por parte do atual governo, a intenção de realizar eleições “limpas e transparentes“. Eis a íntegra da nota, em espanhol (PDF – 412 kB)

“A liderança de María Corina Machado é insubstituível, assim como toda liderança que surge das convicções e interesses do povo. Seria patético e repulsivo se alguém tentasse ocupar esse lugar, ignorando o indiscutível pronunciamento popular que ocorreu no país nas primárias”, diz a OEA.

A organização ainda classifica a inelegibilidade de Corina como uma “lógica ditatorial de perseguição e violação dos direitos políticos dos cidadãos [venezuelanos]”. No entanto, afirma que esse movimento era “previsível”, dado o “contexto” do regime na Venezuela.

“Nunca devemos acreditar que esta ditadura cumprirá acordos e compromissos assumidos, o mais recorrente sempre foi a sua violação”.

OPOSITORA INELEGÍVEL A Suprema Corte da Venezuela confirmou, na 6ª feira (26.jan.2024), a inelegibilidade de María Corina Machado, principal opositora de Nicolás Maduro. Ela ficou proibida de ocupar cargos públicos por 15 anos.

Corina venceu em outubro de 2023 as eleições primárias da oposição para enfrentar Maduro no pleito presidencial deste ano, ainda sem data para ser realizado.

O caso teve repercussão negativa e fez com que os Estados Unidos revisassem sua política de sanções contra o país sul-americano.

O porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Matthew Miller, disse que a decisão da Suprema Corte venezuelana “contradiz o compromisso assumido pelos representantes de Nicolás Maduro de organizar eleições presidenciais justas em 2024”.

Os EUA devem revisar a suspensão de sanções acordadas em outubro, quando o país norte-americano concordou em aliviar as punições comerciais o setor de petróleo da Venezuela em troca de eleições presidenciais livres e monitoradas internacionalmente em 2024.

Outros países sul-americanos também condenaram a decisão. É o caso do Equador, da Argentina, e do Uruguai. Esse último disse que observa com “grande preocupação” as “inabilitações judiciais” de opositores políticos, enquanto a Argentina lamentou a decisão de inelegibilidade de Corina.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Bolsonaro ofereceu apoio jurídico a jornalista português preso pela PF

Sérgio Tavares foi detido no aeroporto de Guarulhos neste domingo (25.fev) por problemas no...

Apoiadores atendem Bolsonaro e vão à Paulista sem faixas contra o STF

São Paulo — Os milhares de apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) que se aglomeram...

Movimentação aumenta e milhares se juntam na Avenida Paulista

Milhares de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) aguardam a chegada do político e...

Mais para você