InícioEntretenimentoCelebridadePagode romântico e sofrência tomam conta da Boca do Rio

Pagode romântico e sofrência tomam conta da Boca do Rio

O romantismo de Dilsinho e de Simone Mendes, que estreou a carreira solo em Salvador, encheu de amor a segunda noite do Festival da Virada Salvador, na Arena Daniela Mercury. Mas não se faz uma festa na Bahia apenas com sofrência. A ancestralidade dos Filhos de Gandhy também teve lugar, junto com apresentações de Rafa e Pipo, Alok, além de Xand Avião, Durval Lelys e Parangolé, com apresentações previstas para acontecer até o fim da madrugada de hoje. 

O pagode romântico fez festa na segunda noite do Festival da Virada Salvador, na Arena Daniela Mercury, na Boca do Rio, com a presença do cantor Dilsinho. Acompanhado pelo coro de fãs, o cantor fluminense começou o show cantando grandes hits, como Sogra, que gravou com a dupla Henrique e Juliano; Baby, Me Atende, uma parceria com Matheus Fernandes. 

A composição de Thales Lessa, Rafael Torres, Lari Ferreira e Diego Silveira, Libera Ela, que foi sucesso na voz da dupla Maiara e Maraísa, também esteve na lista das músicas apresentadas em Salvador. 

Muito à vontade com a plateia em Salvador, o cantor compositor brincou com as fãs, dizendo que, em 2023, convidaria todas para um jantar na própria casa. Descontraído, também falou sobre os planos e superstições para a virada do ano e apresentou algumas canções novas de trabalho.

Dilsinho mexeu ainda mais com as emoções do público quando desfilou um pot-pourri de pagodes antigos de grupos como Só Para Contrariar (Domingo) e Raça Negra (Somente Você), além de Mal Acostumado, cantado pela banda Ara Ketu. 

Durante uma rápida coletiva, o cantor disse que estará no Carnaval de Salvador em 2023. Ele fez questão de pontuar um desejo antigo. “Pode soar um tanto pretencioso, mas acalento o sonho de gravar com o mestre Gilberto Gil. Na verdade, acalentava dois grandes sonhos com nomes baianos: Ivete Sangalo, que já foi realizado, e Gil”, comentou. Ele ainda reafirmou que o amor pela Bahia vem de berço, afinal, parte da família é baiana e veio de Ilhéus.

Quarta atração da noite de ontem no Festival Virada Salvador, a cantora Simone Mendes embalou o público com sucessos da  dupla que formou por anos com a irmã Simária, como ‘Foi Pá Pum’, ‘Loka’, em parceria com Anitta, e ‘Meu Violão e O Nosso Cachorro’.

A baiana agradeceu o carinho do público, que puxou gritos com seu nome. “É uma facilidade estar aqui, lançando minha carreira solo pra vocês”, disse ela.

À flor da pele
Sem esconder a emoção de estar tão perto do ídolo, as irmãs cariocas Márcia e Ana Zanella saíram do Rio de Janeiro só para assistir ao show de Dilsinho. “Estou tremendo toda, é muito lindo, é um sonho realizado”, disse Ana. 

A estudante Priscila Souza, 22, chegou cedo à Arena para garantir um bom lugar e não perder nada do show. “Essa é a primeira vez que assisto um show dele e está sendo perfeito”, desabafou.

Apesar de estar pela primeira vez no festival, o ânimo e a entrega de Simone não foram novidade para o estudante Tiago Fernandes, de 17 anos. “[O show está] Perfeito. Simone, sempre, arrasando”, aprovou ele.

Antes da apresentação de Dilsinho, a dupla Rafa e Pipo Marques transformaram o início da noite numa prévia do carnaval soteropolitano, com os clássicos da folia baiana, além da nova música de trabalho ‘Bora Pro Motel’. 

Fartura e ancestralidade
A primeira atração do segundo dia da Virada ficou sob a responsabilidade do afoxé dos Filhos de Gandhy. No dia consagrado ao orixá Oxóssi, os membros da banda não pouparam reverência ao deus africano da caça e da fartura, pedindo bençãos para a festa e para o ano novo, que se aproxima. 

O sol ainda estava alto quando o ‘tapete branco da paz’ chamou os presentes para receberem todo o axé, através das canções clássicas e da cadência do ijexá, que consagrou banda e bloco de 76 anos, fundado por estivadores do Porto de Salvador, em fevereiro de 1949. 

O público presente pôde dançar e cantar hinos, como Filhos de Gandhy e Patuscada de Gandhy, ambas composições de Gilberto Gil, que é membro da agremiação. Os músicos também prestigiaram as canções do grupo Tincoãs, famosos nas décadas de 60 e 70, pela composição de músicas populares com sonoridade e letras marcadamente ligadas aos cultos afro brasileiros. 

A doméstica Jenilda Santos, 53, aproveitou o retorno da praia para curtir um pouquinho antes de retornar para casa. “Moro perto e ontem dei uma olhada de ora. Hoje, o caminho foi natural e caiu super bem. Show gostoso e a cara da Bahia”, avaliou.

O mestre de obras Ricardo Nunes, 44, também aproveitou o final do expediente para antecipar os festejos de fim de ano. “Ainda tá cedo, mas se os próximos shows tiverem esse astral, é garantia de que não chego em casa tão cedo”, brincou.

Pra tirar os pés do chão
Se Ivete Sangalo ‘levanta poeira’, o DJ Alok faz a galera tirar os pés do chão. Com hits como ‘Alive (It Feels Like)’, ‘Fuego’ e ‘Boa sorte’, de Vanessa da Mata, o artista goiano mostrou, nesta quinta-feira (29), que nem só de axé, pagode e sofrência é feito o Festival Virada Salvador.

A pirotecnia, marca registrada de Alok em suas apresentações, contribuiu para levar o público à loucura. O DJ buscou passar uma mensagem de conexão das pessoas entre si e com a natureza.

“O set que eu fiz na última vez em Salvador [em 2019] foi bem diferente do que eu vou fazer hoje. Eu me preparei bastante pra esse verão”, contou ele, já confirmado no próximo Carnaval.

Mãe e filha, Mariluce Menezes, 39 anos, e Maria Eduarda, 11, curtiram o show juntas, agarradas a uma das grades de proteção. “Eu amo! Alok é Alok”, disse Mariluce, que já tinha visto o DJ de perto antes. Já Maria Eduarda desfrutava a primeira experiência, que certamente ficará marcada na memória.

“Muito massa! O efeito sonoro [está] perfeito”, encantou-se a fã mirim, que já tinha realizado, na mesma noite, o sonho de ver a cantora Simone Mendes. “Agora, tá melhor que Simone”, brincou Maria Eduarda.

O autônomo Rafael Carvalho, 30, mal conseguia falar de tanto que pulava acompanhando as batidas do som. Segundo ele, aonde Alok vai, sua presença é garantida. “Eu amo esse cara. […] Ele tá estourado. Acaba com a Boca do Rio toda!”, exclamou Rafael.

Comerciantes comemoram retomada
A retomada do Festival Virada Salvador fez a alegria também de outro grupo, os comerciantes. O empresário Lucas Andrade, de 39 anos, estreia no evento com seu food truck, o Rota 99, em que são vendidos alimentos como hambúrgueres e pastéis. Para ele, que investiu aproximadamente R$ 10 mil em licença, material e funcionários, o primeiro dia já foi positivo: o food deixou a Arena Daniela Mercury, na Boca do Rio, com o estoque zerado.

“Se a gente chegar em duas vezes isso aí [R$ 10 mil], já tá com um lucro legal, porque nosso markup — valor do produto acima do custo para produzi-lo — terá ficado em 100%”, explicou Lucas.

Para atender a demanda, ele precisou contratar um terceiro colaborador. “A gente acredita no potencial da festa. Salvador está investindo muito nisto neste momento pós-pandemia”, disse ele, esperançoso.

Já a vendedora ambulante Angela Maria Gomes, 52, apesar de ter aprovado a movimentação na noite de abertura, acha que vá lucrar menos do que o que gostaria, diante do investimento feito, de R$ 3 mil. “Eu queria faturar 10 [mil], mas acredito que vou faturar uns 4 ou 5”, lamentou-se Angela, que atribui o fato ao grande número de ambulantes no local.

Uma convidada indesejada também está participando da festa, junto com o público, os artistas, a equipe de organização e os comerciantes. A inflação, que está dificultando a vida dos brasileiros no dia a dia pôde ser percebida na hora de fazer uma boquinha no festival. Para fazer um lanche com a esposa e o filho, o encarregado de linha viva Henrique Santos, 36, gastou mais de R$ 50 por dois pastéis, um hambúrguer, uma porção de batata frita e um refrigerante em lata. “Eu tô achando os preços um pouco acima do normal. Não sei se é por conta do festival”, sugeriu ele.

Insatisfeita, a advogada Cíntia Bispo, 40, pagou R$ 6 por uma lata de cerveja de 350 ml. “Tem que equilibrar o preço todo mundo conseguir comprar”, afirmou ela. O valor mais baixo encontrado pela reportagem foi R$ 5, mas, a depender da marca, pode chegar a R$ 8. Em alguns isopores, é possível comprar três unidades com desconto.

Segundo o prefeito Bruno Reis, o Festival Virada Salvador recebeu 200 mil pessoas em seu primeiro dia, o maior público numa quarta-feira do evento desde a primeira edição, em 2013. A Arena Daniela Mercury tem capacidade para receber até 300 mil.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Líderes europeus criticam imigração ilegal em evento em Madri

Premiê da Itália e a deputada francesa Marine Le Pen pediram fortalecimento das fronteiras...

Espanha exige desculpa de Milei por xingar esposa do primeiro-ministro

Tomas Cuesta/Getty Images 1 de 1 Foto colorida de Javier Milei, presidente da Argentina...

Paulo Pimenta expõe divergências com Eduardo Leite sobre as enchentes no RS

O ministro Paulo Pimenta, designado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para coordenar...

Estragos no RS não são motivo para “liberou geral”, diz Bruno Dantas

Presidente do TCU afirma ver no ministro da Fazenda, Fernando Haddad, um aliado para...

Mais para você