InícioEditorialPolítica NacionalPresidente da Apex quer US$ 1 trilhão em comércio exterior: ‘Brasil voltou...

Presidente da Apex quer US$ 1 trilhão em comércio exterior: ‘Brasil voltou ao palco internacional’

A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou neste mês dados que apresentam o Brasil como um dos países com o maior número de exportações no terceiro trimestre deste ano, dentre as principais economias do mundo. A colocação do país chamou atenção, tendo em vista que no mesmo período resultado global sofreu déficit de 3%. Em outubro, a balança comercial brasileira alcançou superávit de mais de US$ 2 bilhões, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC). As exportações somaram mais de US$ 282 bilhões, enquanto o saldo comercial atingiu cerca de US$ 80 bilhões. Para Jorge Viana, presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil), o Brasil avançou em várias direções e os números podem comprovar. Em entrevista exclusiva ao site da Jovem Pan, o ex-senador da República afirmou que a balança comercial e as exportações do país bateram recordes em 2023 e que a volta do Brasil ao palco internacional demonstra um novo período de expansão. Confira abaixo a entrevista completa com Jorge Viana:

Presidente, quais foram as grandes conquistas da APEX em 2023? Começamos nossa nova gestão com metas bem claras de diversificar origens e destinos das exportações brasileiras; de aumentar investimentos atraídos e promover as exportações; ampliar e apoiar a participação de pequenas e médias empresas na pauta exportadora; de promover e alcançar a equidade de gênero em todos os cenários; de aprimoramos nossa estratégia ESG e, assim, fazermos da ApexBrasil uma verdadeira promotora do desenvolvimento sustentável nacional. Avançamos muito em todas essas direções e os números mostram isso. A balança comercial e as exportações brasileiras bateram recordes este ano. Somente até o mês de outubro, as exportações ultrapassaram os US$ 282 bilhões, enquanto nosso saldo comercial chegou a US$ 80 bilhões.

Neste ano, a ApexBrasil apoiou mais de 17 mil empresas. Até setembro, mais 3.700 delas exportaram um valor de US$ 102 bilhões. Os números mostram que estamos avançando na direção certa e que precisamos continuar caminhando e fazendo acontecer. Vimos logo no começo que precisamos aumentar a participação de estados do Norte e Nordeste nas exportações brasileiras. Apesar do grande potencial, elas ainda exportam pouco comparativamente com as demais regiões. Para apoiar esse desenvolvimento regional criamos então o Exporta Mais Brasil, que rodou nesse ano 13 Estados brasileiros, promovendo 13 setores diferentes da economia, em todas as regiões do país. Nesse gancho lançamos também o Exporta Mais Amazônia, esse específico para promover as exportações dos produtos que são compatíveis com a floresta.

Qual setor no Brasil tem ganhado destaque? O Brasil é um dos maiores produtores e exportadores de alimentos do mundo, sendo o agronegócio responsável por quase 50% de tudo o que foi exportado no país em 2022 e assim está sendo em 2023. Por isso, promover o agronegócio brasileiro no exterior e atrair investimentos para o setor estão entre as principais bandeiras levantadas pela ApexBrasil. Ao longo de 2023, assinamos oito novos convênios para projetos setoriais ligados ao setor e a expectativa é de que em 2024 o número de convênios vigentes passe de 21 para 27. Todos eles visam a promoção do setor no comércio exterior e todas as renovações feitas e as que virão terão como premissa pilares ESG.

Assim, estou certo de que estamos avançando para um desenvolvimento coerente com o que o mundo está demandando. Nossa busca de mercados do Sul global se dá sem prejuízo do comércio com tradicionais parceiros, pois os eixos Sul-Sul e Norte-Sul são complementares. A retomada da diplomacia do governo brasileiro está construindo pontes por meio do papel importantíssimo do presidente Lula nas visitas internacionais, nos Fóruns que a ApexBrasil organizou em Angola, na Alemanha e na Arábia Saudita, além, claro, do nosso Pavilhão na COP.

Com quais países o Brasil teve uma reaproximação de comércio exterior neste ano? Em 2023, promovemos um encontro com embaixadores e secretários de Comércio e de Agricultura das representações brasileiras nos países da América Central e Caribe. O encontro ocorreu em outubro na Cidade do Panamá, com objetivo de abrir novos mercados e aumentar a participação do Brasil no comércio com os países da região. Também estivemos este ano em Bogotá, onde nos encontramos com Setores de Promoção Comercial (SECOMS) e secretários de Comércio e de Agricultura de países da América do Sul. A partir das informações e cenários desenhados pelos embaixadores e adidos das embaixadas, a ideia é, então, mapear oportunidades e definir estratégias de programas e projetos para colaborar com essas relações comerciais país a país.

É o que faremos então em 2024. Aumentar a presença de produtos, serviços e investimentos brasileiros em nossa própria região é prioridade para a nova gestão da ApexBrasil. Estamos retomando também uma parceria estratégica com Angola e todo o continente africano, em busca de bons negócios e oportunidades de desenvolvimento para todos. Promovemos o Fórum Econômico Angola Brasil, em agosto, e foi um sucesso. O encontro reuniu mais de 160 executivos brasileiros dos setores de alimentos, produtos farmacêuticos, aviação e máquinas agrícolas e cerca de 300 empresários angolanos. 

Qual o balanço que o senhor faz da sua ida à COP-28? A COP 28 ajudou a reafirmar o retorno do Brasil à agenda do clima como protagonista. A piora nas condições climáticas levaram os debates além do esperado: nesta COP discutiu-se também perdas e danos, quando o que se esperava era somente uma discussão sobre mitigação, adaptação e uma transição climática justa. O Brasil se destacou nessa COP com soluções tecnológicas em debates de transição energética e biosociodiversidade, isso mostrando os resultados de ações em prol da sustentabilidade como, por exemplo, a redução em mais de 49% do desmatamento na Amazônia neste ano.

A movimentação no nosso pavilhão foi incrível, um resultado extraordinário que a ApexBrasil e o Ministério do Meio Ambiente, junto com outros apoiadores, fizeram acontecer lá em Dubai. Foram mais de 13 mil visitantes no nosso Pavilhão. Foram mais de 130 painéis e eventos culturais e mais de 600 reuniões envolvendo autoridades, ministros, entidades privadas e sociedade civil. Junto com o Sebrae, levamos também startups brasileiras que mostraram novas soluções sustentáveis. A ApexBrasil então ajudou a construir todo esse diálogo. Ajudou a mostrar o compromisso do país com um futuro melhor para o mundo. E tudo isso foi um preparo para a COP30, que vai acontecer em Belém, no Pará, em 2025.

Qual tipo de investimento o senhor deseja atrair para o Brasil no próximo ano? Em 2022, o Brasil foi o terceiro maior destino global de investimentos estrangeiros diretos, e está com perspectivas de subir ainda mais um patamar. Nós temos todas as condições para retomar o protagonismo do Brasil como um espaço de atração de investimentos no mundo. As oportunidades que o mercado brasileiro apresentam são únicas para os investidores e fundamentais para alavancar o desenvolvimento sustentável do país. Na área de energia, o Brasil tem grande potencial e expertise em combustíveis sustentáveis. O agronegócio brasileiro é pujante, com grande capacidade e intensidade tecnológica. No setor de inovação, o Brasil possui 32 empresas “unicórnios”, o que revela, entre outros fatores a força do mercado doméstico. E, no setor de infraestrutura, temos o maior portfólio de infraestrutura do mundo em parceria com o PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) e claro, temos o PAC.

Nenhum país do mundo, nesse período, está apresentando um programa tão robusto de atração de investimentos como o Brasil com esse novo PAC lançado pelo presidente Lula. Um investimento que muda a vida dos brasileiros, que gera emprego, que faz com que as parcerias públicas e privadas possam se estabelecer. Alinhada com a política de neoindustrialização do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) e com a agenda de desenvolvimento sustentável, a ApexBrasil estabeleceu quatro eixos estratégicos prioridades para atração de investimentos: Energia (solar, eólica, hidrogênio); Agribusiness (fertilizante, maquinário, biocombustíveis, bebidas e alimentos); Pesquisa e desenvolvimento e inovação (cleantech, tecnologia de saúde, tecnologias financeiras, tecnologias para agronegócio); Infraestrutura (portos, integração ferroviária, mineração sustentável, saneamento, cidades inteligentes).

Qual a previsão que as exportações brasileiras devem atingir durante este terceiro mandato do presidente Lula? Como eu disse antes, a balança comercial e as exportações brasileiras bateram recordes este ano. Estamos passando por um novo fluxo de crescimento, um novo período de expansão. Vamos para onde? Para US$ 1 trilhão? Com a volta do Brasil ao palco internacional e com esse crescimento que já estamos vendo, isso é possível, e temos que trabalhar nesse sentido. Recentemente, o governo federal lançou as bases da denominada “Estratégia Nacional de Comércio Exterior”. A inserção internacional do país, além do trabalho desenvolvido pelas empresas brasileiras, depende de diretrizes sólidas e uma política comercial direcionada, trazendo previsibilidade e segurança para o setor produtivo. Com estratégia e segurança, e com todo o trabalho que o governo brasileiro está fazendo, não tenho dúvida de que vamos crescer ainda mais.

Quais projetos da APEX podemos esperar para o próximo ano? Seguiremos atuando de acordo com as nossas metas e prioridades, de diversificar as origens e destinos das exportações, de ampliar a participação feminina no mercado internacional, de promover o desenvolvimento sustentável e entre outras. Então vamos levar o Exporta Mais Brasil para todos os estados brasileiros, promovendo novos setores da economia, trazendo mais compradores internacionais para verem de perto nossa produção e o potencial dos nossos produtos e das nossas empresas; o Exporta Mais Amazônia também vai crescer e vai mostrar que é possível se desenvolver sem prejudicar a floresta, pelo contrário, que o desenvolvimento econômico pode e deve incorporar a sustentabilidade; o Programa Mulheres e Negócios Internacionais, que lançamos em junho, continuará atuando firmemente com os projetos em parceria com entidades do governo e outras organizações, pois acreditamos na equidade de gênero como promotora do desenvolvimento econômico e social do país; seguiremos na busca de aumentar o número de empresas apoiadas nas feiras internacionais, que são verdadeiras portas de entrada e oportunidade de mostrar para o mundo o que temos de melhor – neste ano levamos ao websummit e à Anuga, por exemplo, a maior delegação de empresas nacionais. Em 2024, portanto, a ApexBrasil continuará seus esforços para se tonar uma verdadeira promotora do desenvolvimento sustentável nacional.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Discordo profundamente de Lula, diz Blinken após fala sobre Holocausto

Secretário de Estado norte-americano diz que apesar das discordâncias, EUA e Brasil precisam agir...

Zilu Godoi rebate discurso de Dado Dolabella sobre Wanessa: “Mentira”

Mãe de Wanessa Camargo, Zilu Godoi decidiu se manifestar nesta sexta-feira (22/2), depois de...

Blinken discorda de Lula, mas diz que “amigos podem ter discordâncias”

O secretário de Estado dos Estados Unidos (EUA), Antony Blinken, disse que discorda da...

Flávio Dino toma posse como ministro do Supremo Tribunal Federal

Novo membro assumirá cargo na Corte três meses após ser indicado pelo presidente Luiz...

Mais para você