InícioEditorialPolítica NacionalRelator vota contra cassação de Moro e diz que PT quer impedir...

Relator vota contra cassação de Moro e diz que PT quer impedir senador de participar da vida política

Voto do juiz Luciano Carrasco Falavinha iniciou julgamento no Tribunal Regional Eleitoral; se condenado, parlamentar perderá o mandato, mas poderá recorrer ao TSE

WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

Sergio Moro corre o risco de ficar inelegível até 2030

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Paraná iniciou o julgamento da ação eleitoral que pode levar à cassação do senador Sergio Moro (União Brasil-PR) por suposto abuso de poder econômico. As acusações, feitas pelo PL e pelo PT, alegam gastos excessivos durante a pré-campanha eleitoral de 2022. No entanto, o relator do processo, juiz Luciano Carrasco Falavinha, votou contra a cassação do ex-juiz e rebateu as teses das siglas autoras, destacando a necessidade de comprovar situações específicas para configurar o abuso de poder econômico. Ele também enfatizou que as despesas da pré-campanha devem ser avaliadas de forma restrita ao Estado do Paraná, não sendo suficiente somar todos os gastos para concluir que houve abuso e destacou que o tribunal não julgará os “erros e acertos” da Operação Lava Jato. “Não há previsão legal sobre gasto de pré-campanha. Por mais que o limite de campanha possa ser utilizado como uma referência. Lembrando que o TSE impediu a candidatura de Moro por São Paulo após uma ação do PT, Falavinha ainda declarou que, “ao que parece, [o partido] busca impedir o investigado de participar da vida política”.

Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

O julgamento envolve sete juízes do TRE, com a possibilidade de pedidos de vista para análises mais detalhadas. Se condenado, Moro perderá o mandato e ficará inelegível até 2030, além de haver a convocação de novas eleições para o Senado. Recursos podem ser apresentados ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e os efeitos da decisão serão válidos após o esgotamento desses recursos. A defesa de Moro argumenta que não existem regras claras que regulem os gastos de pré-campanha no Brasil, destacando a falta de legislação específica. O advogado Gustavo Guedes, representante do ex-juiz, questionou os cálculos apresentados pelas siglas acusadoras, buscando esclarecer qual seria o valor do abuso alegado e como isso teria beneficiado ilegalmente a eleição de Moro como senador do Paraná. Por outro lado, as acusações sustentam que a campanha de Moro se beneficiou da pré-campanha à Presidência da República, quando ele estava no Podemos, o que teria gerado gastos “desproporcionais” e prejudicado os concorrentes à vaga no Legislativo. O Ministério Público Federal também defendeu a cassação, alegando abuso de poder econômico e apontando indicativos do TSE de que os gastos na pré-campanha devem ser “moderados, proporcionais e transparentes”.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

O candidato de Lula a presidente da Câmara não será o de Arthur Lira

A fala original de Ulysses Guimarães, presidente do MDB, da Câmara dos Deputados e...

Atletas olímpicos “convocam” a população para votar nas Eleições 2024

No ano em que o mundo voltará os olhos para os Jogos Olímpicos de...

Caixa deve discutir mudança em operação das Loterias na 2ª

Medida preocupa funcionários e causou reação de entidades representativas, que prepararam carta ao Conselho...

Conheça história do Hino Nacional, cujo dia é celebrado neste sábado

Neste sábado (13/4), o Brasil celebra o dia do Hino Nacional Brasileiro. A escolha...

Mais para você