InícioEditorialPolítica NacionalRevolução dos Cravos faz 50 anos com direita no poder em Portugal

Revolução dos Cravos faz 50 anos com direita no poder em Portugal

Movimento veio do descontentamento com o regime ditatorial do Estado Novo; marcou a derrubada do salazarismo

Na imagem, pessoas comemoram em cima de um tanque em Lisboa durante a Revolução dos Cravos Reprodução/Centro de Documentação 25 de Abril

Bruna Rossi 25.abr.2024 (quinta-feira) – 6h00

A Revolução dos Cravos, em Portugal, completa 50 anos nesta 5ª feira (25.abr.2024). O nome é inspirado no fato de os portugueses terem distribuído cravos aos soldados que lutavam para restabelecer a democracia. O movimento veio por causa do descontentamento com o regime ditatorial que havia sido instalado em 1933.

Foram os militares portugueses que derrubaram o governo em 25 de abril de 1974. Foi o fim do salazarismo –como ficou conhecida a forma de governo implantada pelo ditador nacionalista português António de Oliveira Salazar (1889-1970). Com a revolução, Portugal passou a ter um regime democrático que dura até hoje.

Adriano de Freixo, professor do Instituto de Estudos Estratégicos da UFF (Universidade Federal Fluminense), afirma que os oficiais das Forças Armadas portuguesas estavam descontentes com certas questões de caráter corporativo, mas, principalmente, com o desgaste criado pela manutenção de um Estado Novo nas guerras coloniais.

Um dos países mais pobres da Europa, Portugal investia muito dinheiro na tentativa de manter as suas colônias. “Um país que já era pobre, gastando a maior parte do seu orçamento com despesas militares, impactava fortemente a economia portuguesa”, diz o especialista.

Segundo Freixo, o descontentamento com o Estado Novo foi agravado pelo afastamento e depois pela morte, em 1970, do presidente do Conselho de Ministros, António de Oliveira Salazar. “Ele foi substituído por Marcello Caetano [1906-1980], que não tinha a mesma habilidade e a mesma capacidade de articulação do seu antecessor”.

“Então, há uma mudança da liderança do regime, há um contexto de crise econômica que vai ser profundamente agravado pelos gastos militares com as guerras coloniais e há, posteriormente, o desgaste gerado pelas próprias guerras”, afirma o professor.

Segundo o especialista, os militares começaram a perceber que as guerras coloniais não tinham solução militar, ou seja, Portugal nunca ganharia essas guerras de libertação porque “estavam lutando contra movimentos fortemente enraizados nas populações locais que queriam a independência”.

A solução, então, teria que ser política e não viria com o governo do Estado Novo. “O caminho seria derrubar aquele governo que não queria acabar com as guerras coloniais”, diz Freixo.

Com a revolução, o general António de Spínola (1910-1996) assumiu em 15 de maio de 1974 o cargo de presidente da República. Adelino da Palma Carlos (1905-1992) foi nomeado primeiro-ministro em 16 de maio de 1974.

A nova Constituição democrática portuguesa entrou em vigor em 25 de abril de 1976. A data é feriado nacional em Portugal e conhecida como Dia da Liberdade.

Impactos no Brasil O professor diz que um dos impactos da Revolução dos Cravos no Brasil foi que opositores à ditadura brasileira (1964-1985) começaram a ver com esperança o que acontecia em Portugal: “Digamos que a derrubada da ditadura em Portugal acendeu esperanças na oposição que lutava contra a ditadura do Brasil”.

Outro impacto foi que muitos exilados brasileiros foram para Portugal, como o ex-deputado e jornalista Márcio Moreira Alves (1936-2009), que estava em Cuba.

O mundo da música também foi impactado. A canção “Tanto Mar”, de Chico Buarque, foi proibida no Brasil. A composição, de 1975, saudava a Revolução dos Cravos.

Ouça (1min24s):

Eis a letra da canção “Tanto Mar” de Chico Buarque:

Sei que estás em festa, pá

Fico contente

E enquanto estou ausente

Guarda um cravo para mim

Eu queria estar na festa, pá

Com a tua gente

E colher pessoalmente alguma flor

No teu jardim

Sei que há léguas a nos separar

Tanto mar, tanto mar

Sei também quanto é preciso, pá

Navegar, navegar

Lá faz primavera pá

Cá estou doente

Manda urgentemente algum cheirinho

De alecrim

Direita no poder Diferentemente do Brasil, o país europeu vive sob um regime semipresidencialista, no qual o primeiro-ministro é o chefe do Executivo e o presidente é o chefe de Estado.

Nos 50 anos da Revolução dos Cravos, quem está no comando de Portugal é a direita, com o líder da AD (Aliança Democrática), Luís Montenegro, como primeiro-ministro. Tomou posse em 2 de abril. Substituiu o esquerdista António Costa, do PS (Partido Socialista), que governava o país desde 2015.

A posse de Montenegro marcou o avanço da direita em Portugal. Nas eleições de março de 2024, o PS, antes maioria na Assembleia da República, perdeu cadeiras para a AD, formada pelo partido do premiê, o PSD (Partido Social Democrata), e pelo CDS-PP (Centro Democrático Social – Partido Popular) e PPM (Partido Popular Monárquico).

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Durante tensão diplomática, Milei diz que viajará à Espanha

Presidente da Argentina pretende ir ao país europeu em 21 de junho para receber...

Vídeo: após TSE rejeitar cassação, Moro diz que julgamento foi técnico

VINÍCIUS SCHMIDT/METRÓPOLES 1 de 1 Imagem colorida do Senador Sérgio Moro (União-PR) deixa gabinete...

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

A desburocratização do acesso aos quatro principais fundos internacionais voltados para o financiamento de...

Companhias aéreas anunciam voos em Canoas como alternativa a Porto Alegre

As companhias aéreas Azul e Latam anunciaram a oferta de voos com origem ou...

Mais para você