InícioEditorialRol taxativo: entenda como decisão do STJ altera planos de saúde

Rol taxativo: entenda como decisão do STJ altera planos de saúde

Ao decidir que o rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) seria taxativo, o Superior Tribunal de Justiça (STJ), na quarta-feira (8/6), deu autorização para os planos de saúde a atenderem somente a lista de procedimentos restrita ao que está escrito atualmente. Se os magistrados tivesse definido que o rol seria exemplificativo, isso facilitaria cobrança a planos de saúde para técnicas novas ou procedimentos inovadores que surjam com a evolução da medicina.

Ou seja, rol taxativo dificulta cobrança sobre planos de saúde por tratamentos extras. Antes, se alguém precisasse de algum procedimento que não estava na lista recorria à Justiça. No geral, magistrados entendiam que o rol era exemplificativo e dava ganho de causa ao recorrente.

  • Brasil
    Entidades e famílias vão ao STF contra rol taxativo de planos de saúde
  • Fachada do Superior tribunal de justiça - STJ
    Brasil
    Rol taxativo: STJ torna mais difícil pedidos extras a planos de saúde
  • planos de saúde
    Justiça
    STF dá cinco dias para União explicar reajuste dos planos de saúde
  • As empresas são obrigados apenas a cobrir os procedimentos elencados pela ANS, mas o voto do ministro Villas Bôas Cueva propôs que pode haver haja exceções em caso de necessidade de usuários. Não há, no entanto, clareza sobre como isso funcionará.

    A lista da ANS é considerada básica para alguns especialistas. Tem mais de 3 mil procedimentos, mas deixa de fora cirurgia com tecnologia robótica, quimioterapia oral, radioterapia e diversos outros tipos de terapias.

    E mais: alguns remédios e terapias, por exemplo, são usados para certos tipos de doenças que não se encontram nas bulas e, por isso, não estão no rol da ANS. Assim, eles também deixarão de ser custeados pelos planos. Para os especialistas, os avanços tecnológicos da medicina não estarão nessa lista.

    Confira, de forma resumida, como o sistema funcionará:

    • O plano de saúde não precisa bancar tratamento que não apareça na lista da ANS, em caso da existência de outro procedimento semelhante no rol
    • Pode-se contratar cobertura ampliada ou negociar um aditivo para algum procedimento extra
    • Se não houver substituto terapêutico ou se todos os procedimentos do rol acabarem durante o tratamento, é possível a cobertura, a não ser que tenha sido expressamente proibido pela ANS, exista “comprovação da eficácia do tratamento à luz da medicina baseada em evidências” ou recomendação de órgãos técnicos de renome, ou por diálogo entre o Judiciário e especialistas

    Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

    O post Rol taxativo: entenda como decisão do STJ altera planos de saúde apareceu primeiro em Metrópoles.

    Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

    Últimas notícias

    Fiocruz diz que cerca de 3.000 instalações de saúde no Rio Grande do Sul foram afetadas pelas enchentes

    Um levantamento recente realizado pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) trouxe à tona uma realidade...

    Anatel aprova novo sistema de alertas de emergência

    Aviso aparecerá sobreposto às telas abertas nos celulares; utilização ainda depende de treinamento com...

    Antes de nascer, filho de Viih Tube bate 100 mil seguidores nas redes

    Viih Tube e Eliezer revelaram, neste sábado (25/5), que a filha Lua ganhará um...

    Homem agredido por morador de rua no Sudoeste é agente da PF

    O homem que foi agredido por um jovem em situação de rua, na tarde...

    Mais para você