InícioNotíciasPolíticaSessões de autógrafos, passeios no mercado e uma grave indigestão: a vida...

Sessões de autógrafos, passeios no mercado e uma grave indigestão: a vida de Bolsonaro em Orlando

Desça para ler a matéria

Durante 17 dias, o Metrópoles acompanhou de perto a rotina do ex-presidente Jair Bolsonaro, em Orlando, nos Estados Unidos. A temporada do político brasileiro em terras estrangeiras tem direito a sessões de autógrafos, passeios no mercado, confusão no condomínio e uma grave indigestão que o levou ao hospital. Nesta matéria especial, a reportagem revela hábitos, declarações racistas e mostra a reação do ex-mandatário diante de episódios históricos para o Brasil.

Mirelle Pinheiro05/03/2023 – 5:00

Antes de o ponteiro marcar 9h, uma pequena fila começa a se formar em frente à casa de número 200, localizada na esquina da rua Auburn do resort de luxo Encore Resort at Reunion, na cidade de Kissimmee, Flórida (EUA). O imóvel pertence ao ex-lutador de MMA José Aldo e abriga, desde 30 de dezembro do ano passado, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

A casa, com capacidade de abrigar até cinco famílias, não tem muro e segue o padrão das residências americanas. São nove quartos decorados com personagens infantis, como minions, Moana e Mickey. Há, ainda, sala de cinema, ambiente de jogos, cozinha com mesa de 14 lugares, além de uma ilha com outros seis assentos, piscina com churrasqueira e uma garagem adaptada para jogos, com luz de led e cadeiras gamers com o tema Avatar.

Para preservar a privacidade da família Bolsonaro, foram colocados painéis de proteção na área da piscina, uma vez que o modelo do condomínio conta apenas com uma pequena cerca entre os lotes. O imóvel também foi inspecionado pela polícia dos Estados Unidos.

A estadia de Bolsonaro no país estrangeiro deve terminar até o fim deste mês. Na terça-feira (28/2), o governo Lula prorrogou, até 30 de março, o prazo concedido para três seguranças do ex-presidente permanecerem nos Estados Unidos. Segundo a portaria publicada no Diário Oficial da União, os agentes deverão acompanhar o ex-mandatário em “agenda internacional nas cidades de Deerfield Beach e Orlando, Flórida”.

Sala de jantar – Foto/Divulgação

O imóvel pertence ao lutador de UFC José Aldo e fica na esquina da rua Auburn do resort de luxo Encore Resort at Reunion, na cidade de Kissimmee, na Flórida (EUA) – Foto/Divulgação

Sala de estar – Foto/Divulgação

Quarto de casal – Foto/Divulgação

Sala de jogos – Foto/Divulgação

Sala de jogos – Foto/Divulgação

Sala de jogos – Foto/Divulgação

Quarto decorado com o tema minions, do filme Meu Malvado Favorito – Foto/Divulgação

Quarto decorado com personagens e produções da Disney – Fotos/Divulgação

Quarto inspirado no filme Moana – Um Mar de Aventuras – Fotos/Divulgação

Sala de jantar – Fotos/Divulgação

A comitiva de Bolsonaro contou com 39 assessores e seguranças. O grupo incluía os militares Mauro César Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro e alvo de investigação no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeitas de uma espécie de caixa 2 no Palácio do Planalto; e Marcelo Ustra, primo do coronel Brilhante Ustra, primeiro militar brasileiro condenado pela prática de tortura. Apenas no período de 1º a 15 de janeiro deste ano, o ex-presidente gerou uma despesa de R$ 63,5 mil, gastos com a equipe de apoio.

Cerca de oito seguranças se revezam 24 horas nos sete dias da semana. Os assessores, em grande parte policiais e ex-policiais militares, usam uma casa de apoio localizada nas proximidades do condomínio, em Magic Village, para descansar nos dias de folga. Boa parte da equipe não domina o inglês e conta com o auxílio de vizinhos ou de funcionários brasileiros do resort para se comunicar com a administração do condomínio.

Embora os horários de visita ao ex-mandatário variem, a presença do político é quase certa por volta das 10h e das 15h, no fuso local. Já foram contabilizados nove encontros por dia, com filas formadas por até 200 pessoas. Em Orlando, Bolsonaro é tietado inclusive por personalidades públicas, a exemplo do meia-atacante Valdivia, ex-craque do Palmeiras.

No dia do encontro, o atleta usava camiseta que estampava o rosto do rapper, ator e compositor americano Tupac Amaru Shakur, o 2Pac — que, além de ser considerado um dos melhores e mais importantes artistas do hip-hop, é um ícone da esquerda. A mãe do músico, Afeni Shakur, estava entre os 21 Panteras Negras presos e acusados de conspiração para bombardear as delegacias de polícia em Nova York. O próprio Tupac também chegou a ser membro da Liga Comunista Jovem.

Além do jogador, o ator Caio Castro também ofereceu mimos ao ex-presidente. O artista promoveu um jantar para 20 convidados; entre eles, Jair Bolsonaro.

Pela manhã, a movimentação de apoiadores do ex-mandatário começa tímida, geralmente com cerca de cinco brasileiros, todos usando roupas que remetem às cores da bandeira nacional. Eles enfrentam baixas temperaturas para posar ao lado de Jair Bolsonaro. O grupo fica mais numeroso com o passar das horas.

Paul Hennessy/Anadolu Agency via Getty Images

Paul Hennessy/Anadolu Agency via Getty Images

Paul Hennessy/Anadolu Agency via Getty Images

Paul Hennessy/Anadolu Agency via Getty Images

Paul Hennessy/Anadolu Agency via Getty Images

Ao longo do dia, surgem apoiadores provenientes das mais diversas origens, de Norte a Sul do Brasil; os assuntos na fila de espera, porém, costumam ser os mesmos: possíveis fraudes nas eleições, desconfiança com relação às urnas, medidas rigorosas tomadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes e “integrantes da esquerda infiltrados” em ataques antidemocráticos.

A discussão só cessa quando os seguranças se levantam e abrem a porta do imóvel. Bolsonaro sai acenando e começa o primeiro “atendimento” do dia. Nesse momento, o político ganha status de artista: distribui autógrafos, recebe presentes, grava vídeos e tira fotos. Quando se sente mais confortável, faz pronunciamentos nos quais menciona obras de seu governo, lamenta o resultado das eleições e ataca adversários. Em uma das manhãs, após se certificar de que ninguém estava gravando, desabafou afirmando que suas pautas eram direcionadas aos empresários.

“Quem mora fora tem uma visão melhor do que acontece no Brasil. Ser patrão é um sofrimento. Agora, o STJ aprovou que demissão é só justa causa mesmo. Você não vai contratar mais ninguém. Botaram a questão da injúria racial como se racismo fosse. O que o povão sabe sobre o que é injúria? Imagine ser patrão em uma situação dessa?”

Na fala, o ex-presidente se refere a um julgamento que tramita no STF. A ação, no entanto, não dispõe sobre o fim da demissão sem justa causa, mas analisa a necessidade de que o empregador apresente justificativa para as demissões feitas por sua iniciativa. O processo, paralisado por um pedido de vista, deverá ser retomado ainda no primeiro semestre deste ano.

Sobre o racismo, o político menciona a Lei nº 14.532, sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) neste ano, que tipifica a injúria racial como crime de racismo. A nova legislação também aumenta a pena de reclusão nesses casos – antes, era de 1 a 3 anos; atualmente, fixou-se o período entre 2 e 5 anos. Vale ressaltar a diferença entre os dois termos: enquanto o racismo é entendido como um crime contra a coletividade, a injúria é direcionada ao indivíduo.

A mudança na lei é um passo importante na luta antirracista, já que, muitas vezes, as ofensas são feitas em tom de piada, e o autor do crime alega que não quis ofender. Com a lei, a injúria racial se torna um crime inafiançável e imprescritível, ou seja, sem prazo máximo para que os autores sejam punidos pela Justiça.

A nova lei também enquadra crimes cometidos em locais destinados a atividades religiosas, artísticas, culturais ou esportivas, como teatros e estádios de futebol. Quem for condenado vai ser proibido de frequentar os locais por até três anos.

Hugo Barreto/Metrópoles

No “cercadinho de Orlando”, além de empresários, há pastores; manifestantes que participaram de acampamentos erguidos em frente aos quartéis-generais do Exército em Belo Horizonte e em Brasília, por exemplo; e brasileiros que trabalham nos arredores e até mesmo em cidades mais distantes, como Nova York, Boston e Chicago. Alguns americanos e judeus também tietam Bolsonaro.

Mesmo com a intensa movimentação na rua todos os dias, há turistas que passam férias no local e não fazem ideia de quem causa toda aquela aglomeração. Frequentemente hóspedes perguntam: “Qual celebridade está no local?”. O condomínio é conhecido por receber atletas, atores e personalidades em geral, nacionais e internacionais.

Toda a movimentação também é acompanhada por policiais americanos que, vez ou outra, aproveitam para tirar fotos com o ex-presidente. Repórteres e fotógrafos, entretanto, não costumam ser tão bem recebidos no local. A imprensa em geral é tratada pelos bolsonaristas como manipuladora e associada à esquerda. Seguranças retiram do local os poucos militantes contrários ao governo Bolsonaro que protestam em frente ao endereço.

Com esse grande fluxo de pessoas, nem sempre é possível atender à orientação de organizar os apoiadores em fila, na calçada, e não obstruir a pista. Por isso, a administradora do condomínio eventualmente precisa advertir a equipe do político.

Quando não está distribuindo autógrafos, Jair Bolsonaro vive uma rotina pacata, que inclui compras no mercado e almoços em redes de fast-food e self-service. As andanças são registradas por seguranças e apoiadores que o encontram nos estabelecimentos. Desde dezembro nos EUA, o ex-presidente tenta passar a imagem de homem do povo, com hábitos simples. No entanto, o cardápio do último jantar de Bolsonaro como chefe do Executivo, em 31 de dezembro, teve filé ao molho madeira, arroz com amêndoas, bacalhau gratinado com natas, salada de camarão com brócolis e maçã-verde, e farofa de biscoito com bacon.

No Instagram, a chef Karlota Fonseca, responsável pela ceia de Bolsonaro, publicou o item mais cobiçado da refeição: um pernil de 14 quilos assado no forno por cinco horas.

Conhecida em Orlando como “chef das estrelas”, a cozinheira paraibana Karlota trabalha nos Estados Unidos e já serviu buffets a Anitta, Simone Mendes, Larissa Manoela e Claudia Leitte, entre outros famosos.

Apesar de morar a poucos metros do parque aquático e da área de lazer do resort, Bolsonaro nunca foi visto por lá. O conglomerado de luxo conta, ainda, com academia, dois restaurantes e lojas de conveniência. Há casas disponíveis para aluguel a quem deseja se hospedar no complexo residencial. Entretanto, os futuros visitantes precisarão desembolsar entre US$ 517 e US$ 1 mil, o equivalente a R$ 2,7 mil e R$ 5,2 mil.

Quem almeja se hospedar no Encore Resort at Reunion deve reservar alguma residência por, no mínimo, três noites. Em sites de hotéis, o condomínio de luxo é avaliado com cinco estrelas. Em 2020, o complexo integrou a lista do Travelers’ Choice, do TripAdvisor. Feito de carro, o percurso entre o endereço e os parques temáticos Walt Disney World e Animal Kingdom leva aproximadamente 15 minutos.

Para controlar o check-in e o check-out dos hóspedes, cada casa do complexo contém um QR Code que libera a entrada no portão principal. No site oficial, há uma descrição a respeito das residências que compõem o Encore, definido como “principal marca de resorts de casas de férias”. “Todos os nossos tipos de unidades são construídos com o mesmo alto padrão para proporcionar uma experiência de classe mundial aos nossos hóspedes”, explicam na página.

O site também anuncia a disponibilidade de chef ou barman particular. Como seria de se esperar, o condomínio de luxo é fechado, com segurança durante 24 horas, nos sete dias da semana.

A temporada de Jair Bolsonaro nos Estados Unidos pode estar na reta final. Em entrevista concedida ao jornal americano Wall Street Journal, o político revelou que planeja voltar ao Brasil em março para liderar a oposição ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Bolsonaro defendeu uma articulação com o Congresso e com os governos estaduais para promover pautas como o combate ao aborto, ao controle de armas e a políticas que alega serem contrárias aos “valores familiares”. “O movimento de direita não está morto e continuará vivo”, pontuou o ex-presidente.

Enquanto não embarca de volta para Brasília, o ex-mandatário segue hospedado no resort de luxo, recebe visitas diárias, passeia pela cidade e faz palestras em eventos para os apoiadores. As ministrações já ocorreram em teatros e igrejas evangélicas de Orlando e Miami. Em média, os ingressos variam de US$ 10 e US$ 40 (R$ 52 a R$ 207, segundo cotação de 17 de fevereiro de 2023). Para ficar mais perto do político, é ofertado o ticket para a área VIP, no valor de US$ 50 (R$ 258).

Em seus discursos em solo norte-americano, Bolsonaro também fala de assuntos pessoais, como o casamento com Michelle e o seu salário. Segundo ele, os vencimentos como presidente da República, de R$ 33 mil, são baixos.

“Alguém sabe quanto foi o meu salário bruto em dezembro do ano passado? R$ 33 mil. Dá aí US$ 6 mil. Compensa? Você não vai para lá (Presidência) para ser recompensado financeiramente. Para ministro, o salário é igual”, afirmou durante um culto na igreja New Hope Church, em Orlando.

E, por causa da rotina como chefe da nação, às vezes, Bolsonaro “nem lembrava que tinha esposa”.

Confira o vídeo:

30 de DezembroLula convida a deputada federal Joênia Wapichana (Rede-RR) para presidir a Fundação Nacional do Índio (Funai), atualmente denominada Fundação Nacional dos Povos Indígenas.

30 de DezembroBolsonaro chega aos Estados Unidos (EUA) na noite de sexta-feira (30/12). O então chefe do Executivo desembarca no Aeroporto Internacional de Orlando por volta das 23h (horário de Brasília).

1 de JaneiroLuiz Inácio Lula da Silva toma posse como presidente do Brasil.

1 de JaneiroBolsonaro é recepcionado por multidão de brasileiros em Orlando.

3 de JaneiroLula vai ao enterro do ex-jogador Pelé, em São Paulo.

3 de JaneiroCercado por crianças, Bolsonaro posa para fotos em Orlando.

4 de JaneiroLula faz a primeira reunião no Palácio do Planalto, com o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

4 de JaneiroBolsonaro é visto em mercado na Flórida.

8 de JaneiroBrasília se torna palco do maior ataque antidemocrático da história do país. Apoiadores do ex-presidente Bolsonaro invadem e deixam rastro de destruição no Palácio do Planalto, no Congresso Nacional e no Supremo Tribunal Federal.

8 de JaneiroBolsonaro acompanha as notícias dos ataques e fala com interlocutores. À noite, antes de dormir, come duas bananas grandes e precisa ser socorrido às pressas no Hospital Florida AdventHealth Celebration, nos Estados Unidos. O ex-presidente havia sido orientado a não ingerir alimentos durante a noite, devido à cirurgia intestinal realizada após ele ser esfaqueado durante a campanha eleitoral de 2018. O ex-chefe do Executivo não seguiu as recomendações médicas e ficou internado por três dias.

14 de JaneiroUm dos mais fiéis ministros de Bolsonaro e ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres foi preso pela Polícia Federal. O pedido de prisão preventiva decorre do inquérito que apura os atos terroristas ocorridos em Brasília no dia 8. Na data dos ataques aos prédios do Supremo, do Congresso Nacional e do Palácio do Planalto, Torres estava de férias em Orlando, nos Estados Unidos. Autoridades suspeitam que o ex-secretário tenha facilitado a ação dos extremistas que depredaram os prédios públicos.

14 de JaneiroRecluso em casa por recomendação médica, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) teve uma manhã de artista em Orlando, nos Estados Unidos. Hospedado em um condomínio na região de Kissimmee, o político distribuiu autógrafos e assinou até tênis e bonecas.

15 de JaneiroViralizam imagens das câmeras de segurança interna do Palácio do Planalto, nas quais um homem, vestindo camiseta estampada com o rosto de Jair Bolsonaro, quebra o raríssimo e histórico relógio de Balthazar Martinot. Além desse item de valor inestimável, outras obras também foram destruídas.

15 de JaneiroAcompanhado de um segurança, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) fez compras em um supermercado na região de Kissimmee, próximo à Orlando. O político chegou a fazer uma ligação antes de pegar bandejas de carne. Segundo testemunhas, Bolsonaro estava falando com a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro. O passeio foi registrado por clientes.

16 de JaneiroO Metrópoles revela que, mesmo sem a presença de Jair Bolsonaro, Eduardo e Jair Renan, filhos do ex-presidente, gastaram mais de R$ 60 mil no cartão corporativo, em um único dia, durante visita a Goiás. Em 30 de agosto de 2021, data em que o então presidente não tinha agenda oficial no estado, os dois gastaram R$ 63.399,90.

16 de JaneiroNa porta da casa onde está hospedado em Orlando, nos Estados Unidos, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) decidiu falar com apoiadores, na segunda-feira (16/1), sobre medidas adotadas em sua gestão e admitiu que cometeu “deslizes”. Bolsonaro também mencionou os ataques terroristas que ocorreram em Brasília no último dia 8 e classificou o episódio como “inacreditável”.

27 de JaneiroA Polícia Federal (PF) deflagra a terceira fase da Operação Lesa Pátria, para identificar mais pessoas que participaram, financiaram e fomentaram os atos terroristas cometidos em 8 de janeiro, em Brasília. Na ocasião, extremistas invadiram e depredaram o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF). Léo Índio, sobrinho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), está entre os alvos de mandado de busca e apreensão, no DF e no RJ. Ele participou do ato terrorista.

27 de JaneiroEm um período sabático na terra do fast-food, o ex-presidente Jair Bolsonaro foi fotografado por assessores preparando um café da manhã inusitado: pão com leite condensado. O político fez a refeição na mansão do ex-lutador de MMA José Aldo, onde está hospedado desde 30 de dezembro, antes de terminar o governo.

29 de JaneiroO ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeita a ação que pretendia suspender a posse de deputados bolsonaristas supostamente envolvidos nos atos golpistas de 8 de janeiro. A decisão saiu após a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestar contra a medida.

29 de JaneiroNos Estados Unidos, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) tirou a tarde para cuidar do visual e cortar o cabelo. O serviço ficou a cargo do cabeleireiro e pastor Deivid Wilson, que mora em Orlando há mais de quatro anos. O profissional gravou todo o percurso que fez até chegar a casa em que o ex-chefe do Executivo Federal está hospedado, na região de Kissimmee. No vídeo, Wilson diz: “Vou cortar o cabelo dele igual ao do Neymar hoje. Um moicano. Vou maquinar o cabelo do presidente”.

DIRETORA-EXECUTIVALilian TahanEDITORA-EXECUTIVAPriscilla BorgesEDITOR-CHEFEOtto ValleCOORDENAÇÃO E EDIÇÃOOlívia MeirelesREPORTAGEMMirelle PinheiroREVISÃOJuliana GarcêsEDIÇÃO DE ARTEGui PrímolaDESIGNCaio AyresCOORDENÇÃO DE VÍDEOGabriel FosterEDIÇÃO DE VÍDEOTauã MedeirosEDIÇÃO DE FOTOGRAFIADaniel FerreiraMichael MeloFOTOGRAFIAIgo EstrelaRafaela FeliccianoGetty ImagesTECNOLOGIAAllan RabeloDaniel MendesSaulo MarquesWellington Gabriel Monteiro

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

INSS começa a pagar décimo terceiro antecipado nesta quarta

Começa nesta quarta-feira (24) o pagamento do abono anual aos beneficiários da Previdência Social...

Semana de Prevenção ao Câncer de Boca: FACISA Promove Evento Gratuito em Itamaraju

Nesta quinta-feira, dia 25 de abril, a Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) em...

Por frente ampla, Nunes se reúne com representantes de partidos

Caciques de 9 siglas que apoiam a reeleição do prefeito de São Paulo compareceram...

Lula cobra ministros, mas teve 74% menos reuniões com parlamentares que Bolsonaro

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação/Arquivo O presidente Lula 24 de abril de 2024 | 10:29 ...

Mais para você